Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Vayak'hel-Pecudê

Parashá Vayak'hel
Como se remotiva pessoas desanimadas?

A diferença entre os dois tipos de comunidades é que uma resulta em ordem, a outra em caos. Ao descer a montanha para ver o bezerro de ouro, lemos que “Moshê viu que as pessoas estavam ficando loucas, e que Aaron as tinha deixado perder o controle e assim se tornarem motivo de riso para seus inimigos.” O verbo significa “perder, descontrolar, irrestrito.”
Ciclo da Vida
Um Nascimento Acidental Deveria Ser Celebrado?
É meu aniversário esta semana, mas sempre me senti um pouco estranha sobre celebrar. Meu nascimento foi uma espécie de acidente. Meus pais diziam que eu fui uma surpresa, que eles pensaram que não iriam ter mais filhos. E nasci seis semanas antes do tempo. Há algum significado em celebrar o dia no qual eu não deveria de fato ter nascido?
Mês de Adar
Parashat Pará
Neste Shabat, lemos na Torá um trecho adicional que relata como eram produzidas cinzas a partir de uma vaca (pará) vermelha. A pessoa que estava impura (por ter tido contato com um morto), utilizava estas cinzas para purificar-se.
Perguntas e Respostas
Reencarnação
O conceito de guilgul (reencarnação) é originado no judaísmo, sendo que uma alma deve voltar várias vezes até cumprir todas as Leis da Torá.
Shabat
Local das Velas de Shabat
Os nossos Sábios determinaram o acendimento especial de velas na sexta-feira, em honra ao Shabat. Essas velas, chamadas de “Nerot Shabat”, desde os tempos mais remotos, quando ter luz nas casas à noite não era algo trivial, tiveram sempre o objetivo de trazer honra e prazer ao Shabat por meio de sua luz, em termos bem concretos.
Parashá Vayak'hel-Pecudê
Seleções do Midrash
Em Yom Kipur Moshê desceu do Monte Sinai e entregou as segundas tábuas (luchot) a Benê Yisrael. Um dia depois, Moshê reuniu o povo – homens, mulheres e crianças – para dizer-lhes que Hashem lhes havia ordenado construir um Mishcan.

Antes de julgar, pense:

  1. Você tem certeza de que o fato narrado realmente aconteceu? Você sabia que muitas vezes enxergamos errado?
  2. Tem certeza dos detalhes comentados? Você sabia que os exageros ou as omissões distorcem o julgamento?
  3. A outra pessoa teve intenção de prejudicar ou foi sem querer?
  4. Em que circunstâncias a pessoa estava agindo? Foi sob pressão?
  5. Os atos dessa pessoa podem ter sido resultado de erros inocentes?Será que ela agiu por incentivo externo?
  6. O que precedeu o fato? A pessoa estava estressada a ponto de afetar sua maneira de agir?

— Kolel Rio
Imprimir revista