Por Rabino Simon Jacobson
A mente e o coração do Rebe estavam constantemente voltados para a Terra de Israel. O Rebe sempre nos lembrava que Israel foi dada pelo Criador ao povo eterno como herança eterna. Muitas das lições, projetos, programas e campanhas do Rebe relacionavam-se a fatos ocorridos em Israel.

A seguir, transcrevemos excertos de pensamentos do Rebe sobre a Terra de Israel.


A singularidade da Terra

Há muitos séculos, Israel está no núcleo dos acontecimentos históricos com repercussão em todo o mundo. Inúmeras batalhas e guerras aconteceram por causa de Israel; muitos povos sentiram, por algum motivo desconhecido, que este pedaço de terra lhes pertence.

Este fato nos chama a atenção: apesar de, geograficamente, ser um país pequeno, praticamente todos os dias os jornais do mundo inteiro trazem notícias de Israel, com destaque. Mesmo pessoas que aparentemente não possuem ligação direta com Israel, se interessam pelo que acontece lá.

Qual a razão? Por que um país tão pequeno mereceu ser a causa de tantos conflitos?

Qualquer fabricante entrega, junto com seu produto, um manual de instruções. Com certeza, o grande Fabricante de nosso mundo nos entregou Suas instruções, leis que estão contidas na Torá, cuja tradução é "guia" - uma orientação de como utilizar o mundo.

A Torá deixa bem claro que a Terra de Israel é a predileta de D'us. Ele a chama de "Minha Terra", onde "os olhos de D'us estão do começo do ano até o fim do ano". Isto significa que uma santidade Divina ímpar paira sobre a Terra de Israel, resultante da Shechiná (Presença Divina) que lá Se encontra, uma santidade eterna, sem alterações, desde o início da Criação até o fim dos tempos. O Grande Guardião do povo de Israel é o Todo-Poderoso, "que não cochila, nem dorme".

D'us entregou esta Terra tão especial aos Patriarcas e seus descendentes, o povo judeu. Esta promessa é repetida várias vezes, e toda nossa História gira em torno desta promessa. Por que fomos para o Egito naquela escravidão tão terrível? Para nos moldar e preparar para ir para a Terra Santa. Por que ficamos 40 anos no deserto? Para nos preparar para viver como judeus na Terra Santa. Qual foi o sonho de Moshê Rabênu (Moisés)? Entrar na Terra Prometida.

Esta é a razão verdadeira por que Israel se tornou o centro de interesse de todos os povos. Pois a Terra Santa é a única escolhida por D'us para ser Sua herança. Sabendo ou não o motivo, povos e nações eram atraídos, durante toda a História, para aquela Terra. Isto pode ser comparado com desejos, vontades ou atrações que sentimos, às vezes, por algo ou alguém sem realmente saber o porquê.

A essência da Terra

No mundo há lugares onde a santidade possui menos embalagem, ou seja, não está tão escondida; são receptáculos mais propícios para captar e desvendar a santidade e a espiritualidade. O corpo humano serve de exemplo. A inteligência pode ser expressa pela mão, capaz de escrever palavras lógicas; porém, isto não pode ser comparado à inteligência encontrada no cérebro. Em outras palavras, o cérebro é muito mais receptáculo para a inteligência do que a mão. O mesmo ocorre no mundo.

O intento Divino e o objetivo da Criação do mundo é que o homem faça penetrar em seu meio ambiente e no mundo todo a luz Divina oculta na materialidade. Por isso D'us criou um lugar mais refinado e mais santo entre os demais, onde este objetivo possa ser concretizado. Este é o papel da Terra de Israel - ser o modelo para o resto do mundo cumprir sua missão. Por isso, a Terra de Israel é chamada na literatura sagrada de "centro da Terra", não somente por encontrar-se no centro físico; mas, sob o ponto de vista espiritual, é o centro do qual emana a luz Divina para todo o mundo.

Isto nos possibilita entender por que rezamos em direção a Jerusalém. Uma vez que a finalidade da prece é a conexão com D'us (a própria palavra tefilá significa "aderir, se conectar"), buscamos fazê-lo através de um lugar que é mais conectado do que qualquer outro na face da Terra. Isto explica a conexão profunda entre a Terra de Israel e o povo de Israel. O mesmo papel que Israel desempenha para o mundo, o judeu representa para a humanidade. O povo de Israel foi escolhido para ser uma "luz para os povos", i.e., penetrar o mundo com a consciência da existência e reconhecimento do Criador para revelar a luz Divina encontrada no mundo.

Por isso, no Sinai, D'us nos conferiu o título de um "reino de sacerdotes" e um "povo santo". Realizamos nossa missão através da Torá, ao cumprir as leis da Torá influenciamos o resto do mundo a fazer sua parte - cumprir as Sete Leis de Nôach. Por meio do cumprimento das mitsvot, em sua maior parte ligadas com objetos físicos, transformamos o profano em sagrado. Para concretizar esta missão, foi-nos dada a Terra Santa, local propício para a revelação da missão do homem na Criação. A conexão da Terra de Israel com o povo de Israel não é uma novidade do século 20.

