Durante oitocentos e trinta anos havia um edifício sobre uma colina em Jerusalém que servia como ponto de contato entre céu e terra. Tão importante era este edifício ao relacionamento entre homem e D'us que quase dois terços das mitsvot são relacionadas à sua existência. Sua destruição é considerada como a maior tragédia de nossa história, e sua reconstrução marcará a suprema redenção – a restauração da harmonia entre a criação de D'us e entre D'us e Sua criação.

Três semanas de nosso ano – as três semanas "entre as restrições"1 de 17 de Tamuz e 9 de Av – são designadas como uma época de luto pela destruição do Templo sagrado e a galut resultante – exílio físico e espiritual – no qual ainda nos encontramos. Neste período, muitas calamidades atingiram o povo judeu no decorrer das gerações. Foi durante este período entre as dificuldades que o primeiro e o segundo Templo foram destruídos.

Durante este período, diminuímos a extensão de nosso júbilo.

Não:

  • Conduzimos casamentos. (Festas de noivado – sem música – são permitidas até Rosh Chodesh Av.)
  • Tocamos instrumentos musicais nem ouvimos música.
  • Recitamos a bênção Shehecheyanu. Assim, não usamos roupas novas nem comemos frutos que ainda não tenhamos comido nessa estação para que não precisemos recitar Shehecheyanu.
  • Fazemos corte de cabelo nem da barba. Muitas comunidades sefaraditas permitem cortes de cabelo e barba até a semana de Tisha b’Av (em outras palavras, até a noite do Sábado antes do jejum).

(Converse com seu rabino se houver circunstâncias que impeçam você de observar algum dos costumes acima).

Shabat



Todas as leis de luto são suspensas no Shabat.2 Isso inclui 17 de Tamuz e 9 de Av3 – quando eles caem no Shabat, os dias de jejum são adiados até o domingo, e o Shabat é celebrado festivamente. O Rebe declarou em inúmeras ocasiões que nestes Shabatot devemos aumentar nosso júbilo, e acrescentar um alimento saboroso extra às nossas refeições, para enfatizar que não estamos de luto.

No primeiro Shabat das Três Semanas (ou no próprio 17 de Tamuz, se cair no Shabat) devemos sempre ler a porção Pinchas da Torá. O final da leitura discute as três festas judaicas. Tem sido dito entre os chassidim que isso alude à ideia de que os três Shabatot das Três Semanas devem ser celebradas em parceria com as três festas…

Por que todo o luto é suspenso no Shabat?



Embora esses dias e semanas introduzissem um exílio permeado de perseguição e afastamento espiritual, é nossa crença que em ultima análise isso é para o bem. Em breve, com a vinda de Mashiach, entenderemos que todo o sofrimento foi necessário a fim de atingir o supremo bem. Naquele tempo, predizem os profetas, esses dias tristes serão transformados em dias de júbilo (veja Quebrando Paredes para mais sobre este tema).

Todo Shabat constitui um prenúncio da Era Messiânica. Assim, no Shabat somente nos concentramos no elemento positivo desse período.

Determinação para Reconstruir

Além das regras e restrições “técnicas”, durante este período passamos um tempo extra contemplando o estado menos que perfeito em que o mundo está agora e o que podemos fazer para melhorá-lo aumentando os atos de bondade e gentileza.

O Rebe dizia que as Três Semanas deveriam ser um tempo de aumento no estudo de Torá e doação para caridade – em conexão com o versiculo4: “Tzion será redimido pela lei, e seus retornados pela caridade.” Particularmente, o Rebe requisitava tempo e novamente o estudo daquelas porções da Torá que abordam a construção do Templo Sagrado.

As Três Semanas deveriam ser um tempo de aumento no estudo de Torá e doação para caridade. Por que essas leis? O Rebe baseava seu pedido num diálogo, citado no Midrash5, que ocorreu depois que D'us disse ao Profeta Ezekiel para instruir o então exilado povo judeu sobre as medidas e projeto do terceiro Tempo Sagrado. “Mestre do mundo,” respondeu Ezekiel, “por que está me dizendo para ir e dizer a Israel o formato da Casa; eles agora estão no exílio na terra de nossos inimigos – existe algo que possam fazer a respeito disso? Deixe-os até que retornem do exílio. Então, irei e vou informar a eles.”

D'us respondeu: “A construção da Minha casa deveria ser ignorada porque Meus filhos estão no exílio? O estudo do projeto do Templo Sagrado como detalhado na Torá pode ser igualado à sua real construção. Vá e diga a eles para estudarem a forma do Templo Sagrado. Como recompensa pelo seu estudo e sua ocupação com ele, vou considerar como se tivessem realmente construído o Templo Sagrado.”

É nossa geração em particular, que está à beira da Redenção, que deve estudar essas leis com a conscientização de que essas leis serão práticas no futuro iminente!

Templo da Destruição à Renovação

Porém há mais nas Três Semanas que jejum e lamentação. O profeta descreve os jejuns como “dias de boa vontade perante D'us” – dias de oportunidade para explorar as falhas do passado como o trampolim para um vinculo renovado e ainda mais profundo com D'us. Um senso de purificação acompanha o jejum, uma promessa de redenção permeia o luto, e uma corrente de júbilo acompanha a tristeza. O Nove de Av, dizem nossos sábios, não é apenas o dia da destruição do Templo – é também o aniversário de Mashiach.

Que possamos em breve merecer o cumprimento da profecia: “Transformarei seu luto em júbilo e os confortarei e os farei alegrar a partir de sua tristeza.” (Yirmiyáhu)