Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Yitrô

Comportamento
Anochi: Inscrição da Alma

Um escritor, um orador, um compositor inscreve – grava – sua alma em sua obra. Isso lhe permite atingir dentro da alma do leitor ou do ouvinte. Palavras vindas do coração entram no coração. Uma obra que careça de sinceridade e alma não causará impacto.
Ética e Sabedoria
Torá: A Única Verdade?

O que tem prioridade, o estudo ou as boas ações? Quem é mais elevado, o puro, imaculado tsadic ou o pecador arrependido?
Misticismo
Dimensões da Montanha Fumegante

Quando meditamos sobre a imagem na montanha fumegante, devemos tentar experimentar a mistura de luz, verdade e bondade, e unir as percepções da visão e do paladar para merecermos receber a Torá novamente todos os dias.
Parashá Yitrô
A História de Yitrô
Quando Yitrô, antigo sacerdote que pesquisara todos os cultos do mundo exclamou: “Agora sei que Hashem é maior que todos os outros poderes”, realizou o maior Kidush Hashem (santificação do Nome de Hashem) possível. As nações do mundo ouviram sobre isto, e abandonaram seus ídolos, reconhecendo a futilidade de servir a imagens.
Tu Bishvat
Aparência e Realidade
Foi contado por Rabi Shimon bar Iochai que as Doze Tribos receberam porções de terra por sorteio de acordo com seus atributos distintos, a ponto que os frutos de uma certa tribo diferiam em gosto dos frutos de uma outra tribo irmã.
Parashá Yitrô
Devar Malchut: Palavras do Rebe
O primeiro dos Dez Mandamentos é: “Eu... que te tirei da terra do Egito.” Perguntam os comentaristas: Por que D-us não falou “Eu...que criei os Céus e a Terra”? Não seria mais adequado mencionar o grande milagre da criação yesh meáyin (criar algo a partir do nada), que ocorreu na criação do mundo?

Antes de julgar, pense:

  1. Você tem certeza de que o fato narrado realmente aconteceu? Você sabia que muitas vezes enxergamos errado?
  2. Tem certeza dos detalhes comentados? Você sabia que os exageros ou as omissões distorcem o julgamento?
  3. A outra pessoa teve intenção de prejudicar ou foi sem querer?
  4. Em que circunstâncias a pessoa estava agindo? Foi sob pressão?
  5. Os atos dessa pessoa podem ter sido resultado de erros inocentes?Será que ela agiu por incentivo externo?
  6. O que precedeu o fato? A pessoa estava estressada a ponto de afetar sua maneira de agir?

— Kolel Rio
Imprimir revista