Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Salmos - Livro V

Este Salmo conclama os que experimentaram a salvação e a libertação (individual ou nacional) promovidas por Deus, a proclamar publica-mente sua gratidão. Eles devem proclamar que Sua benevolência dura para sempre. A bondade Divina se manifesta pela salvação e pelo próprio perigo, que tira a pessoa de sua complacência e instila nela a consciência do tropeço e desesperança, s não fosse o providencial cuidado divino.
Este Salmo é quase idêntico aos Salmos 57:8-12 e 60:7-14. Contudo, aqueles se referem à consolidação e ao poder do próprio reino de David. Este Salmo a seu descendente, o Messias.
David implora ao Eterno para livrá-lo de pessoas más com planos e esquemas traiçoeiros. Tanto as que se erguem contra ele em sua vida particular quanto os que se movem contra Israel no exílio.
O poder legendário e a dinastia duradoura de David provêm do favorecimento Divino conquistado por sua retidão.
Este Salmo está em ordem alfabética (em hebraico), pela abrangência do tema. Deus criou o ser humano com tudo que seu corpo e mente necessitam, para encontrar sua realização e destino no cumprimento de Sua vontade. O ser humano tem de seguir este curso de vida.
Como seqüência do Salmo anterior, e também em ordem alfabética, o salmista descreve o caminho da vida do realmente temente a Deus. Tal pessoa não terá medo do infortúnio, permanecendo segura e confiante na misericordiosa e Divina Providência.
Os seis Salmos seguintes são de louvor com o nome de Halel, recitados a cada festa, e servem para comemorar os momentos de salvação nacional. Estes Salmos contêm temas fundamentais da fé judaica: Êxodo, divisão do Mar Vermelho, outorga da Torá no monte Sinai, a futura ressurreição dos mortos e a vinda do Messias. Estas orações retratam Deus como o Senhor do Universo, que conduz e modela a história da humanidade conforme seu projeto.
Este Salmo continua o anterior, e louva a Deus por erguer os necessitados e despossuídos. Israel foi elevado desta maneira quando deixou o Egito e arriscou sua vida, entrando no mar por ordem Divina.
O Salmo anterior trata do temor reverencial inspirado pelos milagres de Deus. Aqui, o salmista descreve os resultados desta inspiração. Embora Israel tenha permanecido imbuído de fé, nossos opressores logo escarneceram: “Onde está o seu Deus?” Assim, oramos para Deus intervir novamente nos assuntos do ser humano, menos por amor a nós, e mais por ele mesmo.
O salmista previu a solidão de Israel no exílio. As nações iriam zombar dele, dizendo: “Vossas orações e rogos são inúteis, pois Deus voltou um ouvido surdo para vós.” Assim, ele compôs este Salmo para encorajar os exilados, abatidos, e seguro de que “Ele ouvirá a minha voz e as minhas súplicas.”
Este Salmo de somente dois versículos, é o menor capítulo das Escrituras. Esta brevidade simboliza a ordem mundial que prevalecerá após o advento do Messias.
Este Salmo expressa gratidão e confiança. Assim como David foi levado de seus problemas para um reinado marcado por glórias e realizações, assim também Israel pode esperar pela redenção Divina dos apuros do exílio e da opressão.
Este Salmo, denominado “As Oito Facetas”, está em 22 estrofes de oito versos cada, em ordem alfabética (em hebraico), descrevendo o empenho por uma vida fiel e autêntica, de acordo com a Torá, independentemente da época, tempo, lugar, circunstância ou ambiente social. Nas orações pela recuperação dos doentes, recitam-se trechos deste Salmo correspondendo às letras do nome da pessoa. Nossa oração fervorosa é para que a pessoa, ao se recuperar, use cada faceta de sua personalidade única (conforme sugerem as diferentes letras que formam o seu nome) a serviço de Deus através da Torá e seus preceitos.
