Por Tzvi Freeman
Em todas as palavras dos profetas e nos ensinamentos de nossos sábios, nosso D'us é compassivo e ama cada judeu, até o mais pecador, como Seu único filho. Um D'us que vê o coração e o sofrimento e provações de cada um de nós entende e julga segundo esta medida. Que sabe o que sofremos, o fogo e o inferno pelos quais passamos somente porque somos Seu povo e não nos afastamos d'Ele. Que chora por toda gota de sangue judeu derramado e faz milagres para nos salvar todas as vezes.

Será este é o pior pecado da humanidade, querermos viver em paz com nossos vizinhos e superestimar o potencial deles para agirem como seres humanos decentes? Por estarmos cansados da guerra e nos apegarmos a qualquer palha para nos ver livres dela?

Se você tivesse um filho, um único filho, muito tímido e fraco, você lhe bateria no rosto e ficaria olhando-o cair ao chão? Ou o ajudaria a aumentar sua confiança e sua coragem, deixando o mundo inteiro saber: "Este é o meu filho. Que ninguém ouse colocar a mão nele!"

Muitas e muitas vezes, o Lubavitcher Rebe nos ensinou que em vez de encontrar falhas em nosso próprio povo e psicanalisar D'us, precisamos fazer como Moshê fez na mesma situação. Voltar-se para D'us e dizer: "Por que fizeste mal a este povo? Por que não o redimiste? Por que permites que Teu sagrado nome seja tão vilipendiado no mundo? Quanto tempo isso ainda durará?"

Este é realmente todo o propósito do povo judeu na terra – canalizar o fluxo da vida vinda do alto, como um fazendeiro ara seu campo e cava valas para canalizar a chuva que cai do céu. "O mal não desce do céu" – disse o profeta Yirmiyáhu. Tudo que D'us deseja é bom. Porém, sem nossa intercessão, o fluxo vindo do alto é poderoso demais e avassala nosso mundo. Como uma tempestade num campo inculto. Portanto Ele aguarda nossas preces para direcionar o fluxo da vida rumo ao bem.

O povo judeu, incluindo você e especialmente aqueles que moram na Terra de Israel, são um povo fantástico, cada um deles. Considero-me um orgulhoso irmão de todos eles. Há rabinos que falam sobre a ira de D'us. Eles acreditam que podem melhorar o povo judeu apontando suas falhas e os assustando com advertências de retribuição Divina, como faziam os profetas. O Rebe certa vez falou diretamente sobre esta atitude. Ele disse que havia um profeta chamado Yeshayáhu que amou cada judeu. Porque você tem de amar todo judeu para ser um profeta. Porém quando D'us primeiro lhe disse para profetizar, ele respondeu: "Como posso? Vivo entre um povo de lábios impuros." E por causa disso ele foi punido. Um anjo foi enviado com carvões quentes para colocar nos seus lábios. Porque ele tinha insultado o povo de D'us. E era um profeta - não um rabino adivinhando as intenções de D'us. E um profeta que amava seu povo, que simplesmente estava dizendo a verdade para explicar seu sofrimento sem más intenções. E para que foi ele enviado, afinal, a não ser para repreender seu povo!

Porém se há alguma coisa que D'us desdenha, são aqueles que falam mal de Seus filhos. E se há uma coisa que Ele ama, é quando amamos uns aos outros e louvamos tudo que há de bom no próximo.

Quanto ao por quê de toda esta confusão estar acontecendo logo agora – eu lhe direi aquilo que Rabi Yossef Yitschac, o sexto Lubavitcher Rebe, disse sobre o Holocausto: "Não tenho a menor motivação para encontrar desculpas para D'us."

O mesmo aqui. É melhor eu passar meu tempo encontrando desculpas para Seu povo.