Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.
Para visualizar os horários de Shabat clique aqui para configurar a sua localização

Quarta-feira, 26 Junho, 2019

Horas haláchicas (Zemanim)
Para visualizar horários haláchicos Clique aqui para configurar a sua localização
História Judaica

Após o falecimento do Rei Shelomô em 797 AEC, Jeroboam ben Nebat, membro da tribo de Menassê, incitou dez das doze tribos de Israel a se rebelarem contra o filho e herdeiro de Shelomô, Rehoboam. A Terra Santa foi dividida em dois reinos: “O Reino de Israel” ao norte, com Jeroboam como rei e Samaria como capital; e ao sul o “Reino de Yehudá” com sua capital Jerusalém, onde Rehoboam reinou sobre as duas tribos (Yehudá e Beniamin) que permaneciam leais à casa real de David. O centro espiritual do país, porém, permaneceu Jerusalém, onde estava o Templo Sagrado construído por Shelomô, e onde todo judeu era obrigado a fazer uma peregrinação três vezes ao ano para os dias festivos de Pêssach, Shavuot e Sucot. Considerando isso uma ameaça à sua soberania, Jeroboam colocou, a 23 de Sivan, obstáculos nas estradas para impedir a peregrinação do povo a Jerusalém. Em vez disso, ele introduziu a adoração de dois ídolos na forma de bezerros de ouro, que ele consagrou nas fronteiras norte e sul de seu reino.

As barricadas permaneceram no lugar durante 223 anos, até que Hosea ben Elah, o último rei do Reino Norte as removeu em 15 de Av de 574 AEC. A esta altura, as dez tribos que ali residiam já tinham sido expulsas da terra numa série de invasões por diversos reis babilônios e assírios. A última dessas invasões ocorreu em 556 AEC, quando Shalmanessar da Assíria conquistou completamente o Reino de Israel, destruiu sua capital, exilou o último dos israelitas que ali morava, e restabeleceu o país com povos estrangeiros de Kutha e Babilônia. Estes povos – depois conhecidos como “Samaritanos” – assumiram uma forma de Judaísmo como religião, mas nunca foram aceitos como tal pelos judeus; mais tarde, construíram seu próprio templo no Monte Gerizim e se tornaram inimigos ferrenhos dos judeus. Nunca mais se ouviu falar das “Dez Tribos Perdidas de Israel”, e esperam a chegada de Mashiach para se reunirem com o povo judeu.

Mesmo depois de Haman ter sido enforcado a 16 de Nissan de 357 AEC, seu perverso decreto de “destruir, matar ou aniquilar todos os judeus, jovens ou velhos, mulheres e crianças em um só dia, o 13º do 12º mês (Adar)” permaneceu válido. A Rainha Esther suplicou ao Rei Achashverosh para que anulasse o decreto, mas o rei insistiu que “uma ordem escrita em nome do rei, e selada com o selo do rei, não pode ser revogada.” Em vez disso, ele sugeriu a Esther e Mordechai para “escrever, sobre os judeus, à sua vontade, e selá-lo com o selo do rei.” Em 23 de Sivan, Mordechai rascunhou um decreto real dando aos judeus a licença de se defenderem e matar todos que os atacassem, e despachou-o para todas as 127 províncias do império de Achashverosh (Livro de Esther, cap.8).