Por Yaacov Lieder
Muito já foi escrito sobre como melhor educar um filho.
"Não entendo" – queixou-se um pai para mim – "por que meu filho de quinze anos não se abre comigo e nada me conta a respeito de sua vida. Sempre que encontro tempo para sentar-me com ele e perguntar o que está acontecendo, tudo que recebo é ‘sim’, ‘não’ ou então ‘ããhnn…’ Como posso criar um relacionamento entre pai e filho, em que ele queira partilhar comigo suas experiências pessoais?"
Uma das necessidades humanas mais importantes é ser ouvido e compreendido pelos outros. Quanto mais próxima a pessoa é de nós, maior a necessidade. Os adolescentes que se envolvem com a "turma errada" e apresentam problemas de comportamento, mais tarde identificam o fato de que seus pais não os escutavam como uma das principais causas para sua espiral descendente.
Quando a criança não se sente à vontade para partilhar seus sentimentos com os pais, é preciso investigar por que a criança se privaria de algo tão importante: ser ouvida e entendida pelas pessoas mais significativas em sua vida. Devemos nos perguntar: em qual ponto de sua vida meu filho parou de conversar e se abrir comigo, e saiu em busca de outros como confidentes?
Eis aqui alguns pontos sobre como se tornar um ouvinte melhor e mais eficaz para nossos filhos:

Esteja disponível!
Quando um filho está tentando iniciar uma conversa com o pai ou a mãe, mas eles continuam a ler o jornal, trabalhar no computador ou não interromper outra atividade, a mensagem recebida pela criança é que ela não tem valor ou importância suficiente para que o pai pare com aquilo que está fazendo e escute.

Preste atenção!
Olho no olho é essencial para a criança sentir que você está totalmente concentrado naquilo que ela está dizendo. Repita, usando suas próprias palavras, aquilo que ela disse. Isso a deixará segura de que você ouviu e entendeu aquilo que ela estava tentando transmitir.

Não julgue ou ofereça soluções!
Há ocasiões em que tudo que a criança deseja é ser ouvida e compreendida. Dizer coisas como" "Você não deveria ter feito isso; foi um erro!" ou "É isso que você precisa saber agora…" não ajudam numa ocasião dessas. Seu dever como pai ou mãe é ensinar seu filho a distinguir o certo do errado, mas estas lições devem ser ensinadas em tempos mais apropriados – não quando seu filho está se aproximando de você em busca de empatia e compreensão.

Guarde os segredos deles!
Como pais, nossa meta deve ser construir a confiança da criança em nós. Se, e quando seu filho confiar em você, não passe a informação aos outros. Se seu filho sentir que pode confiar em você, continuará a procurá-lo em busca de apoio e conselho.
Tente – isso funciona!