Yom Kipur em Resumo

O Quê: Yom Kipur é o dia mais sagrado do ano, quando estamos mais perto de D'us e da essência das nossas almas. Yom Kipur significa “Dia do Perdão”, como declara o versículo “Pois nesse dia Ele te perdoará, te purificará, serás limpo de todos os teus pecados perante D'us.”1

Quando: O 10º dia de Tishrei (em 2019, desde vários minutos antes do pôr do sol na terça-feira 8 de outubro, até após o cair da noite na quarta-feira, 9 de outubro,) chegando aos calcanhares de Rosh Hashaná (o Ano Novo judaico é celebrado no primeiro e no segundo dia de Tishrei).

Como: Por quase 26 horas nós “afligimos nossas almas”: nos abstemos de comida e bebida, não nos lavamos nem aplicamos loções ou cremes, não usamos sapatos de couro, e nos abstemos de relações conjugais. Em vez disso, passamos o dia na sinagoga, rezando por perdão.

História de Yom Kipur

Meses após o povo de Israel deixar o Egito no ano 2448 da criação (1313 AEC), eles pecaram adorando um bezerro de ouro. Moshê subiu ao Monte Sinai e pediu a D'us que os perdoasse. Após duas passagens de 40 dias na montanha, o favor Divino foi obtido. O dia em que Moshê desceu a montanha (10 de Tishrei) seria conhecido para sempre como o Dia do Perdão – Yom Kipur.

Naquele ano, o povo construiu o Tabernáculo, um lar portátil para D'us. O Tabernáculo era um centro de preces e oferendas de sacrifício. O serviço no Tabernáculo atingia o auge em Yom Kipur, quando o Sumo Sacerdote realizava um serviço especialmente prescrito. Os pontos altos desse serviço incluíam oferenda de incenso no recinto mais sagrado, o Santo dos Santos (onde a arca estava colocada) e a loteria com duas cabras - uma das quais era levada como um sacrifício, a outra era enviada ao deserto (Azazel).

Embora o Sumo Sacerdote geralmente usasse roupa ornada de ouro, em Yom KIpur ele imergia num micvê e vestia roupas brancas simples para realizar este serviço.

Essa prática continuou durante centenas de anos, durante a época do primeiro Templo em Jerusalém, que foi construído pelo Rei Shlomo, e o segundo Templo, construído por Ezra. Judeus do mundo inteiro se reuniam no Templo para sentir a visão sagrada do Sumo Sacerdote realizando este serviço, obtendo perdão para todos de Israel.

Quando o Segundo Templo foi destruído no ano 3830 da criação (70 EC), o serviço de Yom Kipur continuou. Em vez de o Sumo Sacerdote levando os sacrifícios em Jerusalém, todo judeu realiza o serviço de Yom Kipur no templo de seu coração.

O Que Fazer Antes de Yom Kipur

Chaya Mishulovin, Chabad Lubavitch de Skokie
Chaya Mishulovin, Chabad Lubavitch de Skokie

Quarenta dias antes de Yom Kipur, no primeiro dia de Elul, começamos a tocar o shofar toda manhã e recitar o Salmo 27 após as preces da manhã e da tarde. Nas comunidades sefaraditas, é costume começar a dizer Selichot cedo toda manhã (os askenazitas começam apenas uns poucos dias antes de Rosh Hashaná) – criando uma atmosfera de reverência, arrependimento e respeito em preparação a Yom Kipur.

Para a semana anterior a Yom Kipur (conhecida como os 10 Dias de Arrependimento), são feitas adições especiais às preces, e as pessoas são especialmente cuidadosas com sua observância de mitsvá.

Assim como Yom Kipur é um dia de jejum, o dia anterior a Yom Kipur é uma mitsvea especial comer e beber bastante para se preparar para esse dia sagrado.

Aqui estão algumas ações que fazemos no dia anterior a Yom Kipur.

  • Caparot é geralmente realizada nas primeiras horas dessa manhã.
  • Há um lindo costume de pedir e receber um pedaço de bolo de mel, para que se, D'us não o permita, foi decretado que precisamos ser recipientes, seja cumprido pedindo bolo de mel e sendo abençoado com um ano doce.
  • Fazemos duas refeições festivas, uma no início da tarde e outra uma hora ou mais antes do início do jejum.
  • Muitos têm o costume de imergir num micve neste dia.
  • Tsedacá, extra é doada. Na verdade, traços de caridade especial são designados na sinagoga antes do serviço da tarde, que contém a prece Al Chet de Yom Kipur.

Como o Yom Kipur é observado

Jantares de Shabat e de feriados são conduzidos com iluminação de velas (Foto: Mushka Lightstone).
Jantares de Shabat e de feriados são conduzidos com iluminação de velas (Foto: Mushka Lightstone).

Como no Shabat, nenhum trabalho deve ser feito em Yom Kipur, desde o pôr do sol em 9 de Tishrei até as estrelas surgirem à noite do dia seguinte.

Em Yom Kipur, nos afligimos, evitando as cinco ações a seguir:

  • Comer ou beber (em caso de necessidade, consulte um profissional médico e um rabino)
  • Usar sapatos de couro
  • Aplicar loções ou cremes
  • Lavar ou tomar banho
  • Manter relações conjugais

O dia é passado na sinagoga, onde realizamos cinco serviços de preces:

  • Maariv, com seu serviço solene de Kol Nidrei, na véspera de Yom Kipur;
  • Shacharit, a oração da manhã, que inclui uma leitura de Levítico seguida pelo serviço memorial de Yizkor;
  • Musaf, que inclui um relato detalhado do serviço do Templo em Yom Kipur;
  • Minchá, que inclui a leitura do livro de Yoná, Jonas;
  • Neilá, o serviço de “fechamento dos portões” ao pôr do sol, seguido pelo toque do shofar marcando o fim do jejum.

Além de ações específicas, o Yom Kipur é dedicado à introspecção, à oração e a pedir perdão a D'us. Mesmo durante os intervalos entre os cultos, é apropriado recitar Salmos em todos os momentos disponíveis.

O que fazemos depois de Yom Kipur

Lulavim e etrogim à venda em Israel antes de Sucot (foto de arquivo).
Lulavim e etrogim à venda em Israel antes de Sucot (foto de arquivo).

Após o completo anoitecer, e o encerramento da prece de Neilá Yom Kipur termina com a recitação coletiva e em alto tom, retumbante, da oração do Shemá: “Ouve, ó Israel: D'us é o nosso Senhor, D'us é um.” Então os congregantes começam a cantar e dançar alegremente (um costume de Chabad), e o shofar é tocado uma única vez, seguido pela proclamação, “No próximo ano em Jerusalém”.

Em seguida, participamos de uma refeição festiva pós-jejum, tornando a noite após o Yom Kipur um yom tov (festa) por si só.

De fato, embora Yom Kipur seja o dia mais solene do ano, ele está repleto de uma corrente de júbilo; é a alegria de estar imerso na espiritualidade do dia e expressa confiança de que D'us aceitará nosso arrependimento, perdoará nossos pecados e selará nosso veredicto por um ano de vida, saúde e felicidade.

Há um costume de que, depois do Yom Kipur, começamos imediatamente (planejando) a construção da sucá, que usaremos para a alegre festa de Sucot, que ocorre em apenas cinco dias. Gmar Chatimá Tová!