Segundo a lei judaica, afiliação tribal (incluindo se alguém é um Cohen) segue a linha paterna direta, enquanto a questão do Judaísmo segue a linha materna. Isso significa que teste genético é uma maneira válida de certificar se alguém é judeu ou um Cohen?

Primeiro, informações básicas. Mulheres têm cromossomos XX e homens têm XY. Todas as fêmeas carregam um cromossomo X de sua mãe e um cromossomo X do pai. Homens, por outro lado, recebem seu cromossomo X da mãe e seu cromossomo Y do pai. Como esses cromossomos são passados de uma geração para a próxima, é teoricamente possível identificar os ancestrais da pessoa através de teste genético.

Ancestralidade Judaica e DNA Mitocondrial

Como mencionado, a identidade judaica segue a linha materna. Se a sua mãe é judia, você é judeu. No entanto, não há isso de “gene judaico”, portanto o teste genético não pode declarar conclusivamente se uma pessoa é judia.

No entanto, parece haver pelo menos uma maneira pela qual a genética pode ser usada para ajudar a determinar o Judaísmo de uma pessoa. Isso envolve usar aquilo que é chamado DNA mitocondrial (ou DNA mt), que é passado exclusivamente da mãe através da linha feminina.

Num fascinante estudo publicado em 2006, foi demonstrado que 40% de todos os judeus ashkenazitas são descendentes de apenas quatro mulheres judias que viveram há mais de 1.000 anos. O estudo concluiu que se alguém portar marcadores mitocondriais específicos de DNA, há uma chance de 90 a 99% de que ele ou ela seja descendente de uma dessas mulheres judias.1

Obviamente, há os outros 60% de judeus ashkenazitas que não vêm dessas quatro mulheres, bem como os judeus sefaraditas e convertidos.

Apesar disso, embora ainda seja um tema de debate, há alguns que afirmam que num caso onde há alguma evidência de judaísmo mas nenhuma prova irrefutável, tendo esse marcador em conjunção com outra prova de suporte pode ser usado para concluir que a pessoa é realmente judia.2 (Esse artigo é somente para fins informativos. Todas as questões práticas sobre a identidade judaica de alguém devem ser dirigidas a um rabino qualificado.)

O Gene do Cohen

Podemos agora voltar para a questão dos cohanim (sacerdotes judeus).

Todos os cohanim são diretamente descendentes – pelo lado do pai – de Aharon, o Sumo Sacerdote (irmão de Moshê). Sabendo que uma cópia do cromossomo Y é passada de pai para filho, o Dr. Karl Skorecki, junto com outros colegas, fez um estudo nos anos 1990 para analisar e comparar os cromossomos Y de cohanim com aqueles da população judaica que não era descendente de cohanim.

Além dos genes no cromossomo Y que determinam se uma pessoa é homem, o cromossomo na maioria consiste de DNA não-codificado, que tende a acumular mutações. Baseado no fato de que o cromossomo Y é passado pela linha paterna sem recombinação, a informação genética sobre um cromossomo Y de um homem vivendo atualmente é basicamente o mesmo que aquela de seus ancestrais do sexo masculino, exceto pelas raras mutações que ocorrem ao longo da linha hereditária. Uma combinação dessas mutações neutras, conhecida como haplotipo, pode servir como uma assinatura genética da ancestralidade masculina de um homem.

Olhando para seis tipos do haplotipo YAP do cromossomo Y e comparando sua frequência em cohanim e não-cohanim judeus, Dr. Skorecki descobriu que a maioria dos cohanim auto-identificados, tanto aqueles sefaraditas como os ashkenazitas, são todos descendentes da mesma pessoa que viveu há 3.000 anos.

Deve-se notar que esse marcador foi encontrado com muito menor frequência entre judeus que não tinham tradição de serem cohanim, e numa taxa ainda mais baixa entre não-judeus (embora, interessante, foi encontrada numa taxa maior entre a tribo Lemba na África, que tem uma tradição de serem descendentes de judeus).3

Porém, o status Cohen depende não apenas em ser o descendente biológico de Aharon, mas de numerosos outros fatores também. Por exemplo, se um Cohen se casa com uma divorciada (ou outras mulheres), seus descendentes não seriam cohanim. Portanto se alguém leva a marca genética de cohanim, então talvez ele tenha um Cohen na sua ancestralidade, mas ele mesmo pode não ser um Cohen ou até judeu, pois isso depende da mãe.

Nossos sábios nos dizem que quando Mashiach vier, ele irá esclarecer nossa linhagem e determinar quem realmente é um Cohen.4 Que possamos merecer a era messiânica brevemente em nossos dias!