Os quinze Salmos seguintes (120-134), conhecidos como os Cânticos de Ascensão (ou dos Degraus), eram cantados no Templo, onde o judeu era levado a alturas espirituais cada vez mais elevadas. No Templo, Israel declarava que o ser humano não deve permanecer espiritualmente estagnado. O mundo é composto por infinitos degraus de bondade, e a missão do ser humano é galgar as alturas espirituais, que partem da terra e vão até os céus.
Este cântico descreve os meios pelos quais Israel encontra forças para atingir as alturas espirituais e ascender até a Sua gloriosa Presença. Trata da proteção constante de Deus, e recitá-lo é particularmente apropriado em épocas de crise.
Este Salmo descreve Jerusalém como a cidade onde o indivíduo experimenta o encontro com a santidade. Não importa quantos peregrinos venham, cada um deles tem uma sensação de mérito e elevação.
O salmista escreve a partir da perspectiva dos judeus no exílio, cuja trágica experiência ensinou-os que somente Deus pode ajudá-los.
Somente o cuidado e proteção de Deus salvaram Israel da extinção.
Os que confiam em Deus estão sempre seguros. Ele os protege tanto dos ataques físicos quanto espirituais feitos pelos iníquos.
A longa missão de Israel no exílio será finalmente completada. Deus nos conduzirá de volta à Terra de Israel, rejuvenescidos física e espiritualmente.
Uma pessoa não deve chegar a extremos para prover habitação e sustento para o seu lar, pensando que tem o poder de garantir resultados, pois somente Deus coroa os esforços com êxito. É o que Ele fará para os que Nele confiam, bastando apenas fazer a parte que lhes cabe.
Este Salmo apresenta uma descrição do judeu genuinamente justo, reto, temente a Deus e fiel seguidor de Seus mandamentos. Ele experimentará a verdadeira bem-aventurança, não só no mundo vindouro como neste também.
Decorridos séculos e milênios, Israel lança um olhar retrospectivo para sua história. A capacidade dos judeus sobreviverem a todos os esforços para destruí-los atesta a mão de Deus conduzindo o curso da história de Israel e protegendo os judeus de todos os perigos.
Como pode o ser humano atormentado, carregado de culpa por seus pecados, transpor a barreira que percebe separá-lo de Deus? Ele não deve se desesperar. Deus, em Sua misericórdia, procura os filhos perdidos que desejam retornar. Este Salmo é recitado em tempos de crise.
O justo não se torna arrogante por causa de suas realizações, nem com ciúmes dos maiores que ele, porque sabe que todo êxito é concedido por Deus a cada pessoa segundo sua necessidade e sua missão.
Às vezes, a tarefa de uma pessoa é preparar as bases de um edifício, e não administrar a sua construção. Embora pareça menos glorioso aos olhos humanos, quem desempenha tal missão será devidamente recompensado, e por seu mérito a meta será atingida.
Como tratou do Templo no Salmo anterior, David continua louvando o idílio que existirá quando os seres humanos viverem juntos como irmãos. e também estiverem unidos em seus corações.
O Salmo anterior descreveu o idílio de uma humanidade cujos membros vivem juntos como irmãos. Aqui, somos provocados a manter nossa pureza espiritual mesmo na melancolia do exílio e dispersão, construindo “casas para Deus” – cumprindo nossa missão como seres humanos – onde e como pudermos.
Este Salmo recorda os milagres do Êxodo e da jornada de Israel através do deserto, testemunhando que Deus criou o Universo, supervisiona e guia a história. Ele conclui que não vale a pena adorar nada exceto o Eterno.
Os 26 versículos deste Salmo aludem à misericórdia Divina, pois 26 gerações antes que a Torá fosse outorgada, Deus proveu a todos os seres vivos a partir de Sua misericórdia. Depois da outorga da Torá, o ser humano começou a conquistar seu merecimento ao cumprir os mandamentos. Além disto, o valor numérico do Nome Inefável – que representa a misericórdia Divina – é 26.
