Há uma série de eventos históricos significativos que a Torá nos diz para lembrar todos os dias.1 Algumas tradições listam apenas quatro lembranças e outras contam até dez, mas o costume predominante é recitar as Seis Lembranças após as preces matinais. O primeiro a formular o texto das Seis Lembranças, como encontrado em muitos livros distintos de preces, foi o rabino Schneur Zalman de Liadi, em seu Sidur, baseado no Midrash e nas obras do Arizal.2

1. Nosso Êxodo do Egito

". . . Para que você se lembre do dia em que saiu da terra do Egito, todos os dias da sua vida. ” (Devarim 16:3)

A mitsvá é lembrar que éramos escravos no Egito e D'us nos tirou de lá. (É diferente da mitsvá de recontar a história do Êxodo em Pêssach, que inclui descrever em detalhes os milagres que ocorreram.)3

2. A Revelação no Sinai

“Mas tenha cuidado e observe-se muito bem, para não esquecer as coisas que seus olhos viram e para que essas coisas não saiam do seu coração todos os dias da sua vida, e você as fará conhecer aos seus filhos e aos filhos de seus filhos. o dia em que você esteve diante do seu D’us em Horeb.” (Devarim 4:9–10)

A Torá foi dada com grande alarido, trovões e relâmpagos, ao vermos a glória de D'us. O drama garantiu que lembrássemos que foi do próprio D'us que recebemos a Torá. Assim, a ideia por trás dessa mitsvá é sempre lembrar que recebemos e testemunhamos a outorga da Torá, não através de um profeta, mas de D’us, Ele próprio.4

3. O Ataque de Amalec a Israel

“Recorda-te do que te fez Amalec no caminho quando saístes do Egito; que te encontrou pelo caminho e feriu todos os desfalecidos que ficavam atrás de ti, e tu estavas sedento e cansado; e Amalec não temeu a D’us. Quando pois, o Eterno, teu D’us te der descanso de todos os teus inimigos em redor, na terra que o Eterno teu D’us te está dando por herança para possuí-la, apagarás a memória de Amalec de debaixo dos céus, não te esquecerás.” (Devarim 25:17–19)

Os amalequitas foram os únicos e os primeiros a atacar a nova nação judaica, apesar de todos os milagres que foram realizados para os judeus durante o Êxodo. Assim, eles não apenas fizeram guerra contra o povo judeu, mas também mostraram que não temiam D'us, estabelecendo um precedente para aqueles que atacariam no futuro. Ao relembrar o que eles fizeram, lembramos que o severo castigo deles se deve a uma extrema ofensa contra o povo judeu e D'us.5

Outros explicam que o ponto principal dessa lembrança diária não é tanto o ataque real, mas a razão espiritual por trás do ataque: a desunião dos judeus e sua no cumprimento das mitsvot.6

4. O bezerro de ouro e a rebelião no deserto

“Recorda-te! Não te esqueças de que irritastes ao Eterno, teu D’us, no deserto; desde o dia em que saíste da terra do Egito, até chegares a este lugar, foste rebelde contra o Eterno.” (Devarim 9:7)

Lembramos como enfurecemos D'us no deserto, constantemente nos rebelando contra Ele, e como logo após a entrega da Torá, fizemos um bezerro de ouro. Também lembramos da grande bondade de D'us - apesar de tudo o que fizemos, Ele lembrou-se da aliança que fez com nossos antepassados e, por fim, nos perdoou.7

5. Miriam’s Negative Speech and Punishment

“Recorda-te do que fez o Eterno, teu D’us, a Miriam, no caminho, quando saístes do Egito.” (Devarim 24:9)

Com essa lembrança, recordamos a nós mesmos o quanto devemos ser cuidadosos em abster-nos da fala negativa e de lashon hará. Se mesmo Miriam, que era profetisa e irmã de Moshê, e não quis causar danos, foi, no entanto, afligida por falar negativamente sobre seu irmão, quanto mais nós precisamos ter cuidado com o que falamos sobre os outros..8

6. O Shabat

“Lembra o Shabat para santificá-lo.”(Shemot 20:8)

O Shabat é uma prova do fato de que D'us criou o mundo em seis dias e descansou no sétimo. Assim, lembrando constantemente disso, recordamos que o mundo foi criado por D'us.9

É preciso verbalizá-los?

De acordo com muitas opiniões, pode-se cumprir tecnicamente esse mandamento apenas pensando nessas lembranças. De fato, em seu Shulchan Aruch,10 o Rabino Schneur Zalman de Liadi esboça como se deve ter em mente cada uma dessas lembranças enquanto recita várias partes da bênção de Ahavat Olam (Rabá), pronunciado antes de Shema.11

Nevertheless, Rabbi Schneur Zalman chose to place them in the prayerbook so that we can verbally recount these six events as well. Some explain that this was because many would find it difficult or forget to have these remembrances in mind while reciting the blessing before Shema. After all, many find it difficult to have the simple meaning of the prayers in mind, never mind the deeper meaning of the blessings.12

Outros consideram a possibilidade de ele ter formulado o texto em deferência à opinião de que é preciso realmente verbalizar essas lembranças. No entanto, parece que o rabino Schneur Zalman é da opinião de que as lembranças tecnicamente não precisam ser verbalizadas..13

4, 6, 8 ou 10 Lembranças?

Embora o costume mais prevalente seja recitar as Seis Lembranças, conforme mencionado, há alguns que listam apenas quatro ou muitas como dez.

O rabino Yitzchak Luria, conhecido como Arizal, lista quatro: (1) saindo do Egito; (2) a outorga da Torá; (3) Amalec; e (4) o incidente com Miriam.14

O rabino Avraham Gombiner (c. 1635-1682), conhecido como Maguen Avraham, em seu comentário sobre Shulchan Aruch, citou os quatro mencionados acima do Arizal e também citou em seu nome a lembrança do Shabat, bem como a ideia do Midrash15, de que a pessoa deve lembrar o pecado do Bezerro de Ouro.16 Isso eleva o número de lembranças às seis acima mencionadas.

Outros17 acrescentam mais dois: (1) o maná com o qual D'us nos sustentou no deserto; e (2) que D'us nos deu a terra de Israel. E ainda outros18 acrescentam (1) lembrar o que Bilam e Balac procuravam fazer ao povo judeu e (2) Jerusalém, como o versículo nos Salmos afirma: “Se eu esquecer de ti, ó Jerusalém…”19

Que possamos merecer a reconstrução de Jerusalém e do Templo rapidamente em nossos dias!