Rabino Levi Yitzchak Schneerson, de abençoada memória, pai do Rebe, foi considerado um dos maiores estudiosos talmúdicos e cabalísticos de sua geração. Ele serviu como rabino-chefe da cidade de Dnipropetrovsk, Ucrânia, durante a sangrenta revolução bolchevique e a subsequente opressão comunista. Apesar da terrível perseguição dirigida aos líderes religiosos naqueles dias, ele permaneceu destemidamente desafiador em fortalecer o aprendizado e a prática judaica em sua cidade e em toda a União Soviética.

O Rabino Levi Yitzchak acabou sendo preso, torturado e posteriormente banido para o exílio em uma vila remota no Cazaquistão. Seu espírito, entretanto, não se extinguiu, mesmo quando seu corpo foi quebrado e acabou cedendo ao seu falecimento prematuro ocorrido em 20 de Av..

Os judeus e o judaísmo, mesmo em face a esse regime determinado a acabar com qualquer deles, foram mais tarde nutridos com ternura por seu filho e discípulo, o Rebe. O Rebe conduziu os assuntos judaicos soviéticos clandestinamente à distância e, eventualmente, viu as décadas de esforço de seu pai florescerem de forma exuberante com a queda da Cortina de Ferro e o ressurgimento público da vida judaica.

Os judeus soviéticos, no entanto, não estão sozinhos em dívida de gratidão para com o rabino Levi Yitzchak. Seu exemplo pessoal, demonstrando como o Judaísmo sobreviverá contra todas as adversidades e como devemos aderir com firmeza e orgulho a seus ideais, serve como um farol brilhante de inspiração para todos nós hoje e para todas as futuras gerações.

Somos igualmente gratos coletivamente ao Rabino Levi Yitzchak e à sua esposa, Rebetsin Chana, abençoada memória, por ter nos dado o Rebe, cuja aplicação de seus ensinamentos e modo de vida para todos nós mudou o próprio curso do mundo judaico.

NIGUN

Este animado Nigun de Simchat Torá era um dos favoritos do pai do Rebe, Rabino Levi Yitzchak, entoado em diversas ocasiões. Este vídeo é de 12 de Tamuz, 5740 · 26 ede junho, 1980

Biografia

Nascimento

Rabino Levi Yitzchak Schneerson. Crédito da foto: Kehot Publication Society
Rabino Levi Yitzchak Schneerson. Crédito da foto: Kehot Publication Society

Rabino Levi Yitzchak Schneerson nasceu no dia 18 de Nissan de 1878, na cidade de Podrovná (perto de Gomel), filho de Rabino Baruch Schneur e Rebetsin Zelda Rachel Schneerson.

Rabi Levi Yitzchak era o mais velho de quatro filhos: dois irmãos, Rabi Shmuel e Rabi Shalom Shlomo, e uma irmã, Rebetsin Rada Sima. Seu pai, Rabi Baruch Schneur, era bisneto do terceiro Lubavitcher Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, conhecido como Tzemach Tzedek.

Primeiros anos

Quando criança, o Rabino Levi Yitzchak mostrou sinais de ser um prodígio, já que o Rebe Rayatz, o Sexto Lubavitcher Rebe, escreveria mais tarde: “Já desde muito jovem, seus extraordinários talentos foram descobertos”. Ele dominou a Cabala, o Talmud e a filosofia chassídica e foi ordenado pelas principais autoridades da Torá de seu tempo, Rabino Chaim Soloveitchik de Brisk e Rabino Eliyahu Chaim Meizel de Lodz.

Casamento

Em 1900, aos 22 anos, Rabino Levi Yitzchak, que já havia se tornado um renomado erudito Cabalístico e haláchico, casou-se com Rebetsin Chana Yanovsky. Filha do Rabino Meir Shlomo Yanovsky, rabino de Nikolayev e chassid do Rebe Maharash, o Quarto Lubavitcher Rebe, a jovem Rebetsin Chana era conhecida como uma erudita por seus próprios méritos. O Rabino Shalom DovBer Schneerson, o Quinto Lubavitcher Rebe, sugeriu o casamentoque ocorreu no dia 11 de Sivan, em Nikolayev, onde Rabino Levi Yitzchak e Rebetsin Chana permaneceriam por quase uma década.

