Moshê informou aos judeus: “Betsal’el se encarregará da construção do Mishcan e Aholiav será seu assistente. Hashem também me disse que todos os homens e mulheres sábios e tementes a D'us que haja entre vós podem ajudar na construção de partes do Mishcan.”

Ambos, homens e mulheres corresponderam. Trabalharam, e levaram amostras de seu trabalho a Moshê. Ao examinar as amostras que lhe foram entregues, Moshê percebeu que eram todas idênticas à descrição de Hashem, e ficou muito contente.

Começaram as tarefas de construção. Betsal’el e Aholiav estavam à frente e indicavam aos homens e mulheres que desejavam ajudar o que deviam fazer. Alguns homens fabricavam os ganchos ou aros para as cortinas, outros cortavam a madeira para levantar as paredes, enquanto outros fundiam o ouro e a prata para depois fabricar os objetos necessários para o Mishcan. As mulheres eram muito hábeis para retorcer o pêlo de cabra para fabricar cortinas. Sabiam como fiar o pêlo do lombo das cabras sobre os animais vivos. Assim, o pêlo se manteria limpo e puro.

Enquanto se construía o Mishcan, Moshê se mantinha extremamente ocupado. Passava todos os dias pelos lugares onde trabalhavam as pessoas que se ocupavam de alguma parte do Mishcan. Somente Moshê havia recebido de Hashem o projeto e o desenho de cada objeto, de modo que era sua responsabilidade assegurar-se de que ninguém cometesse erros.

Hashem dotou todos aqueles que contribuíram na construção do Mishcan de sabedoria especial, para que cada objeto resultasse numa obra perfeita, exatamente como Hashem havia ordenado.

Não apenas as pessoas que ajudavam no Mishcan eram inspiradas com sabedoria Divina, mas até os animais utilizados para sua construção foram dotados de sentidos especiais. Por exemplo: os animais domésticos que tinham de transportar as vigas e madeirame sabiam por si mesmos que rota seguir. Os animais selvagens cuja pele era necessária para as tapeçarias foram até Benê Yisrael de vontade própria.