"A rebeldia nos jovens não é um crime. Pelo contrário: é o fogo da alma que se recusa a conformar-se, que está insatisfeito com o status, que proclama querer mudar o mundo e está frustrado por não saber como".


Nos anos 1950, o Rebe reconheceu que havia uma ignorância vigente entre os jovens de muitas partes deste país. Ele criou a Organização Jovem Lubavitch, com ramificações em todo o mundo, encorajando seus alunos a compartilharem literatura espiritual e outros instrumentos de educação com jovens de outras comunidades.

Em 1961, o Presidente John F. Kennedy criou o Peace Corps, convocando rapazes e moças americanos para irem ajudar a educar e desenvolver países menos desenvolvidos. O Presidente estava convencido de que haveria centenas de voluntários; obviamente, houve muito mais. O chamado do Presidente ecoou o chamado do Rebe: que os jovens deveriam reconhecer a chama poderosa que arde dentro deles, e deveriam ser encorajados a utilizar aquela chama para o bem.

Qual é o poder dos anos da adolescência?

Um jovem é como o fogo. Com rumo e orientação, pode mudar a forma do mundo. Sem direção, o fogo da juventude é desperdiçado, na melhor das hipóteses; na pior, pode tornar-se uma força destrutiva e perigosa. Levar uma vida significativa quer dizer domar o fogo da juventude; mas primeiro devemos entender o propósito da juventude em si. Rebelião não é o crime; o crime acontece quando a rebelião não tem uma expressão sadia.

O período da adolescência está aninhado entre a infância e a idade adulta. Os adolescentes não se satisfazem mais em brincar como crianças, mas ainda não possuem o conhecimento e a experiência para se engajar por completo em assuntos adultos. A juventude é um dos períodos mais preciosos da vida de uma pessoa, porém é o mais difícil.

Aquilo que a maioria dos jovens está buscando é uma causa significativa. Estão transbordando com uma mistura de adrenalina e confiança. – "Quero mudar o funcionamento do mundo" – pensam os adolescentes com freqüência. "Posso mudar o mundo." Os adultos, sobrecarregados com as pressões da vida cotidiana, convencem-se de que o mundo é da maneira que é, mas os jovens não podem tolerar este tipo de resignação. Este é o constante conflito entre os dois grupos: os jovens abominam o status quo, ao passo que a vida dos adultos gira em torno dele.

Muitos adultos simplesmente classificam os anos da adolescência como um período rebelde que uma pessoa simplesmente deve ultrapassar. Os jovens, enquanto isso, pensam que os adultos esqueceram como apreciar o significado e a emoção da vida. Os jovens são rebeldes, e os adultos vêem a rebelião como algo que está a um passo do crime.

Porém a rebelião não é o crime; o crime ocorre quando a rebelião não tem um escape saudável. A rebelião, na verdade, pode ser a coisa mais saudável para o ser humano – uma energia pura que inspira a pessoa a não desistir facilmente, recusar-se a tolerar injustiça, não seguir uma idéia apenas porque alguém está pensando naquilo. O pior que podemos fazer com a energia psicológica ou espiritual de uma pessoa é refreá-la; na verdade, devemos fazer todo o possível para aproveitar esta energia, dirigi-la e canalizá-la.

Se você complementar sua chama de juventude com um senso de direção e urgência, terá o poder de mudar os mundos.

Como a energia de um adolescente pode ser melhor canalizada?

Para satisfazer as necessidades de nossos adolescentes na sociedade atual, devemos primeiro reconhecer que sua inquietação é a busca por um significado não de natureza material, mas espiritual, e que somente a espiritualidade pode alimentar a fome espiritual.

Para lutar uma guerra espiritual, eles devem estar equipados com armas espirituais. Não importa o quanto um jovem tenha se afastado, ele tem uma alma e uma missão distinta recebida de D'us. Esta é a primeira lição que um jovem deve aprender – que sua vida inclui um propósito mais elevado, que deve usar sua energia jovem para o bem e com propósitos morais.

A energia da juventude deve ser usada não somente para construir uma carreira, mas lares e comunidades baseadas no amor e doação. É responsabilidade dos adultos fornecer aos jovens um modelo, uma orientação espiritual para a vida – que consiste da palavra de D'us e Suas instruções sobre como levar uma vida mais significativa.

Portanto, devemos dizer aos nossos rapazes e moças: "Vocês são tão vivos quanto o fogo. Se completarem sua chama da juventude com um senso de direção e urgência, terão o poder de mover mundos."

Quando foi a última vez que você teve a oportunidade de ter uma conversa franca com alguém sobre os verdadeiros temas da vida? Uma conversa sobre seus assuntos pessoais, sobre nosso lugar no mundo e aquilo que devemos fazer com nossa vida. Uma conversa que contemplasse sinceramente o sofrimento e o fracasso. É importante encontrar alguém com quem você possa conversar, um mentor no qual confie, que avalie seus pontos fortes e seu potencial, e que possa ajudar a motivá-lo no sentido de realizar os seus sonhos.

Devemos todos nos sentar calmamente com nossa família, com nossos jovens, e conversar sobre a vida e nossas aspirações.

Para que esta comunicação seja eficaz, deve ser sincera e constante; não pode aflorar somente em tempos de crise. Em vez de relaxar durante todo o fim de semana, reserve uma ou duas horas para falarem ou darem uma caminhada juntos. Conversem sobre valores, sobre as decisões difíceis que todo jovem precisa enfrentar. Fale sobre D'us, sobre moralidade, sobre como o intelecto puro é limitado, a menos que tenha o apoio de um sistema de valores elevados.

Converse sobre caridade, sobre altruísmo, sobre por que estamos aqui e aonde estamos indo.

Converse.

Devemos extinguir o fogo da juventude por causa de sua potência? Jamais!

Devemos encorajar constantemente nossos jovens: "Vocês são nossa esperança, e nosso bem mais precioso."