Filhos

O Rebe aos dois anos
O Rebe aos dois anos

Rabi Levi Yitzchak e Rebetsin Chana tiveram três filhos: Menachem Mendel, DovBer e Yisrael Aryeh Leib. O mais velho, Menachem Mendel, nasceu no dia 11 de Nissan de 1902 e cresceria para se tornar o Sétimo Lubavitcher Rebe, conhecido como o Rebe.

Rabino de Yekatrinoslav

Em 1909, aos 31 anos, Rabi Levi Yitzchak foi chamado para servir como rabino na cidade ucraniana de Yekatrinoslav (conhecida hoje como Dnepropetrovsk). O quinto Rebe, Rabino Sholom Dovber Schneerson, foi fundamental para garantir a posição e enviou cartas a vários líderes comunitários, incluindo Sergei Pavlov Fallei, um dos membros mais respeitados do movimento sionista da cidade.

O Rabino Levi Yitzchak também se encontrou com Menachem Ussishkin, um ativista comunitário que havia servido como secretário do Primeiro Congresso Sionista. Após sua nomeação como Rabino, Rabi Levi Yitzchak finalmente assumiu a posição de Rabino Chefe e serviu a comunidade durante 32 anos, até 1939.

Além de um pequeno eleitorado chassídico, a comunidade judaica de Yekatrinoslav incluía muitos profissionais não religiosos, que também tinham o Rabino Levi Yitzchak em grande estima. Sua esposa, Rebetsin Chana, que era fluente em vários idiomas, contribuiu para o sucesso e a influência de seu marido como líder comunal.

Avraham Menachem Mendel Usishkin (à esquerda)
Avraham Menachem Mendel Usishkin (à esquerda)

Durante seus anos de liderança, o rabino Levi Yitzchak se engajou resolutamente no ativismo religioso, nunca cedendo à pressão cada vez maior dos soviéticos. Ele supervisionou a construção de um novo micvê e clandestinamente oficiou em casamentos e circuncisões. Uma área digna de nota foi seu envolvimento na produção de matsot casher para Pêssach. Todas as fábricas na Rússia eram de propriedade do governo, era a política deles que definia o padrão para a produção de matsá.

No entanto, mesmo os soviéticos sabiam que os judeus para comprar suas matsot, precisariam de uma autoridade rabínica para fornecer a certificação haláchica. Quando eles procuraram o Rabino Levi Yitzchak, que era renomado como Rabino-chefe de uma cidade importante, ele pediu permissão para instalar seus próprios supervisores rabínicos, caso contrário, ele não poderia oferecer o certificado. Quando eles se recusaram, Rabi Levi Yitzchak permaneceu firme. Ele viajou a Moscou e se encontrou com Mikhail Kalinin para explicar sua posição. Os esforços de Rabi Levi Yitzchak deram frutos e os soviéticos cederam. As matsot de Pêssach seriam produzidas sob os padrões rabínicos apropriados.

Prisão e Julgamento

No dia 9 de Nissan de 5699 (28 de março de 1939), às três horas da manhã, quatro agentes do NKVD [anterior a KGB] chegaram à casa dos Schneerson na rua Barikadna, 13.

Rabi Shalom Dovber of Lubavitch (1860 -1920)
Rabi Shalom Dovber of Lubavitch (1860 -1920)

Colocando guardas em cada uma das portas, eles começaram a vasculhar a casa toda. Revisando os milhares de folhas e anotações das obras escritas de Rabi Levi Yitzchak sobre Cabala, halachá e correspondência, eles confiscaram seus certificados de ordenação rabínica e uma petição da comunidade de Jaffa para que ele emigrasse e servisse como rabino-chefe, junto com vistos para toda a família.

Finalmente, às seis horas da manhã, depois de terem encerrado a busca, o Rabino Levi Yitzchak foi preso por suas atividades em nome do Judaísmo na União Soviética. Depois de mais de um ano de torturas e interrogatórios nas notórias prisões de Stalin, Rabi Levi Yitzchak foi julgado em Moscou e condenado a cinco anos de exílio na Ásia Central. Posteriomente, Rebetsin Chana o seguiu para estar com ele em seu remoto local de exílio.

Exílio no Chi’ili

A Primeira casa de Rabi Levi Yitzchak e Rebbetzin Chana’s no Chi’ili era um único cômodo na residência de um rude casal Tártaro que tinha um filho pequeno. O quarto não tinha porta e estava úmido, enlameado e repleto de mosquitos. Eles viviam em extrema pobreza e desconforto, sem privacidade.

