Na Porção desta semana da Torá, Vayigash, Yossef, vice-rei do Egito, revela dramaticamente sua verdadeira identidade a seus incrédulos irmãos. Yossef lhes assegura que toda a seqüência de eventos, começando com sua venda como escravo até sua subida ao poder, foi a mão de D’us guiando-o lá do Alto. "Não foram vocês que me enviaram para cá, mas sim D’us" – diz ele aos irmãos. Yossef então lhes pede para levar a seguinte mensagem a seu pai, Yaacov: "D’us fez-me senhor de todo o Egito. Desce até mim (ao Egito); não tardes."

À primeira vista, a escolha das palavras de Yossef parece estranha. Se a intenção de Yossef era meramente convencer Yaacov a empreender a longa jornada, por que ele imaginaria que seu idoso pai seria movido pela notícia de que seu filho agora ocupava um alto cargo político?

Ao contrário, Yaacov sabia que o povo judeu estava destinado a ir para o exílio no Egito. Quando soube da subida de Yossef ao poder, entendeu que isso era parte integrante daquele processo. Uma vez que aquele estágio fora atingido, era tempo de Yaacov seguir e a próxima fase começar.

Muitos anos antes, D’us tinha explicado o objetivo do exílio no Egito: "Depois (do exílio), eles surgirão com grande riqueza" – D’us prometera a Avraham. Sob a direção de Yossef, o Egito se transformara num país rico. Como retribuição pelos alimentos que tão sagazmente estocara, Yossef recebera grande parte da fortuna do mundo – tudo isso feito para que os judeus partissem do Egito "com grande fortuna".

Porém o conceito de "grande fortuna" deve ser entendido também num nível mais profundo, não apenas no sentido literal. Os bens materiais acumulados pelos judeus foram apenas um reflexo da grande riqueza espiritual com a qual eles deixaram o Egito. Pois os judeus foram enviados ao exílio com o propósito de extrair e refinar as centelhas de santidade ocultas no local mais moralmente degradado e degenerado da terra – o Egito. Aquelas centelhas de pureza, uma vez livres de sua prisão nos "49 portais de impureza" do Egito, foram a suprema riqueza conseguida pelos judeus durante seu exílio.

O acúmulo de "fortunas" é, da mesma forma, o propósito de nosso exílio atual – extrair o bem do mundo corpóreo e transformá-lo em santidade aplicado no cumprimento de Torá e mitsvot. Este processo agora está completo. No decorrer de milhares de anos de exílio, o povo judeu descobriu e elevou todas estas centelhas de santidade, dispersas pelos quatro cantos da terra. Segundo o plano Divino, chegou portanto o tempo de D’us cumprir Sua promessa e enviar Mashiach, agora.