Deus permitiu ao Rei David ter visões proféticas da destruição dos dois Templos. Mas a destruição e o exílio para terras estrangeiras e distantes não autoriza o judeu a promover causas e culturas estrangeiras. Apesar de suas errar pelo mundo, a missão do judeu permanece arraigada ao coração de Jerusalém, promovendo a Torá, seus mandamentos e o conhecimento de Deus no mundo. Se não agir assim, todas suas prodigiosas habilidades podem muito bem ser esquecidas.
Vive na realidade quem vive consciente de que Deus é onipotente e intimamente próximo dos que O procuram. Vivem num mundo de fantasia os iludidos com a falsa sensação do poder e da invencibilidade humanas.
A Onisciência e Onipotência de Deus são absolutas. Ele conhece intimamente os pensamentos mais recônditos de cada ser humano. Ele sabe perfeitamente se a pessoa é um piedoso sincero ou um impostor.
Às vezes, a pessoa sente-se impotente para combater os que enganam, fazem o mal e ameaçam engolfá-la. Ela deve depositar sua confiança em Deus, que protege os justos e assegura a prevalência deles.
Impiedosamente perseguido e atacado por inimigos, David ora fervorosamente pela assistência Divina. Mas, mesmo num momento de crise como este, ele reza pela salvação física, e também pela ajuda de Deus, para não cometer o mínimo traço de pecado.
Este Salmo é freqüentemente recitado em momentos de problemas graves, quando tudo parece estar perdido. Preso num beco sem saída, sem rota de escape visível, o ser humano fica inteiramente à mercê de Deus e só confiando Nele para sua salvação. Quem tem verdadeira consciência, percebe que, em todas as circunstâncias, sempre acontece o mesmo. Pois mesmo quando a estrada à frente parece clara e desobstruída, é Deus quem pavimenta o caminho do êxito e da felicidade.
Embora muito ferido pela perseguição e sofrimento, o ser humano pode ser puxado para fora do abismo do desespero, lembrando os milagres feitos por Deus no passado. Podemos gozar o resgate do presente, se procurarmos sinceramente Sua orientação e ajuda.
David, o mais alto grau do monarca judeu, atribui tudo que realizou apenas a Deus; sua confiança em Deus é total e contínua. Suas conquistas não são exploradas em busca de engrandecimento pessoal, mas dedicadas somente ao serviço a Deus. Ele não chama a si próprio de “David, rei de Israel”, mas sim “David, o servo de Deus”.
Os seis Salmos a seguir concluem o Livro dos Salmos e são um componente importante de nossas orações diárias. Este Salmo tem um significado especial, porque proclama como Deus provê as necessidades de cada ser vivente. De fato, segundo os sábios qualquer pessoa que recite atentamente este Salmo três vezes por dia, tem lugar garantido no mundo vindouro.
Os sábios interpretam este Salmo como um hino de encorajamento aos judeus no exílio. Depois de louvar a Deus como Aquele que cuida dos desprivilegiados e oprimidos, o salmista conclui que Deus reinará para sempre, apesar dos nossos inimigos.
Ainda com o tema de redenção, este Salmo focaliza diretamente Jerusalém, centro a partir do qual emanará santidade, redenção e Torá.
Depois da reconstrução do Templo e de Jerusalém todo o Universo se unirá em cânticos de júbilo e louvor a Deus. Tsión é o ponto de encontro do céu e da Terra, porque é a partir daí que as bênçãos celestiais de Deus emanam para o resto do Universo.
Em cada geração, Deus nos confronta com novos desafios e problemas. No entanto, Ele nos dá oportunidade de resolvê-los. Por isso, nossos cantos de louvor nunca param, porque sempre carregados de novos significados. Mas o maior e mais novo cântico de todos partirá dos lábios de Israel, quando a história atingir seu clímax com a vinda do Messias.
Este Salmo final do Livro dos Salmos, resume a tarefa do salmista segundo a qual o ser humano deve enriquecer seu próprio ser espiritual reconhecendo a grandeza e a benevolência, e louvando a Deus. A longa lista de instrumentos musicais do salmista explica o largo espectro das emoções humanas e seu potencial espiritual, que a música pode despertar.