Por Yanki Tauber
Criar filhos é uma tarefa que exige um investimento de nosso tempo. Quando a isso, não temos opção. Mas podemos escolher quando este tempo será utilizado.
Podemos escolher usar este tempo numa tenra idade, quando podemos formar em nossos filhos atitudes positivas que lhes serão úteis na vida adulta. Ou podemos preferir passar o tempo mais tarde na vida deles - livrando-os de enrascadas, problemas e confusões que podem ter quando ficarem mais velhos. De qualquer modo, gastaremos tempo. Porém cabe a nós escolher quando queremos despendê-lo.
Um casal relatou-me que certo dia sua filha de nove anos chegou da escola chorando. "Nunca mais voltarei à escola" - disse ela. "Minha professora me odeia. Ela me castigou por algo que não fiz - a lição de casa."
Como pais ocupados do século 21, tendo um excesso de coisas a cumprir, podemos preferir empurrar o problema para depois. "De agora em diante, comece a fazer a lição de casa." Ou "Não se preocupe, no próximo ano você terá uma professora mais camarada". Ou ainda "Faça a tarefa, ou então... "
Alguns pais diriam qualquer coisa para tirar este problema do caminho, para que pudessem se concentrar naquilo que consideram mais importante.
O casal com quem eu conversava escolhera parar tudo que estava fazendo para debater o assunto com a filha. Preferiram gastar o tempo agora.
"Você parece muito aborrecida" - disse o pai à menina. "Por favor, explique-me o que está sentindo. Quando você diz que sua professora a odeia, o que quer dizer com isso, exatamente?" Acha que ela a odeia o tempo todo, ou somente quando você faz algo contra as regras da escola? Acha que a professora estava zangada com você como pessoa, ou pelo que fez ou deixou de fazer?"
Eles tentavam faze-la separar a história do significado e da interpretação que ela dava ao fato.
Após uma hora e meia de questionamento aberto e conversa sem emitir julgamentos, a menina chegou à sua própria conclusão. "Foi de minhas ações que ela não gostou, e não de mim, e preciso assumir a responsabilidade por aquilo que faço." A criança tomara a firme decisão de fazer a lição de casa no devido tempo.
Os pais ficaram comovidos quando, na manhã seguinte, encontraram uma carta de desculpas que a filha escrevera à professora, dizendo que dali em diante ela faria as tarefas e obedeceria as regras da escola. A mãe continuou: "Resolvi compartilhar o ocorrido com a professora, e agradecer a ela pelo interesse em minha filha. Ela valorizou meu apoio e encorajamento, e ambas nos despedimos com o sentimento de que jogamos no mesmo time."
Ao escolher gastar o tempo de maneira preventiva, em vez de optar por um horário preestabelecido, estes pais conseguiram implantar na filha cinco valores importantes:
1. Responsabilidade - "Se tem que ser feito, eu faço". Eles insistiram que a filha assumisse responsabilidade por seus próprios atos. Não ponha a culpa nos outros; controle a sua vida.
2. Auto-estima positiva - Eles passaram à menina o sentimento de que ela é suficientemente importante, para ambos os pais, a ponto de eles deixarem tudo de lado para realmente escutá-la e se concentrar nela.
3. História/Interpretação/Discriminação - Eles ensinaram à filha como entender a diferença entre a verdadeira história que aconteceu, e a interpretação que ela dera ao fato. Muitas vezes, a interpretação que damos àquilo que ocorre nos afeta mais que a história propriamente dita.
4. Lidar com o problema - A criança aprendeu que é importante lidar com um problema enquanto ainda é pequeno, em vez de deixá-lo crescer por muito tempo até fugir do controle.
5. Confiança - A filha aprendeu que quando ela errou, pôde confiar nos pais. Teve a certeza de que não seria julgada, e que independentemente do que aconteceu entre ela e a professora, os pais a amam de maneira incondicional.
Aprendeu que não precisa ir a outro lugar para procurar apoio.