Quer fazer o papel de D’us? É simples, diz o Talmud, e é uma mitsvá, também: apenas visite os doentes. D’us visitou Avraham quando este estava doente, portanto quando você visita os enfermos, está fazendo o papel de D’us.

Em hebraico, o jogo é chamado Bicur Cholim. Aqui seguem as regras:

Levantar o astral

Nada de cenhos franzidos, nem rostos sombrios. Nada disso ajuda a curar uma pessoa. Seu trabalho é ter um sorriso no rosto, levar alguma esperança e provocar algumas risadas. Algumas frases podem ajudar a levantar o ânimo: “O que um atleta como você está fazendo na cama?” ou “Como é o serviço de quarto aqui neste lugar?” Você vai sentir uma grande satisfação para cada sorriso que provocar.

Obviamente, você tem de saber quando está exagerando e ficando tempo demais. A essa altura, diga ao paciente o ditado chassídico: “Pense bem e tudo sairá bem” – e silencioamente deixe o quarto.

Dando uma Mão

A sua presença em si é terapêutica, mas o paciente também tem outras necessidades. Procure saber como você pode ser útil. Fazer o supermercado? Levá-la ao médico? Ou talvez a casa precise de uma faxina?

Programe sua visita com cuidado. Se o paciente estiver no meio de um procedimento médico, ou logo em seguida passará por um, é provável que não esteja disposto a receber visitas.

Às vezes a situação não permite visitas. Você ainda pode fazer bicur cholim visitando a família, oferecendo alguma ajuda, etc.

Fazendo uma Prece

O quarto do paciente é um local sagrado. Quando ali estiver, recite uma breve prece pela sua pronta recuperação, como “Que D’us o tenha entre todos os enfermos de Israel.” Ou, então, no Shabat: “No Shabat é proibido suplicar, mas a cura virá em breve.” Quando você sair, recite um Salmo ou outra prece.

É um costume positivo e apropriado para estas oocasiões solicitar uma bênção pela cura da pessoa enferma a um sábio, cujo espírito é muito elevado. Clique aqui para enviar um pedido de prece ao local de descanso do Rebe.