1. Sucot começa numa Lua Cheia

A Festa de Sucot começa ao anoitecer do 15º dia do mês judaico (lunar) de Tishrei, quando a lua está no seu zênite. Continua por mais sete dias, antes de levar diretamente ao feriado de Shemini Atseret/Simchat Torá.

Veja o calendário deste ano para Sucot

2 – Sucot é a Festa das Cabanas

The holiday of Sukkot is celebrated by dwelling in the sukkah hut.
The holiday of Sukkot is celebrated by dwelling in the sukkah hut.

A festa de Sucot é celebrada habitando na cabana da sucá. Sucot é a palavra hebraica para “cabanas” ou “abrigos”. Como diz o versículo, “Suas gerações [seguintes] devem saber que Eu fiz os filhos de Israel viver nas cabanas quando os tirei da terra do Egito.”1

O que eram esses abrigos? O Talmud nos diz que eram as nuvens da gloria que abrigaram a nação inteira durante sua épica viagem de 40 anos através do deserto do Sinai.

3 – Sucot Tem Três Outros Nomes

Sucot também tem uma conotação agricultural, assinalando a época em que os fazendeiros de Israel reuniam as colheitas que tinham ficado secando nos campos. Por este motivo, a escritura a chama de Chag Haasif, “A Festa da Colheita.”2

Sucot é um feriado alegre – tão alegre que os sábios o chamavam simplesmente de Chag, hebraico para “Festival”.

Em nossa liturgia, nós o chamamos de Zeman Simchatenu, “A Época do Nosso Júbilo”.

4 – A Cabana da Sucá é Coberta Com Material Orgânico

Teens finalize the roof with its sechach on top.
Teens finalize the roof with its sechach on top.

Pela duração de Sucot, a sucá – uma estrutura coberta com folhas, bambu ou algo que tenha sido colhido do solo – se torna nosso lar. A cobertura é conhecida como sechach. Sechah casher deve ter crescido do solo e sido colhido. O sechah comum inclui ramos, galhos, palmeiras, bambu, ou esteiras especialmente produzidas para esse fim.

5 – A Sucá Se Torna Nosso Segundo Lar em Sucot

Students enjoy lunch during Sukkot.
Students enjoy lunch during Sukkot.

Fazemos todas as refeições na sucá, onde somente ao frágil sechah nos separa do céu amplo e aberto.
Uma sucá pode ser erguida em qualquer local, desde que seja sob o céu.3 O Talmud fala sobre carros de boi transportando uma sucá, ela em barcos, ou no topo de árvores e sobre camelos.4 Atualmente há sucot móveis (sobre caminhonetes), e até em bicicletas.

6 – Lulav e Etrog (Quase) Todo Dia de Sucot

Rabbi Avraham Kagan, co-director of Chabad of River North and Fulton Market, gives a lulav and etrog to Maccabi player Itay Segev. (Photo: Yakov Studio)
Rabbi Avraham Kagan, co-director of Chabad of River North and Fulton Market, gives a lulav and etrog to Maccabi player Itay Segev. (Photo: Yakov Studio)

Todo dia de Sucot (exceto Shabat) levamos um feixe de folhagens que formam o conjunto: lulav (galho de palmeira), três hadasim (mirtas) e dois aravot (salgueiros) – junto com um etrog (fruto cítrico). Seguramos os dois juntos, abençoamos D'us que “nos santificou com Seus mandamentos e nos ordenou sobre segurar o lulav,” e os balançamos gentilmente em seis direções. Isso é com frequência mencionado como “lulav e etrog” ou Arba Minim, “ Quatro Espécies”.

As Quatro Espécies também são seguradas e movidas durante Halel (“Salmos de Louvor” pronunciados como parte do serviço de Shacharit, Oração Matinal, do feriado), bem como durante as Hoshanot, uma cerimônia diária de Sucot que envolve circundar um rolo de Torá enquanto entoa preces pela salvação.

7 – Há Bênçãos Especiais a Serem Ditas

Além das bênçãos que dizemos antes de segurar o lulav e o etrog, sempre que você se sentar para uma refeição na sucá, fala a bênção que conclui com as palavras “leyshev ba sucá,” na qual você bendiz a D'us “Que nos santificou com Seus mandamentos e nos ordenou a morar na sucá.”