Infelizmente, depois de chegar à Terra Santa, esquecemos de nossa missão e por isso sobreveio a galut (exílio). O estado de galut não é somente para quem vive fora de Israel. O mundo ainda não chegou a sua plenitude de paz e tranqüilidade entre os povos; e a Terra de Israel ainda depende da boa vontade de muitos povos do mundo. Por outro lado, assim como não há nada que um judeu possa fazer para se desconectar do povo, não há nada capaz de tirar nosso direito à Terra ou remover a santidade da Terra de Israel.

Nossa conexão com Israel é somente porque D'us nos prometeu esta Terra para todo o sempre, descrevendo as fronteiras exatas na própria Torá. Nossa missão dentro ou fora da Terra de Israel é revelar a santidade existente no mundo. Porém, nos dias atuais este serviço não está limitado à Terra de Israel, como na época do Templo Sagrado. Hoje devemos refinar o mundo todo. Quando esta parte estiver concluída, todo povo voltará a Terra de Israel, física e espiritualmente, merecendo o dito de nossos Sábios de que "Israel se espalhará em todos os países do mundo". A idéia é que a santidade se revelará em todos os lugares.

Israel hoje

Após muitos séculos, depois de massacres e do Holocausto, em que perdemos um terço do nosso povo, merecemos, graças à bondade Divina e com milagres revelados, voltar para nossa Terra, e abrir seus portões para judeus de todos os cantos do mundo.

Nas últimas décadas, somos testemunhas de milagres revelados acontecendo na Terra Santa que têm como finalidade não somente a salvação física, o abrigo e teto, como também despertar o povo judeu e lembrá-lo que possui Torá e mitsvot a cumprir. Naturalmente, como em qualquer empreendimento bem-sucedido, existe um teste. A possibilidade do livre arbítrio permite à pessoa interpretar os acontecimentos sob dois prismas: pensar que o conseguiu por seus próprios esforços ou ver a verdade, a mão do Altíssimo em tudo.

Esta responsabilidade está na mão dos líderes; e quem for influente, tem a obrigação de falar disto. Há necessidade de transmitir aos jovens que, mais do que satisfazer os desejos materiais e de segurança física, devem procurar levar uma vida ética e regrada.

Infelizmente, durante muito tempo foi difundida uma filosofia errônea de que Torá e mitsvot têm importância apenas na Diáspora, como fator agregador do povo; e que na Terra Santa isto não é necessário. Mas hoje percebe-se que Torá e mitsvot em Israel são mais prementes até do que no exílio. Em Israel, muitos filhos da nova geração, apesar de falar hebraico, viver na Terra dos Patriarcas, estudar o Tanach nas escolas, são infelizmente desligados dos valores eternos e essenciais do judaísmo. Por vezes, sua visão de mundo é até contrária a estes valores, seja na vida cultural, seja no cotidiano.

Ultimamente, no mundo todo, as pessoas estão procurando algo mais na vida. Sejamos realistas e honestos de que teorias e ideologias humanas não salvarão ninguém, pois tudo o que é humano não é eterno. É hora de ter uma vida judaica não apenas em teoria ou somente na época das festas, mas na prática e lembrar que na essência, todos os judeus são iguais, um povo, com uma Torá e com um D'us. Deve-se seguir o exemplo de Aharon, sobre quem está escrito que "amava as criaturas e as aproximava da Torá". Não se deve adaptar a Torá conforme a vontade das pessoas, mas levá-las para a Torá, com amor.

Assim como a finalidade de D'us ao nos dar a Terra de Israel foi refinar o local para revelar sua espiritualidade e Divindade, o mesmo devemos fazer em relação a cada judeu - revelar a luz Divina e a santidade que já se encontram nele.

Segurança de Israel

A segurança do povo de Israel é o tema principal nas prioridades de Israel. A Lei Judaica decreta que salvar a vida tem primazia sobre as outras leis, pois a Torá foi dada para " viver com ela". Sem dúvida, é necessário buscar a paz que colocará fim a guerras, terrorismo e derramamento de sangue. Mas o que é paz?

Paz sempre foi a esperança e objetivo de toda a humanidade. Um acordo de paz tem que garantir que a sobrevivência dos dois lados seja de tranqüilidade mútua. Se este acordo trouxer ameaça ou perigo à segurança de um dos lados, isto não pode ser chamado de paz. A verdadeira paz garante a vida e a dignidade de ambas as partes. Por isso, é preciso medir muito bem cada passo em qualquer acordo de paz entre Israel e seus vizinhos.

