Durante o mês de Elul, um maguid (pregador viajante) veio a Beshenkovitz, onde Reb Shmuel Munkes vivia. Reb Shmuel era um chassid amado do Rabi Shneur Zalman de Liadi, fundador do Chassidismo Chabad. Embora conhecido por sua inteligência afiada e suas "brincadeiras Chassidicas", Reb Shmuel tinha uma personalidade profunda, que não aceitava falsidade, e cujo ego próprio foi completamente anulado para realizar a vontade de seu Criador.

As pessoas da cidade viram a carta de apresentação do Maguid, que se auto referia como um grande tsadic (pessoa justa), que viajava de cidade em cidade só para despertar e inspirar judeus. Sendo pessoas tementes a D'us, eles imediatamente o convidaram para falar e inspirá-los a servir melhor a D'us.

O maguid começou seu discurso. Algumas vezes, ele acusou seu público de cometer pecados terríveis. Todo o seu discurso estava cheio de acusações e as descrições dos terríveis castigos que os aguardavam porque seu mal comportamento havia despertado a ira divina. Só se eles se arrependessem sinceramente, eventualmente, teriam a chance de ser poupados. As pessoas da cidade ficaram completamente quebradas com as palavras duras do Maguid, e choraram amargamente, temendo uma punição terrível. Após seu discurso, o Maguid, satisfeito consigo mesmo, retirou-se para o quarto que a comunidade tinha reservado para ele.

Um pouco mais tarde, Reb Shmuel entrou no quarto do maguid. Ele levou consigo uma faca longa e uma pedra para afiá-la. Reb Shmuel fechou a porta atrás de si e, em seguida, a trancou. Sem pronunciar palavra, Reb Shmuel começou a afiar a faca.

Alguns momentos tensos se passaram. Finalmente, o maguid quebrou o silêncio e perguntou com espanto: "Senhor, você poderia por favor me dizer o que você está fazendo?"

Sem olhar para cima e concentrado na faca que estava afiando, Reb Shmuel respondeu: "Como o senhor sabe, grande maguid, somos pessoas muito simples nesta cidade. Talvez seja  por causa de nossos pecados não intencionais que nunca merecemos ter um grande Tsadic, justo, temente a D'us e estudioso em nosso meio."

Não sabendo o que fazer com esta resposta, o maguid respondeu: "Sim, isso é verdade. No entanto, o que isso tem a ver com afiar sua faca?"

Reb Shmuel respondeu simplesmente: "Fomos ensinados por nossos pais que, antes de Rosh Hashaná, a pessoa deve rezar nos túmulos dos justos."

Ainda não tendo certeza de onde Reb Shmuel queria chegar, o maguid perguntou: "Isso está correto. Mas por que você está afiando a faca?"

"Oh, isso é muito simples", explicou Reb Shmuel. "O túmulo mais próximo de uma pessoa justa está muito longe de nossa cidade. Para alguns de nós, é extremamente problemático e difícil empreender uma viagem tão longa."

Com estas palavras adicionais, o maguid começou a se sentir desconfortável. Ele começou a suar e aventurou-se: "Mas você ainda não explicou por que você está afiando a faca nesta sala!"

Reb Shmuel respondeu: "Muito simplesmente, estou afiando a faca aqui, porque os habitantes da cidade querem uma pessoa muito justa enterrada nesta cidade."

Agora, o Maguid não tinha mais uma sombra de dúvida sobre as intenções de Reb Shmuel. O maguid gaguejou, "Mas eu não sou completamente justo. Também fiz alguns pequenos pecados, como ..." E começou a citar todas as suas falhas.

Reb Shmuel não deu bola para a revelação do maguid, dizendo: "Honrado maguid, você ainda é muito justo comparado com todos nós. Quanto aos pecados que você mencionou, eu nem sabia que eles eram transgressões."

O maguid tremeu e gaguejou: 

Reb Shmuel deu de ombros, insistindo: "Mas, para nós você ainda é um Tsadik;. para nós, você é bom o suficiente"

Este diálogo estranho continuou por algum tempo com o maguid mencionando mais e mais transgressões graves  e Reb Shmuel dizendo-lhe: "Mas você ainda é aceitável, uma vez que você é muito melhor do que todos nós."

Finalmente, o maguid admitiu algumas transgressões extremamente graves e que ele não era realmente o grande homem justo que sua carta de apresentação e credenciais alegavam que fosse. Em essência, ele estava dizendo: "Eu sou um impostor."

Agora, Reb Shmuel não deixou por menos. Depois de guardar a faca, ele começou a repreender o maguid por causar aos judeus da cidade tanta dor e tristeza. Depois de se certificar de que o maguid havia entendido perfeitamente o recado, e como deve tratar outro judeu, Reb Shmuel destrancou a porta e deixou o maguid seguir o seu caminho, muito mais sábio e mais sensível do que antes.


Rabi Shmuel Munkes (1834-1882) foi o discípulo mais velho do Rabi Shneur Zalman de Chabad, conhecido por seu serviço chassidico fervoroso e criativo. São inúmeras as histórias de sua inteligência e espírito criativo e bem humorado, com ‘pegadinhas’ chassidicas. Ele morava em Beshenkovitz e, mais tarde em Kalisk , distrito de Polotz.