Por Yaacov Lieder
Um homem telefona para sua mãe, já idosa. "Mamãe, como vai?"
"Não muito bem" – diz a mãe – "estou bastante fraca."
"Por que está tão fraca, Mamãe?"
"Porque faz 38 dias que não como."
"Isso é terrível! Por que ficou sem comer por 38 dias?"
A mãe responde: "Porque eu não queria estar com a boca cheia de comida se você telefonasse."
Muitas vezes sou procurado por pais e avós que se aborrecem porque os filhos ou netos não os tratam da maneira que eles acham que seria a correta. As queixas mais comuns são: "Depois de tudo que fiz por eles, não me visitam." Ou "Depois que se casaram, não telefonam ou vêm passar algum tempo comigo", ou então: "Eles não me convidam para as festas deles" – e assim por diante. Eles não entendem como é possível para seus filhos ou netos ficarem tão envolvidos nas suas próprias vidas.
Um avô me disse: "Escrevi para meu neto uma carta dizendo que a maneira de ele se comportar para comigo é inaceitável. Meu filho ficou contrariado, dizendo: ‘Como ousa falar assim com ele?’ Em vez de resolver o problema com meu neto, criei um novo, com meu filho."
Certa vez esse assunto me foi transmitido assim: Os filhos de Adam e Eva aprenderam com eles, por exemplo, como um pai cuida do filho. Porém eles não poderiam ser um exemplo para os filhos sobre como cuidar dos próprios pais – eles não tiveram pais! Podiam apenas falar sobre isso. Porém, como sabemos, aquilo que se diz não é tão eficaz como aquilo que se faz. Não é natural para os filhos cuidar dos pais como é para os pais cuidar dos filhos. Talvez seja por isso que o mandamento "Honra teu pai e tua mãe" precisasse ser escrito nos Dez Mandamentos, e para ser recompensado com vida longa.
Outra coisa para ter em mente: é uma reação natural para nós ficarmos na defensiva quando alguém nos critica. Podemos também tentar evitar as pessoas que nos fazem sentir pouco à vontade. Subconscientemente, procuramos nos afastar de lugares onde as pessoas nos fazem sentir culpados. É como minha lista de "coisas para fazer": coisas que me incomodam vão para o fim da lista, e são transferidas de um dia para outro e de semana para semana.
Se queremos ajudar nossos filhos e netos a cumprirem a mitsvá de honrar os pais, devemos sempre dar-lhes o benefício da dúvida e julgá-los de maneira favorável. Com sorte, isso manterá aberta as linhas de comunicação e nos permitirá criar um relacionamento melhor com nossos entes queridos. Se fizermos do tempo que eles passam conosco uma experiência agradável, logo perceberemos que não estão se relacionando conosco por obrigação, mas como algo que realmente desejam e esperam ansiosamente.