Muitos têm o costume de decorar a sinagoga e a casa com hortaliças e flores em homenagem a festa de Shavuot.

A mais antiga menção a esse costume é do rabino Yaakov ben Moshe Halevi Moelin, conhecido como Maharil (Alemanha, 1365-1427), que escreve que era costume espalhar grama e flores perfumadas no chão da sinagoga em homenagem à "alegria da festa de Shavuot."1 No entanto, o costume pode ter origem mais remota, no exílio babilônico: Rabi Chaim Yossef David Azulai, conhecido como Chida (Jerusalém, 1724-1806), cita um antigo Midrash que alude a esse costume sendo praticado na época da história de Purim.2 Embora o rabino Moelin mencione apenas a sinagoga, outros acrescentam que também era costume decorar a casa.3

Como essas fontes anteriores não elaboram a conexão entre a vegetação e a festa de Shavuot, os comentadores subsequentes ofereceram muitas explicações, embora explicações diferentes se apliquem a grama, árvores, flores e plantas em geral.

[Antes de discutir as razões, deve-se notar que alguns, mais notavelmente o rabino Eliyahu de Vilna, conhecido como o Gaon de Vilna (1720-1797), defenderam a abolição do costume de colocar a vegetação como decoração em honra à Shavuotpor este costume ter se tornado a prática de não-judeus de honrar suas próprias festas com vegetação e árvores.4 Assim, existem muitas comunidades que, apesar das explicações citadas abaixo, se abstêm de decorar as sinagogas com flores e plantas em Shavuot.]

1. Pastagens Verdes no Deserto

Talvez a razão mais famosa seja que D'us alertou os judeus no Sinai de que "as ovelhas e o gado não pastarão de frente para aquela montanha [Sinai]".5 Agora, a Torá foi dada em um deserto. Isso indica que ocorreu um milagre, transformando temporariamente aquela área em terra fértil com abundância de vegetação. Em comemoração a esse milagre, tornou-se costume celebrar a festa de Shavuot com plantas.6

2. Discurso Perfumado

Explicando o verso "suas bochechas são como um leito de especiarias, como margens de ervas doces; Seus lábios são lírios que gotejam com a mirra fluente,"7 o Talmud declara que "de cada e toda expressão [dos Dez Mandamentos] que emanou da boca do Santo, Bendito seja Ele, o mundo inteiro ficou repleto de especiarias fragrantes."8

Portanto, em Shavuot decoramos nossa casa com flores perfumadas e plantas.9

3. Julgamento das Árvores

A Mishná declara que na festa de Shavuot, D’us julga a terra e determina a abundância dos frutos das árvores para o próximo ano.10 Por este motivo, as árvores são colocadas na sinagoga para nos lembrar de rezar pelas árvores e seus frutos.11

4. A Cesta de Moshê

Moshê nasceu dia 7 do mês de Adar. Tries meses mais tarde, Moses was born on the 7th day of the month of Adar. Three months later, quando sua mãe não pôde mais escondê-lo dos egípcios, ela o colocou em uma cesta e colocou-a entre os juncos do rio, onde ele foi encontrado por Batyah (Bithiah), filha do Faraó, e milagrosamente salvo. Três meses a partir do dia 7 de Adar é o dia 7 de Sivan, o segundo dia de Shavuot. Em comemoração a este milagre, decoramos a festa com com grama e juncos.12

5. “Uma Rosa Entre os Espinhos”

Rabino Zvi Elimelech Spira de Dynów, conhecido como Bnei Yissaschar (1783–1841), explica o costume de embelezar Shavuot com flores, assim como o costume de enfeitar o rolo de Torá com flores, da seguinte forma:13

Elaborando no verso “Como uma rosa entre os espinhos, assim é minha amada entre as filhas”,14 o Midrash conta a história de um rei que tinha um pomar com belas árvores. Ele confiou-o a um arrendatário e foi embora. Depois de um tempo, o rei voltou e encontrou seu pomar repleto de espinhos, então ele trouxe lenhadores para cortar tudo. No entanto, olhando atentamente para os espinhos, notou entre eles uma única rosa. Ele sentiu seu perfume e seu espírito se acalmou. O rei disse: “O pomar inteiro será salvo por causa dessa flor”.

De maneira semelhante, o mundo inteiro foi criado apenas por causa da Torá. Após 26 gerações, o Santo, Bendito seja Ele, olhou atentamente para o Seu mundo para averiguar o que havia produzido e achou-o em falta. Olhando mais de perto, Ele viu uma única rosa - a nação judaica. E quando Ele deu a eles os Dez Mandamentos, e o povo judeu proclamou “Nós faremos e ouviremos”,15 Seu espírito foi apaziguado. Disse o Santo, bendito seja Ele: “O pomar será salvo por causa dessa flor. Por amor da Torá e de Israel, o mundo será salvo ”.16

6. Colheita e Primícia

Alguns explicam que esse costume é baseado no fato de que Shavuot é chamado de “festival de Colheita”.17 Além disso, Shavuot marcou o início da temporada para trazer bikurim, os primeiros frutos, para o Templo Sagrado. Decoramos com plantas e flores em lembrança do costume de enfeitar as cestas de bikurim (assim como os bois que lideram a procissão) com flores e plantas.18

7. Yissachar é Concebido

A Torá descreve como Reuven entrou nos “dias da colheita do trigo” e trouxe dudaim (flores) para sua mãe Leah. Desejando as flores, Rachel disse a sua irmã Leah: "Por favor, me dê um pouco das dudaim de seu filho".

Ressentida pela posição de Raquel como esposa favorita, Leah respondeu: “Já não é suficiente você ter levado meu marido, e ainda [você desejar] também levar dudaim de meu filho?” Então, Raquel disse: “Então ele deverá dormir com você esta noite como pagamento pelos dudaim de seu filho. "A Torá continua que a partir da união daquela noite entre Yaacov e Lea, o quinto filho de Yaacov, Yissachar foi concebido.19

Rabino Moshe Alshich (1508–1593) explica que esse incidente ocorreu na véspera de Shavuot. Assim, Yissachar, que foi concebido em Shavuot, foi especialmente abençoado por seus descendentes serem eruditos de Torá e sentarem-se no Sanhedrin.20

O Midrash Talpiot explica com base na opinião de que o dubaim que Reuven trouxe era um tipo de flor, o costume é embelezar a festa de Shavuot com flores.21

Reflexão final

Claro, que o que mais importa nesta festa não são as decorações floridas, mas a comemoração da outorga da própria Torá. Todos os homens e mulheres, e até crianças pequenas, bebês de colo, recém nascidos, todos são encorajados a frequentar a sinagoga para ouvir a leitura dos Dez Mandamentos em Shavuot.