Mas o que posso dizer que não tenha sido dito? O que posso escrever que você ainda não tenha lido?

Você tem visto todos os detalhes, escutado todas as notícias, partilhado e postado suas opiniões. A solidão pode se tornar bastante desoladora, e por que não dizer – é bastante deprimente.

Há quanto tempo começaram meus catorze dias?

A angústia não gosta de ficar a dois metros de distância.

Então enquanto a maioria lê isso trancado em casa, firmemente focado no Zoom, espero que encontre consolo nas palavras que partilho, quando elas chegarem a você direto do meu coração em quarentena.

Não posso começar a fingir que entendi tudo, não tenho ideia sobre o que é isso, posso ser bom em matemática, mas não me saio bem no cálculo Divino. Portanto tenho pensado o máximo que meu cérebro permite, não sobre “Por quê?” mas sim “E agora?” O que fazer agora quando não há nada a fazer? Como encarar tudo isso como um judeu temente a D'us?

Mas é fundamental deixar uma coisa clara: Hashem tem Seus planos – não há necessidade de sentir medo, sei que às vezes é inevitável, mas temos a força de continuarmos firmes em nossas convicções. Às vezes o que sabemos é o que deve ser reforçado, D'us está no comando, é bondoso e tudo isso é para o nosso melhor. Através de dor fortuita, por trás de todas essas máscaras, há um objetivo que desconhecemos.

“Vá para casa,” D’us diz, “quero você sozinho”, “cancele, remarque, confira, pare.

Havia talvez apenas uma maneira de fazer isso acontecer: Portanto Eu estou aqui declarando uma PARADA global. Parada em suas salas de aula, suas celebrações, seus minyans, suas sinagogas. Sei que isso é assustador, e espantoso, e novo, mas agora mesmo é isso que Eu quero que você faça.”

“Pare suas festas, suas saídas sociais, seus shows... feche todas as suas lojas, cada estabelecimento, prorrogue suas tarefas, viagens, compras.

Venha, Meu querido filho, venha e PARE.”

“Estou fechando todas as fronteiras, sem aeroportos, sem aviões, trens.

Você não tem para onde ir, não tem nada a fazer. Não precisa achar tempo – Eu fiz isso para você.”

“E agora que não há lugar algum e ninguém para encontrar, nada para procurar, para buscar, levar, receber, Eu filtrei você de volta ao seu âmago, ao seu local mais interior, a fonte de sua alma: quem é você agora, quando não há mais ninguém além de você mesmo? E esta é a própria pergunta que passa pela minha mente. No fundo da minha essência, quem eu irei encontrar? “Quem sou eu?” me pergunto, e “Quem eu não sou?” E o que eu faço se não sou quem pensei ser?

Bem, o tempo está ao nosso lado, nenhuma discórdia ali, com essas horas extras, o que você vai fazer?

“Venha”, D ús diz, “É apenas você e Eu.”

Clame aos Céus, D’us guarda toda lágrima, desabafe com Ele cada preocupação, cada fardo e temor, não há necessidade de correr, o relógio parou, D’us fechou o mundo para que você possa conversar. Portanto pare, reflita, pause e aperfeiçoe. Esses dias são tão preciosos e raros, além de bizarros, surreal... use-os e descubra quem você realmente é.

Aonde você está indo, você está no Seu caminho? Você vai chegar lá amanhã com seus atos de hoje?

Em fim, abrace esse breve tempo que estamos passando separados, busque através da sua alma e abra seu coração, deixe o exterior para fora, faça sua jornada interior.

Fique dentro, salve uma vida; pode ser exatamente a sua.

O homem planeja, D'us planeja melhor. Confie em Seus caminhos que são retos e visam a um objetivo maior. Espalhe emuná, fé verdadeira, até o mundo inteiro ficar repleto dela. Essa é nossa eterna imunidade, paralela à ciência que galopa para encontrar uma dose segura de cura.

Hashem nos chama para casa pela última vez.

Que possamos merecer um futuro abençoado e doce, desejando saúde para cada um e para toda a humanidade.