O objetivo do casamento é que o casal manifeste em sua consciência terrena a unidade existencial que encontrou em sua raiz da alma celestial. Esta é a essência do verdadeiro amor.

Atingir este ideal é um processo de três estágios. Isso ocorre porque, segundo a Cabalá, toda a criação existe em três planos de referência: espaço, tempo e alma. Qualquer retificação da realidade deve por isso referir-se a cada uma destas três "dimensões." Quanto ao marido e mulher, isso quer dizer que a unidade existente ao nível de sua alma raiz comum deve se tornar manifesto em cada um destes três planos de referência.

O primeiro estágio do processo é para que um casal aprenda a relacionar-se e interagir adequadamente um com o outro. Nos primeiros estágios de seu relacionamento, pensam em si mesmos primariamente como indivíduos separados, pois suas aspirações, desejos e interesses não se coadunam ou alinham conscientemente. O amor, neste estágio, é a habilidade da alma de se projetar fora de si mesma e desta forma tocar uma outra alma. Como foi explicado acima, o amor não retificado concentra-se em si mesmo; a pessoa pode pensar que está amando alguém, mas na realidade está amando a si mesma. O amor retificado envolve aprendendo como concentrar seu amor e preocupação com outra pessoa.

Como consideram-se entidades separadas, diz-se que marido e mulher nesta fase ocupam domínios separados de "espaço" mental. Estabelecer e manter um relacionamento amoroso adequado pode então ser visto como a retificação da manifestação "espacial" de sua unidade intrínseca. No decorrer do tempo, um casal aprende a expressar seu amor como um profundo senso de parceria em construir um lar judeu e em atingir os objetivos comuns, preocupando-se genuinamente um com o outro, e tornando-se mais e mais sensíveis e respeitadores dos sentimentos do outro.

O segundo estágio da consciência de um casal é proximidade existencial e ininterrupta. Tendo se alinhado "espacialmente" um com o outro, aproximaram a distância mental entre eles e tornaram uma unidade de marido-e-mulher. Sua consciência e limites emocionais expandiram-se para envolver um ao outro; cada cônjuge considera o outro como parte de si mesmo.

Como resultado, a proximidade física ou a falta dela não afeta sua proximidade. Eles transcenderam o espaço e existem juntos no tempo. À medida em que eles vivem juntos por ciclos de tempo, concentram-se em como os variados humores da vida chocam-se com sua consciência em comum, e reagem produtivamente a eles juntos. Com o amor amadurecendo até chegar a este nível de verdadeira proximidade, nenhum deles pode imaginar sua vida sem o outro.

No estágio final da consciência, marido e mulher chegam a sentir-se como uma só entidade. Sua raiz da alma está agora completamente manifesta em ambos; estão na terra como estavam no céu. Esta é a realização da intenção de D'us que eles "se apeguem e tornem-se um." A seu tempo, o amor e o verdadeiro romance se aprofundam em ambos os níveis conscientes de suas almas e em seu "inconsciente coletivo" mútuo.

A ponto de o casal tornar-se absorvido em sua verdadeira realidade como uma parte de D'us, seu senso de individualidade independente desaparece. Não mais possuem sentimentos e emoções em direção um ao outro, mas "tornam-se" um e outro. Neste nível, a pessoa pode não apenas retificar ou expandir sua constituição emocional, como mudá-lo realmente. Assim que a pessoa entrega sua individualidade para o infinito da realidade de D'us, pode transformar-se numa versão mais pura e mais elevada de si mesma.