Embora nunca tenham discutido isso, as pontadas de fome os atormentavam. Certa vez, eles ficaram um mês inteiro sem provar um pedaço de pão.

Rebetzin Chana Schneerson (1880-1964)
Rebetzin Chana Schneerson (1880-1964)

Com a Segunda Guerra Mundial devastando a Europa, muitos refugiados e pessoas deslocadas acabaram na região do Cazaquistão, onde Rabino Levi Yitzchak havia sido exilado. Rabi Levi Yitzchak logo se tornou conhecido entre os refugiados judeus. Grandes grupos de homens e mulheres, especialmente aquelas mulheres cujos maridos foram levados para o reforço de guerra, visitavam o estimado Rabino e sua esposa, buscando aconselhamento sobre vários assuntos.

Com recursos escassos à sua disposição, e enfrentando ameaças constantes em suas vidas, Rabi Levi Yitzchak e Rebetsin Chana heroicamente estenderam a mão para seus irmãos necessitados, ajudando de todas as maneiras - material e espiritualmente.

Falecimento

Em 1944, quando a sentença do Rabino Levi Yitzchak estava chegando ao fim, sua condição física começou a se deteriorar. Embora ele não soubesse disso, uma doença grave estava se espalhando por seu corpo, enfraquecendo-o gravemente.

Enquanto isso, amigos na vizinha Alma Ata resolveram garantir a libertação do Rabino. Eles contribuíram com milhares de rublos, dando a maior parte de sua riqueza, a fim de adquirir as licenças adequadas para a realocação. Depois de seis semanas repletas de contratempos e obstáculos, eles finalmente conseguiram obter os documentos de libertação.

Local de descanso de Rabi Levi Yitzchak em Alma Ata
Local de descanso de Rabi Levi Yitzchak em Alma Ata

Imediatamente após Pêssach, Rabi Levi Yitzchak e a Rebetsin Chana deixaram Chi'ili e chegaram a Alma Ata. Nessa grande cidade, suas condições de vida melhoraram um pouco e eles trabalharam com mais vigor para ajudar os necessitados. No entanto, durante o verão, a doença do Rabino piorou. Um jovem amigo fez uma viagem especial de Leningrado a Alma Ata, junto com um conhecido médico. O médico não tinha um bom prognóstico para o rabino. Ele não tinha cura para sua doença.

O Rabino Levi Yitzchak e a Rebetsin Chana suportaram aqueles dias comoventes com força e coragem excepcionais. Apesar das condições terríveis, eles continuaram a receber qualquer pessoa deprimida ou alquebrada em sua casa, atendendo às suas necessidades específicas e fornecendo alimentos quando necessário.

No dia 20 de Av, a condição do Rabino Levi Yitzchak tornou-se crítica. Embora ele não pudesse mais falar, ele ainda continuou a murmurar palavras da Torá ou Tehilim. Naquela noite, Rebetsin Chana descansou um pouco para ter forças para continuar a cuidar dele; quando ela acordou, ela encontrou a casa repleta de pessoas. Seu marido havia devolvido sua alma pura ao Criador.

Legado

Durante seus anos como Rabino de Yekatrinoslav, bem como no exílio em Chi'ili, Rabino Levi Yitzchak escreveu milhares de manuscritos ecomentários da Torá, abrangendo e entrelaçando, em seu estilo único, Talmud, Halachá, Cabala e Chassidismo.

Manuscrito publicado posteriormente pelo Rebe. Cortesia da Sociedade de Publicações de Kehot.
Manuscrito publicado posteriormente pelo Rebe. Cortesia da Sociedade de Publicações de Kehot.

Infelizmente, a maioria desses manuscritos foi perdida ou destruída pelos comunistas e pelos nazistas, respectivamente. Mas quando ela escapou da Rússia em 1947, Rebetsin Chana conseguiu contrabandear os manuscritos que o Rabino Levi Yitzchak havia escrito durante seus anos de exílio.

A pedido do filho do Rabino Levi Yitzchak, o Rebe, esses manuscritos foram publicados em cinco volumes sob o título Likutei Levi Yitzchak. Na memória de seu pai, o Rebe também explicaria uma passagem desses ensinamentos Cabalísticos em muitos de seus farbrengens de Shabat.

Até hoje, Likutei Levi Yitzchak continua sendo uma das obras mais originais sobre o pensamento cabalístico do século passado.