Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Salmos - Livro I

O Livro dos Salmos começa apresentando uma orientação para a vida: evitar a influência dos malévolos e dos que ridicularizam o bem, e adotar o estudo e o conhecimento das Escrituras como meta principal. Deus recompensará nossa vida com alegria e significado.
Deus ungiu David rei e os filisteus reuniram seus exércitos para depô-lo (II Samuel 5:16). Este Salmo mostra a inutilidade de querer frustrar a vontade de Deus.
Absalão, o filho de David, quase teve êxito em sua tentativa de destroná-lo (II Samuel 15-19). Apesar de sua situação parecer desesperadora, este Salmo revela como a confiança de David em Deus lhe dá paz e segurança.
Embora se dirija aos seguidores de Absalão, David fala a todos os pecadores e apela para abandonar a hipocrisia, a ilusão das vitórias temporárias e a glória sem significado. Que cessem as calúnias e reconheçam a verdade que os levará ao arrependimento e à verdadeira felicidade.
Sitiado por inimigos, o homem justo reza pela libertação para aliviar seu sofrimento físico e servir a Deus sem interferências.
David estava doente e sentia dores ao compôs este Salmo. Sua intenção era que esta oração fosse usada pelos doentes ou em perigo e, particularmente, quando Israel enfrentasse opressão e privação.
Neste Salmo, David indica como o generoso de espírito às vezes parece impotente contra o ataque dos que tramam e são traiçoeiros. O justo, todavia, deve criar coragem baseado na compreensão de que prevalecerá sobre o perverso, vítima de suas próprias tramas.
Este Salmo é o cântico extasiado de quem tem a clareza de visão para perceber a obra de Deus em toda parte e sente que as realizações do ser humano são dádivas de Deus a Quem deve se dedicar.
Apesar de deslumbrado com seu êxito temporário, o mal desaparece no esquecimento, e somente Deus permanece.
Continuação do anterior, este Salmo se concentra principalmente nos fatos de um indivíduo, ao invés de seu caráter nacional. David sugeria ser orado por quem esteja ameaçado por um inimigo perverso.
Deus não abandonou o mundo à própria sorte. Os sofrimentos dos justos visam purgar-lhes os pecados. A boa fortuna dos iníquos recompensa-os por boas ações neste mundo. Mas não merecerão as recompensas do mundo vindouro.
Deus protege e salva. Quem professa amizade e lealdade é às vezes traiçoeiro, mas as garantias Divinas puras e duradouras.
O exílio de Israel desanima e deprime. É como uma noite longa e escura sem esperança do amanhecer. Este Salmo é uma oração que suplica a ajuda de Deus em momentos como estes. Enquanto o ser humano tiver fé e confiança em Deus, não será derrotado.
Embora possa aplicar às atribulações de sua própria vida, David também se refere, profeticamente, à destruição do primeiro Templo por Nabucodonosor. Este Salmo é quase idêntico ao Salmo 53.
David pergunta, “Eterno, quem pode residir em Tua Tenda?”, e depois indica quais as exigências de conduta ética para com seu semelhante. Isto é: só podemos aspirar chegar perto de Deus se formos generosos com nossos semelhantes.
É preciso humildade e clareza de visão para reconhecer que nosso quinhão na vida é designado por Deus. Habilidades e força que parecem ser os fatores determinantes da vida são apenas ferramentas. E o Criador as maneja.
David roga a Deus para considerar a sua integridade e o proteja de seus inimigos. Ele deseja estar somente à mercê de Deus e se amparar na glória de Sua Presença.
Neste Salmo, David sente a mão de Deus como guia através das provações e triunfos de sua carreira. Esta soma de experiências pessoais qualificou-o para a humanidade, em todos os tempos, adotá-lo como o cantor dos louvores a Deus.
Deus revelou-Se à humanidade tanto na natureza quanto no monte Sinai. Mas, embora uma contemplação científica e refletida da natureza leve o ser humano a reconhecer o Criador, somente a revelação da Torá pode ensinar ao homem a se relacionar com o Criador, e atingir a perfeita e completa realização na vida.
É apropriado recitar este Salmo diante do perigo, seja pessoal, de um parente ou da nação. É a base da afirmação talmúdica de que deve-se rezar pela redenção ou por ajuda, após afirmar: Deus é o Redentor.
Este Salmo trata do júbilo dos reis David e Messias. Este é um dever do rei, que precisa dar o exemplo, reconhecendo de que o bom provém da bondade Divina.
Embora se aplique aos acontecimentos de sua própria vida, David compôs este Salmo como uma profecia para poupar Israel de futuros exílios. Neste Salmo, o povo judeu aparece coletivamente mas sempre no singular. Ao recitá-lo, o indivíduo deve sentir a angústia do distanciamento de Israel de sua glória anterior, e orar a Deus pelo fim deste exílio tão dolorosamente longo.