A primeira vez que você faz cada mitsvá acrescenta outra bênção, Shehecheyanu, que bendiz a D'us, que “nos deu vida, nos sustentou, e nos trouxe até esse tempo”.

8 – O Último Dia É Hoshana Rabá

Jews circling the bimah on Sukkot. Credit: Alex Levin
Jews circling the bimah on Sukkot. Credit: Alex Levin

No sétimo dia de Sucot, a bimá (plataforma no centro da sinagoga) é circundada sete vezes, em vez do circuito único feito todo dia do feriado até então. Como as Hoshaanot são repetidas mais e mais vezes, este dia é conhecido como Hoshana Rabbah (:A Grande Hoshana”). Ao final deste serviço anual, cada pessoa bate um feixe de cinco salgueiros (também conhecidos como hoshaanot) contra o chão.

Neste dia, é costume ter uma refeição festiva na sucá que inclui chalá mergulhada em mel (a última vez para a estação) e kreplach, pasteis recheados de carne.

Saiba mais sobre Rosh Hashaná Rabá

9 – Sucot Era Um Festival de Peregrinação

A Torá ordena aos israelitas peregrinarem ao Templo Sagrado três vezes ao ano – em Pêssach, Shavuot e Sucot – levando sacrifícios e outras doações que eles haviam se comprometido em trazer nos meses anteriores. Sucot era a última das três festas, e, segundo alguns, era a data final antes que os “débitos” divinos fossem considerados vencidos.

10 – A alegre Colheita de Água Era em Sucot

Durante a época dos Templos, as noites de Sucot eram celebradas com extremo júbilo, até o grau que os sábios atestavam “Aquele que não viu o júbilo da colheita da água, jamais viu júbilo em sua vida.”5 As celebrações precediam a retirada da água da fonte shiloach, que era então derramada num buraco especial no altar do Templo.

Os sacerdotes acendiam fogo sobre grandes lamparinas, iluminando Jerusalém como se fosse no meio do dia. No decorrer da noite, homens piedosos dançavam segurando tochas, eruditos faziam malabarismos, e levitas tocavam música, enquanto os leigos assistiam com empolgação.

Atualmente, muitas comunidades fazem celebrações nas noites de Sucot em comemoração à cerimônia da retirada da água. O Rebe encorajava para que a dança se espalhasse pelas ruas.

Leia mais sobre a Retirada das Águas

11 – Em Sucot há Convidados Especiais na Sucá

Segundo uma tradição mística baseada no Zohar, os “sete pastores” visitam nossa sucá a cada dia do feriado. Conhecidos como ushpizin, os convidados são Avraham, Yitschac, Yaacov, Moshê, Aharon, Yossef e o Rei David.

Algumas pessoas recitam um texto especial, no qual formalmente “convidam” os ushpizim para suas sucás.

Leia mais sobre os ushpizin, Convidados especiais.

12 – Nem Todos os Dias São Iguais

Os primeiros dois dias de Sucot (apenas o primeiro dia em Israel) são Yamim Tovim. Como no Shabat, nos abstemos de muitas formas de trabalho criativo, viagem, etc. As únicas duas exceções são que alguns atos de preparação de comida (como cozinhar usando uma chama pré-existente) e carregar coisas que precisamos para a festa são permitidas. As preces também são um pouco mais longas que de costume.

Os dias intermediários de Sucot são conhecidos como chol hamoed, durante os quais viajar e outras ações proibidas são permitidas (mas trabalho extenuante deve ser evitado se possível).

13 – Sucot É Seguido por Outro Feriado

Images (from Flash90) were not captured on the holiday.
Images (from Flash90) were not captured on the holiday.

Imediatamente após os sete dias de Sucot, entramos em Shemini Atseret e Simchat Torá. Na Diáspora, este feriado se estende por dois dias; em Israel, é celebrado em um único dia. Simchat Torá comemora a compleição do ciclo anual de leitura da Torá e o início do novo ciclo. É marcada com canto e dança muito animados na sinagoga. Este é o único exemplo de uma festa judaica ligada diretamente a outra que ocorre em seguida.