O Código da Lei Judaica deixa bem claro que as cidades fronteiriças devem ser bem protegidas. Uma fronteira é como a porta de uma casa - tem que ser trancada. Ninguém deixa sua porta aberta. Assim, é proibido colocar em perigo as fronteiras de um país em troca de promessas de paz - se isto significa colocar em perigo nossa vida e a de nossos filhos.

Forças de Defesa de Israel

Não há palavras para descrever a grandeza e santidade destes soldados, rapazes e moças, em sua maioria jovens, que dedicam e oferecem sua vida a cada momento, a cada hora, a cada dia, em defesa da vida de milhões de judeus, homens, mulheres e crianças que vivem em Israel. É nosso dever proclamar, do fundo do coração, seus méritos e declarar nosso agradecimento, nossas preces e bênçãos para eles. Que D'us os proteja e lhes permita vencer sempre.

Todos que ofereceram a vida para proteger a Terra de Israel e o povo de Israel são almas santas e puras; e aqueles que foram feridos nestas batalhas possuem a força espiritual do Todo-Poderoso para superar estes problemas físicos. (O Rebe sugeriu que devem ser chamados de "elites" e não "deficientes".) Além da segurança física, não podemos esquecer da espiritual. Esta é alcançada ao cumprir Torá e mitsvot - em especial, a mitsvá de tefilin e mezuzá, que têm um poder de proteção muito forte. Assim, é nosso dever fazer com que todos os habitantes de Israel reforcem o cumprimento destas mitsvot e, em especial, os soldados do exército de Israel. Também é nossa incumbência dar oportunidade aos soldados para conhecer mais sobre sua herança judaica. Isto certamente lhes levantará o moral, satisfazendo um conteúdo espiritual de suas vidas.

É importante lembrar que a proteção da vida do povo de Israel não deriva apenas do fortalecimento em armamentos, mas emana de poderes espirituais - usando a expressão do Talmud: "saifá (espada) e sifrá (livro)". Em outras palavras, aqueles que se dedicam ao estudo de Torá ajudam a proteger Israel e complementam o lado espiritual necessário para além da proteção física.

Ambas as frentes são necessárias, trabalhando juntas para a defesa da Terra Santa e de todos nós.


Antes da Guerra dos Seis Dias, o Rebe lançou a "campanha de tefilin para a proteção dos soldados de Israel". Em 1973, antes da Guerra de Yom Kipur, o Rebe promoveu uma campanha de educação, com base no capítulo VIII dos Salmos, onde consta que o estudo de Torá por crianças é um força protetora para todo o povo. Depois da Guerra de Yom Kipur, o Rebe acrescentou as campanhas de mezuzá, estudo de Torá e tsedacá, explicando que cumprindo estas e outras mitsvot um judeu, em qualquer lugar do mundo, poderia ajudar a Terra Santa.

Aqui estão dez ações que podem ajudar nossos irmãos em Israel, e tornar este mundo um lugar melhor para a humanidade.

• Empreenda uma guerra espiritual contra as forças da apatia moral e ignorância.

• Fortaleça os três pilares que sustentam o mundo - tanto pessoal quanto global: Torá, prece e atos de bondade.

• Intensifique seu comprometimento com o estudo de Torá - aprenda um novo texto, e estabeleça tempo adicional para seu estudo.

• Diga preces adicionais para a segurança de pessoas que enfrentam o perigo, especialmente as Forças de Defesa de Israel.

• Aumente suas doações para caridade. A caridade tem uma energia especial para combater situações perigosas.

• Engaje sua família e amigos num diálogo significativo. Faça contato com as pessoas dentro de sua esfera de influência e inspire-as com consciência espiritual. Encoraje todos a estudarem Torá e acrescentar uma nova mitsvá - uma boa ação. A Bíblia nos diz que por meio do estudo de Torá e cumprimento de mitsvot, D'us promete: "Habitareis seguros em vossa terra. Darei paz à terra, e vos deitareis, e ninguém vos amedrontará" (Vayicrá 26:5-6).

• Promova uma reunião em sua casa ou escritório, incentivando atos adicionais de bondade e gentileza.

• Os homens judeus devem ser encorajados a colocarem Tefilin todas as manhãs, nos dias de semana. Os Tefilin têm faculdades que acrescentam em proteção durante épocas ameaçadoras.

• Mulheres e moças devem ser encorajadas a acender velas de Shabat e Yom Tov, 18 minutos antes do pôr-do-sol de Shabat ou no Dia Festivo. É costume também doar para caridade antes de acender as velas.

• Incentive as crianças a recitar versículos sagrados e preces, bem como acrescentar em caridade e boas ações. As crianças desempenham um papel especial em tempo de crise. Como declara o versículo: "da boca dos bebês e infantes Tu estabeleceste força... para silenciar adversário e vingador" (Tehilim 8:3).