Quem vive consciente de estar sempre na presença de Deus e sob Sua orientação íntima, não teme nada, nem as circunstâncias, por mais hostis. Deus pode prover toda necessidade do ser humano, seja num prado verdejante ou no deserto mais abrasador.
David compôs este Salmo no dia em que comprou o terreno onde seria erguido o Templo. Não bastam terra, tijolos e pedras para construir um Templo judaico. O próprio homem deve merecer ascender ao monte onde a Presença Divina repousa. Este Salmo descreve as qualidades de uma pessoa para aspirar a algo tão sublime.
Neste Salmo, David arrepende-se sinceramente de seus pecados, procura se aproximar de Deus e se salvar. Exalta a bondade Divina e a ajuda aos que O procuram. David ora por si e por todos que buscam a Deus.
O homem justo trilha o caminho reto em pureza e com cautela, e ora para Deus evitar ciladas ao longo de seu caminho.
A Casa do Eterno não tem limites físicos. É um estado de espírito cujas portas estão abertas a quem queira lá entrar. Basta se aproximar do Eterno, e orientar sua vida segundo Sua vontade. Para os que lá já estão, a Casa do Eterno é uma ilha de estabilidade e conforto em meio aos redemoinhos de dor e desilusões.
Este Salmo também é uma oração pela assistência Divina, para permanecer no caminho da retidão. Oramos para Deus mostrar Sua predileção pelos justos e Sua não preferência por aqueles que não o tem em sua consciência.
O poder e a glória de Deus penetram a Criação, que funciona somente de acordo com Sua vontade. Isto foi demonstrado com a intervenção de Deus na história humana, e será manifestado na era messiânica. Aqueles que vivem segundo Sua vontade revelada, a Torá, são pessoas de poder verdadeiro e duradouro, pois cumprem e escutam fielmente as ordens do Criador Onipotente.
Este Salmo dá uma perspectiva das freqüentes aflições e frustrações que precedem o êxito. Assim como o momento mais escuro da noite precede a aurora, o sofrimento humano deve ser aceito como preparação para o êxito e o júbilo. Foi desta forma – e assim será – tanto na história do indivíduo quanto na de toda a nação.
David compôs este Salmo quando fugia da implacável perseguição movida por Saul. Tantas vezes revelaram sua localização a Saul tantas vezes Deus salvou David de seu inimigo mortal ( I Samuel 22-24). É uma lição para o ser humano: confiar em Deus, cuja vontade determina o destino de cada indivíduo.
David exalta a alegria e o estado de sincero arrependimento. É preciso compreender que Deus envia sofrimento e infortúnio para ajudar o ser humano a alcançar este estado.
Deus criou o mundo para funcionar conforme leis consistentes, dando a cada força lugar e limite. E isto vale para a moral: a vontade de Deus para o comportamento da humanidade é constante. Nenhuma pessoa ou nação pode violar Suas ordens ou preceitos impunemente; somente o íntegro e piedoso irá perdurar.
Forçado a fugir para um país hostil, David foi reconhecido e sua vida estava em perigo. Ao invés de se desesperar David compôs este hino belo e profundo. Seus versículos estão em ordem alfabética (em hebraico) para mostrar que devemos louvar a Deus com nossas faculdades e reconhecer que toda Sua criação é para o bem.
Este Salmo é um fervoroso apelo de David a Deus para ajudá-lo contra seus inimigos que traíram sua amizade. O mesmo pedido poderia ter sido feito pelo povo judeu, que sofreu séculos de selvagem opressão no exílio, retribuindo o avanço e prosperidade que sua presença sempre trouxe à nação.
O pecado seduz através das falsas ilusões de realização que ele cria. O ser humano deve usar a luz objetiva da verdade para apagar estas ilusões. Assim, vai comparar a relação custo-benefício do pecado, considerando a punição Divina, e a oportunidade perdida de levar a vida abençoada dos justos.
Seqüência do Salmo anterior, este contrapõe a visão do perverso com a do justo. Aqui, a pessoa é advertida a não se admirar com as aparências de prosperidade que os perversos demonstram. David repete várias vezes sua mensagem neste Salmo, porque muitos acham tentador este tipo de riqueza.
Quem sofre deve perceber que Deus o castiga por causa de seus pecados. Deve se arrepender e procurar Deus em busca da salvação. Este Salmo é uma oração adequada para quem lamenta o longo exílio de Israel ou foi atingido por infortúnios pessoais.
O sofrimento castiga e conscientiza o ser humano de sua fragilidade e transitoriedade. Ele ora para Deus lhe dar conforto e se devotar ao cumprimento da Torá e seus preceitos.
David quer expressar sua eterna gratidão a Deus por ter sido favorecido por Ele. Para tanto reafirma sua obediência à Torá e proclama Suas maravilhas ao mundo. As experiências pessoais de David e sua resposta a elas são como as do povo de Israel em sua história.
Este Salmo encerra o Livro Um e proclama como Deus e sua misericórdia estão próximos do homem mesmo nas circunstâncias mais terríveis. Este é um tema recorrente nos Salmos, e princípio fundamental da vida.