Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Salmos - Livro II

Este Salmo é uma profecia da luta de Israel no exílio e seu anseio pelo retorno ao lar, para se aquecer na glória da Presença Divina.
Este Salmo segue o mesmo tema do anterior.
Com uma visão profética abrangente que retrata os eventos até a era moderna, o salmista deu a Israel um cântico para guiar, fortalecer e acompanhá-lo em suas andanças pelo tempo.
Este Salmo descreve o esplendor e a soberania do Messias, descendente de David, ou dos verdadeiros eruditos da Torá.
Na convulsão que acompanhará a era messiânica, Deus será o abrigo de Israel como Ele O é para o angustiado que Nele busca apoio.
A soberania de Deus será reconhecida e aceita pela humanidade. As nações procurarão Israel que espalhou através dos tempos o conhecimento do verdadeiro Deus, apesar das campanhas contrárias. E vai ensinar-lhes o caminho adequado para servi-lo.
Este Salmo descreve a beleza e eternidade de Jerusalém, glorificada por ter sido escolhida por Deus para local do Templo e maior manifestação de Sua Presença.
Reconhecendo que a cobiça de Côrach (Coré) por riqueza originou sua queda, seus filhos justos compuseram este Salmo para ensinar ao ser humano que a presença na Terra deve ser usada para aperfeiçoar o desenvolvimento espiritual, e se preparar para o mundo vindouro. A vida é uma oportunidade para realizações verdadeiras e preciosa demais para ser desperdiçada com prazeres e buscas inúteis.
Além da adesão a seus mandamentos, Deus também quer a pureza de espírito.
Este Salmo é chamado de “O Capítulo do Arrependimento” porque contém os princípios do arrependimento. O texto é a oração adequada para quem deseja se arrepender de seus pecados.
David lamenta a tragédia e o destino de quem usa seu talento para fazer o mal.
Este Salmo é quase idêntico ao Salmo 14, uma referência profética à destruição do primeiro Templo. Este Salmo diz respeito à destruição do segundo Templo.
David ora a Deus, seu salvador e fonte que lhe dá forças, quando é traído por seu amigo e perseguido pelo inimigo implacável. Esta oração é apropriada aos que estão em situação semelhante.
Quando seu filho Absalão se revolta, a deserção de seu amigo íntimo Achitofel para as fileiras inimigas abala David.
Fugindo de Saul, David se refugia entre os filisteus, em Gat. Lá, é quase reconhecido pelo seu poderoso inimigo e só escapa porque se finge de louco (Salmo 34). A situação parecia desesperadora mas sua confiança em Deus é inabalável. Esta é a atitude correta por alguém em perigo.
Perseguido e em perigo, David afirma sua confiança em Deus.
David não matou seu perseguidor, Saul, quando pôde fazê-lo. David desafia os homens de Saul a usar este incidente para provar que é leal a Saul, ao invés de atiçar o ódio de Saul contra ele. ( I Samuel 26).
Saul mandou vigiar a casa de David durante toda a noite, e matá-lo de manhã. Michal, mulher de David, ajudou-o a escapar por uma janela e enganou os guardas, fazendo-os pensar que ainda estava dentro da casa. (I Samuel 19:11-18).
David compôs este Salmo ao final de sua bem-sucedida campanha contra os inimigos de Israel que violavam impunemente as fronteiras ao norte. Expressa confiança na garantia Divina de que seu reino seria consolidado internamente, e temido e respeitado externamente.
Apesar de designado rei, David precisa fugir dos que desejam destruí-lo. Estas experiências pessoais são como a experiência nacional de Israel, q também tema das preces de David.
Nunca devemos permitir que o poder do opressor ou sua sedutora riqueza obtida por intermédio de atos condenáveis, corroam a nossa confiança em Deus e a fé na Sua justiça.
No exílio, vítima de nociva maledicência, afastado da família, da nação e do lar, sozinho diante de Deus num deserto, David ora a Deus.
Este Salmo tem o mesmo tema do anterior.
A seca ou qualquer retenção da benevolência Divina nos deve levar ao arrependimento. O mesmo Deus que subjuga as forças mais poderosas rejuvenesce a Terra mais queimada e a nação mais ressecada.
O caráter milagroso da redenção de Israel, obra de Deus no passado, e a futura reunião dos dispersos, levará o mundo inteiro a reconhecer Seu domínio.
Esta é uma oração pela rápida chegada da era messiânica, quando a humanidade seguirá a liderança de Israel na adoração ao Eterno quando receberá as recompensas de Suas bênçãos.
O triunfo de Israel e os mensageiros de Deus na Terra sobre os impérios mais poderosos, se repetem sempre ao longo da história em todos os sentidos. Com este fenômeno histórico como cenário, o salmista relata o triunfo da Grande Redenção, e Deus será adorado em todo mundo.
Este Salmo é uma profecia sobre a situação difícil de Israel em seu longo e amargo exílio, e um pleito apaixonado por nossa pronta libertação.
Um apelo a Deus para nos salvar de nossos inimigos.
Para os que O procuram sincera e seriamente, Deus é como uma rocha inabalável protegendo-os das violentas tempestades que atingem suas vidas. Deus os protegerá mesmo quando mais idosos e os recursos normais para enfrentar as dificuldades forem menores.
A missão de um autêntico rei judeu é estabelecer uma ordem social pacífica e harmoniosa, onde cada membro esteja empenhado só em cumprir os preceitos da sagrada Torá. Após uma vida inteira tentando construir sua utopia, David entrega a Salomão, seu filho e sucessor, a obra para ser completada. A oração apaixonada de David pelo êxito de Salomão, é uma oração para o seu descendente mais distante, o Messias, concluir esta meta.