Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Salmos - Livro III

O salmista trata de uma das questões mais problemáticas da vida: por que os iníquos prosperam, aparentemente sem punição Divina? No entanto, numa perspectiva mais ampla e profunda da vida, se depara com o vazio e a futilidade das vidas glamorosas dos iníquos. E eles são punidos.
As nações do mundo destruíram o Santuário e a condição de Israel como nação, tentando apagar a chama da revelação Divina que Deus confiado a ele. Agônico neste exílio sombrio, o judeu reza para Deus libertar Sua nação e fazer Sua soberania ser reconhecida pelo mundo.
Este Salmo é uma oração pela redenção final, quando Deus finalmente provocará o colapso das nações más e de suas visões de mundo, e também elevará Israel a um tempo duradouro.
Chegará o dia em que as pessoas perceberão a futilidade de se rebelar contra Deus e aceitarão Seu domínio. Este Salmo se refere aos eventos desta época.
O objetivo do nosso longo e doloroso exílio é nos castigar e levar ao arrependimento completo. Quando formos realmente dignos, Deus intervirá outra vez e nos libertará, como nos libertou do Egito.
O amor e a preocupação de Deus nos milagres de nossa história estão sempre presentes. Devemos preservar viva a memória destes eventos para sentir Sua proximidade, mesmo quando não está tão clara. Deixar de fazê-lo é origem de muitos pecados.
As nações destruíram o Templo para blasfemar contra Deus e causaram uma dor a Israel que transcende a humilhação pessoal. Oramos a Deus para restaurar logo a honra de Israel – e, assim, a Sua própria – aos olhos de um mundo em dúvida.
Como sugerido pelo cabeçalho deste Salmo, é um testemunho sobre os exílios futuros de Israel. Ele recorda ao povo judeu sua gloriosa relação anterior com Deus, e garante que será restaurada. Os três apelos quase idênticos (versículos 4, 8 e 20) são as petições dos três principais exílios: o exílio das Dez Tribos, o exílio da Babilônia e o atual exílio romano.
Não importa o quanto uma pessoa submergiu: Deus sempre espera seu arrependimento e vire uma nova página. Assim como nos libertou da escravidão no Egito, Ele também está pronto para afrouxar os grilhões do pecado que nos prendem ao nosso estado inferior. Precisamos apenas começar e tomar a resolução de fazer a Sua vontade.
O tema deste Salmo – eqüidade e justiça – é um pré-requisito para a existência da terra. Esta mensagem não se limita aos tribunais. Na sua vida pessoal, cada ser humano deve se comportar como juíz de si próprio, pois suas opiniões e decisões sobre as pessoas podem afetar suas vidas.
A inimizade histórica das nações do mundo contra Israel se origina de um motivo bem mais profundo que o preconceito racial. Ela resulta do ódio ao que Israel representa: a soberania absoluta de Deus e a completa subordinação do esforço humano à Sua vontade.
Expulso da Presença Divina, o judeu exilado só quer reconquistar a proximidade Dele. A perseguição e os agrados da prosperidade estrangeira o desviam do esforço em atingir esta meta sublime.
Destruído o primeiro Templo, Israel é exilado por causa de seus pecados. Mas reconquistou o favor Divino e retornou à sua Terra (vers. 2-4). Assim, também, nós oramos, em nosso presente exílio, para Deus restabelecer novamente Seu favor por nós, desta vez permanentemente (vers. 5-14).
Quando alguém em perigo ora a Deus, espera que seu pedido seja atendido. Mas, em outro sentido, o pedido já está sendo atendido. Sua oração o conscientiza de quanto está próximo de Deus. E isso o tranqüiliza, como uma criança assustada se acalma quando sua mãe está perto.
Jerusalém, a cidade escolhida por Deus para o centro de vida e adoração da Torá, é verdadeiramente o centro do mundo. Tudo que é grande e nobre no mundo vem da Torá, que Deus colocou lá.
Este Salmo é um pedido apaixonado pela libertação de Israel de seu longo e quase insuportável exílio.
As promessas de Deus a David e Israel são eternas e, com certeza, serão cumpridas. Esta verdade acompanha Israel durante seu exílio.