Lembre-se

Antes de Purim vem o Shabat Zachor, o Shabat da Lembrança, quando lemos como os amalequitas nos atacaram por puro ódio. A Torá nos exorta a jamais esquecer este mal, e a “erradicar a memória de Amalec”. Como Haman foi descendente de Amalec, fazemos isto antes de Purim. É uma obrigação anual, portanto certifique-se de comparecer.

Jejum

Para salvar as pessoas do extermínio, Esther arriscou a vida aparecendo perante o rei sem esperar por sua permissão. Porém antes ela pediu aos judeus que jejuassem por três dias. Mais tarde, quando os judeus lutaram contra seus inimigos no dia anterior a Purim, eles jejuaram e rezaram novamente.

É uma obrigação anual, para assegurar de estar ali. É por isso que fazemos o “Jejum de Esther” na véspera de Purim. Se Purim cair num domingo, o jejum é observado na quinta-feira anterior (pois não jejuamos no Shabat, com exceção de Yom Kipur).

Jejuar é simples. Se você é saudável e tem idade acima de bar ou bat mitsvá, não coma ou beba do alvorecer até o final do dia. Clique aqui para saber quando o jejum começa e termina em sua localidade.

Detalhes Técnicos:

Não jejue se você estiver grávida ou amamentando. Se estiver doente, consulte um rabino. Porém mesmo que você esteja isento do jejum, evite lanches e guloseimas.

Você pode levantar-se antes do alvorecer e comer alguma coisa – desde que tenha isso em mente antes de dormir.

Tente ir à sinagoga para os serviços de prece durante o dia. Nas preces matinais e vespertinas, acrescentamos preces especiais do dia de jejum e lemos a Torá.

Meio shekel

Na tarde do Jejum de Esther, ou antes da Leitura da Meguilá, doamos três moedas com denominação de “meio” – ex., três moedas de meio real – para caridade. Elas representam o meio shekel que todo judeu entregava anualmente para o Templo.

Em muitas sinagogas, são colocadas bandejas com moeds de prata simbólicas onde a pessoa as levanta e as repõe acrescentando tsedacá em nome de cada membro da família.