Em 5559, Rabi Schneur Zalman de Liadi foi encarcerado, sob a alegação de que seus ensinamentos minavam a autoridade imperial do czar. Por 52 dias, ficou detido na Fortaleza de Pedro e Paulo em Petersburgo.

Entre os interrogadores do Rebe estava um ministro do governo que possuía grande conhecimento da Bíblia e dos estudos judaicos. Em uma ocasião, pediu ao Rebe que explicasse o versículo: "D’us chamou o homem e lhe disse: Onde está você?" Por acaso D’us não sabia onde Adam estava?

Rabi Schneur Zalman apresentou a clássica explicação oferecida pelos comentaristas: a pergunta: "onde está você?" era apenas um meio de iniciar a conversa por parte de D’us, que não queria deixar Adam nervoso, confrontando-o de imediato com seu erro.

"Aquilo que Rashi diz, eu já conheço," disse o ministro. "Desejo ouvir agora como o Rebe interpreta este versículo."

"Acredita que a Torá é eterna?" perguntou o Rebe. "Que cada palavra sua aplica-se a cada indivíduo, sob todas as circunstâncias, em todas as épocas?"

"Sim," replicou o ministro.

Rabi Schneur Zalman ficou extremamente gratificado ao ouvir a resposta. O ministro do czar havia afirmado um princípio que está na base dos ensinamentos do Rabi Israel Báal Shem Tov – os mesmos ensinamentos e ideologia pelos quais ele estava enfrentando julgamento!

"Onde está você?" explicou o Rebe – "é o perpétuo chamado de D’us a todo homem. Onde está você neste mundo? O que tem feito? Você recebeu um determinado número de dias, horas e minutos nos quais deve cumprir sua missão na vida. Já viveu por tantos anos e tantos dias – Rabi Schneur Zalman disse a idade exata do ministro – e onde está você? O que fez?"