Quando Rabi Sholom Dovber de Lubavitch passava algum tempo numa clínica de repouso em Wirtzburg, Alemanha, em 5667, um grupo de chassidim foi passar um Shabat com seu Rebe. Entre eles estava Reb Yossef Yuzik Horowitz, seu genro Reb Feivel Zalmanov e Reb Elimelech Stoptzer.

O Rebe rezou por muitas horas naquela manhã de Shabat, como era seu hábito. Enquanto isso, os chassidim fizeram kidush e realizaram um número respeitável de l'chaim. Mais tarde, quando o Rebe havia terminado e eles se sentaram para fazer-lhe companhia na refeição de Shabat, Reb Yossef Yuzik perguntou: "Rebe, o que é um chassid?"

Replicou o Rebe: "Um chassid é um acendedor de lampiões. O acendedor de lampiões anda pelas ruas carregando uma tocha no fim de um bastão. Ele sabe que a chama não lhe pertence. E vai de poste em poste para acendê-los."

Perguntou Reb Yossef Yuzik: "E se o lampião está no deserto?"

"Então a pessoa deve ir e acendê-lo," disse o Rebe. "E quando alguém acende uma lamparina no deserto, a desolação do deserto torna-se visível. O deserto estéril ficará então envergonhado perante a lâmpada ardente."

Continuou o chassid: "E se a lamparina estiver no mar?"

"Então a pessoa deve se despir, mergulhar no oceano, e ir acender a lamparina."

"E isto é um chassid?" perguntou Yossef Yuzik.

O Rebe pensou por um longo tempo. Disse então: "Sim, isto é um chassid."

"Mas Rebe, não vejo as lamparinas!"

Respondeu o Rebe: "Porque você não é um acendedor de lampiões."

"Como posso me tornar um acendedor de lampiões?"

"Primeiro, deve rejeitar o mal que existe dentro de você. Comece consigo mesmo. Purifique-se, refine-se e verá a lamparina dentro de seu próximo. Quando a pessoa é impura, D’us não o permita, vê impureza; quando a própria pessoa é refinada, enxerga a perfeição nos outros."

Reb Yossef Yuzik perguntou então: "Deve-se agarrar o outro pela garganta?"

Replicou o Rebe: "Pela garganta, não; mas pelo colarinho, sim."