Por Simon Jacobson
"Um homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá com sua esposa, e eles tornar-se-ão uma só carne." - Bereshit 2:24
"Um casamento de sucesso depende de trazer-se D'us para o relacionamento." - O Rebe

Para que casar-se?
Uma cerimônia de casamento é de fato uma ocasião repleta de alegria. Encontramos os membros da família e velhos amigos, comemos e bebemos, dançamos e celebramos. Compartilhamos a felicidade do homem e da mulher que estão comprometendo suas vidas um com o outro. Mas por que estão se casando?
Alguns poderiam responder que um casamento é um contrato que une duas pessoas. Mas sabemos que se duas pessoas não se amarem, nenhum contrato é suficientemente forte para mantê-los juntos. A verdadeira questão vem um estágio antes do casamento:
Por que há uma atração tão forte entre o homem e a mulher?
Por que D'us criou-os como uma única entidade, e dividiu-os em dois. Como está escrito na Bíblia - "D'us criou o homem à Sua imagem... macho e fêmea Ele os criou," como explicam os Sábios: "Um único indivíduo com duas faces. Como indivíduo independente, uma pessoa seria deixada sem companhia, sem desafio, sem o potencial para crescimento. Nem o homem nem a mulher seriam capazes de transcender a individualidade com a qual nasceram. Portanto, D'us criou-os como um e dividiu-os em dois, que podem juntar-se um com o outro para tornar-se um.
O homem e a mulher são atraídos um para o outro porque individualmente, sentimo-nos incompletos; estamos procurando pela outra metade, buscando unir-nos a D'us.
Duas pessoas podem amar-se e preocupar-se uma com a outra, mas sem uma força Divina, o que unirá eternamente seres humanos temporais? Tal vínculo é necessário, pois, além de serem dois estranhos com personalidades e passados diferentes, um homem e uma mulher diferem biológica, emocional e psicologicamente, e passarão por muitas transições em suas vidas.

O que faz um casamento funcionar?
São necessárias muitas matérias primas para compor um casamento saudável. É preciso amor, naturalmente, e também um senso de reverência - a reverência que cada cônjuge sente pelo outro, e que ambos sentem por D'us. Tal reverência se entremeará em cada aspecto da vida deles, desde a maneira como mantêm o lar até o modo de educarem os filhos.
Um casamento de sucesso deve ter vitalidade. Uma união entre duas pessoas vivas significa que a união também está viva, e deve constantemente ser nutrida e encorajada a crescer. Um casamento deve também ter muita confiança. Esta não vem da noite para o dia; leva anos para ser construída. Mas assim que esteja em seu lugar, serve como um sólido alicerce que apoiará o casamento durante as crises.
A confiança não se origina no comportamento perfeito, vem da responsabilidade. Não se espera que ninguém seja perfeito, mas pode-se esperar que seja responsável, que reconheça um erro. A confiança significa que sua atitude e conduta no decorrer do tempo têm demonstrado que seu cônjuge pode depender de você, que você tem a integridade de agir adequadamente mesmo quando ninguém, exceto D'us, está assistindo. De outra forma, sempre persistirão as dúvidas: Como posso saber que meu cônjuge está realmente comprometido com este casamento?
Um casamento saudável significa também construírem juntos um lar - não apenas para seu conforto pessoal, mas que seja uma luz para os outros. Desde o início, a prioridade num casamento não deve ser a quantia de dinheiro gasta - para a cerimônia, a lua-de-mel ou mobília cara numa casa - mas no compromisso de construir um lar que seja guiado pelos princípios Divinos de moralidade e virtude.
Um elemento central e básico para se atingir um casamento feliz é aprender a cultivar a paz no lar, aprendendo a se comunicar e manejar as variáveis que ocorrerão em qualquer casamento. Aprender como contornar uma discussão, como se reconciliar, como agir quando as coisas não vão bem. Sempre que um dos cônjuges está passando por problemas, o outro deveria lembrar-se que são duas metades de uma mesma alma. Negligenciar seu cônjuge é como negligenciar a si mesmo, ou negligenciar D'us.
Não há fórmulas mágicas para lidar com problemas no casamento, é claro. Antes de mais nada, ambos devem entender que preservar o casamento, uma união santificada, é uma necessidade absoluta, pela qual ambos carregam igual responsabilidade. Devemos também entender que um casamento feliz não pode ser construído em termos de uma pessoa. A individualidade é ampliada, e não obliterada, pelo verdadeiro amor. Pode ser tentador fazer sempre as coisas à sua maneira, mas o amor e o respeito são nutridos pelos reconhecimento dos desejos e necessidades do parceiro. Tal desprendimento pode apenas vir de reconhecer D'us em sua vida, o que lhe permite considerar o espaço de seu cônjuge tão sagrado quanto o seu.
Acima de tudo, um casamento saudável necessita que marido e mulher lembrem-se sempre de seu dever para com o outro parceiro: D'us. Isso inclui cumprir o mandamento e bênção que o homem recebeu quando da Criação: "Crescei e multiplicai." Este é um componente crítico em um casamento bem sucedido.
A capacidade de reprodução é parte de nossa composição fisiológica e psicológica, e é necessária para nosso bem-estar. Não devemos falsificar ou tentar enganar D'us, que nos abençoa com a capacidade de ter filhos: a cada criança que temos, D'us nos concede a força e os recursos para sustentá-la, cuidar dela e nutri-la.
Podem de fato existir temores que resultam de se viver num ambiente imperfeito, no qual pode afetar uma criança e faze-la sofrer. Mas um erro não justifica o outro - o erro da escolha de não ter filhos. Ter filhos define e sedimenta as prioridades de um casamento - de fato, da vida em geral - e criar filhos é o objetivo mais desafiador, gratificante e profundo que um homem e uma mulher podem esperar atingir juntos.
Vincula-os eternamente um ao outro, à família, e acima de tudo, a D'us.