1 – Atenção!

Surpresa! Rosh Hashaná não significa “Ano Novo” em hebraico. Na verdade significa “Cabeça do Ano”. Assim como sua cabeça (cérebro) diz ao corpo o que fazer, como você se comporta em Rosh Hashaná tem grandes consequências para o ano inteiro.

2 – Shofar

A observância principal de Rosh Hashaná é ouvir o toque do shofar nas duas manhãs de Rosh Hashaná. Feito de um chifre de carneiro, o shofar produz três “vozes”: tekiá (um toque longo), shevarim (uma série de três toques curtos) e terua (um toque staccato com pelo menos nove sopros). O shofar é tocado em vários intervalos durante o serviço matinal de Rosh Hashaná. Junte todos eles e você terá 100 toques no total.

3 – Shabat Silencioso

Quando Rosh Hashaná coincide com o Shabat, não tocamos o shofar naquele dia. Os sábios estabeleceram isso como uma precaução, no caso de alguém terminar carregando um shofar para um perito tocar. Aqui há também uma lição mais profunda. No Shabat, a coroação do Rei é tão profunda e tão especial que é realizada sem os toques do shofar.  

4 – Chamados em Casa

Rabinos Chabad do mundo inteiro caminham muitos quilômetros em Rosh Hashaná (quando viajar de carro é proibido) para tocar shofar para pessoas incapacitadas de ir até uma sinagoga. Caso conheça alguém que não possa comparecer à sinagoga, avise ao rabino ou outros membro de sua sinagoga com antecedência para que possam agendar e ir até a residência tocar o shofar para que ela a pessoa possa cumprir com a mitsvá.

5 – Duas Vezes Festejado

Rosh Hashaná é celebrado durante dois dias. Na verdade, embora a maioria dos feriados tenha um dia extra na Diáspora, Rosh Hashaná é o único que é celebrado por dois dias também em Israel.

6 – Mas Não Três Vezes

O calendário judaico segue um ritmo específico. A primeira manhã de Rosh Hashaná pode ser na segunda-feira, na terça, quinta ou no Shabat – mas nunca no domingo, quarta-feira ou sexta.

7 – Fogos em Sua Sala de Jantar

Está certo. Como Shabat e outras festas judaicas, as refeições de Rosh Hashaná deveriam ser feitas próxima ao brilho das velas acesas pela mulher (ou mulheres e meninas) da casa. Lembre-se: Na primeira noite, o ideal é acender antes do início do feriado. Na segunda noite, acenda as velas somente após o cair da noite, tomando cuidado para transferir o fogo de uma chama pré-existente sem apagar seu fósforo quando terminar. Apenas deposite o fósforo ou palito em um recipiente de metal ou outro material não inflamável para que a chama se apague sozinha. (Embora possamos acender fogos e cozinhar nos feriados, acender um novo fogo ou extinguir chamas são proibidos.)

8 – Chalot Redondas

Em Rosh Hashaná tradicionalmente começamos nossos banquetes com duas chalot redondas, adoçadas com passas para demonstrar nosso desejo para um ano novo doce. Para acrescentar doçura ao nosso desejo já doce, mergulhamos a chalá no mel antes de dar a primeira mordida.

9 – Maçã Mergulhada em Mel

A refeição então começa incluindo vários doces e outros alimentos que expressam nossos desejos para o ano. O alimento simbólico mais comum são as fatias de maçã mergulhadas em mel (ou açúcar em algumas comunidades). Outro favorito é tzimets, um prato tradicional da Europa Ocidental que inclui cenouras.

10 – Cabeça Para Ser Cabeça

É costume separar um pedaço da cabeça de um peixe em Rosh Hashaná, simbolizando nosso desejo de ser “uma cabeça e não uma cauda”. Algumas pessoas preferem a cabeça de um carneiro, que é adequada pois evoca o tempo quando Avraham quase seguiu a ordem de D'us de sacrificar seu filho Isaac, até que D'us o deteve no último instante e o fez sacrificar um carneiro. [Há quem coloque cabeças de peixe cozidas ou assadas na mesa, ou língua de boi preparada para esta ocasião.]

11 – Sementes Contam!

Muitas pessoas comem romãs em Rosh Hashaná, demonstrando seu desejo de ter tantos méritos quanto a romã tem sementes. Diz-se comumente que a romã tem 613 sementes, correspondendo às 613 mitsvot na Torá. Porém, isso ainda precisa ser empiricamente demonstrado por contadores de semente em todo o mundo.

12 – Encontre e Cumprimente

A saudação tradicional de Rosh Hashaná é “shaná tová”, que significa “bom ano”. A palavra u’metuka, “e doce”, às vezes é acrescentada.

13 – Um Dia para Rezar

Os serviços matinais de Rosh Hashaná são particularmente longos, a maioria devido à liturgia extra inserida na repetição da Prece da Amidá feita pelo chazan/cantor (a prece silenciosa que pronunciamos de pé). Grande parte dela é em estilo poético, e arranjada de acordo com o alfabeto hebraico – um fator que facilita as pessoas a aprendê-las de cor.  

14 – Nascimento e (Quase) morte

Nos dois dias de Rosh Hashaná lemos sobre a vida de Yitschac. No primeiro dia lemos sobre D'us concedendo o desejo de Sara e abençoando-a com um filho, Yitschac. No segundo dia lemos sobre como Avraham quase o sacrificou no altar.

15 – Eliminar os Pecados

Na primeira tarde de Rosh Hashaná (desde que não seja Shabat), é costume caminhar até um corpo de água fresca e recitar uma prece especial, atirando simbolicamente nossos pecados nas águas. Esta cerimônia chamada Tashlich evoca as cerimônias de coroação de antigamente, onde as águas correntes simbolizavam bons desejos para um longo reinado – apropriado em Rosh Hashaná, quando D'us é coroado Rei do Universo.

16 – Não Piscar

Está certo. Embora cochilar no Shabat seja considerado uma maneira virtuosa de celebrar o dia de descanso, em Rosh Hashaná não podemos cochilar (e algumas pessoas permanecem acordadas até durante a noite), não desperdiçando um momento precioso em algo tão trivial quanto fechar o olho. O Talmud declara que se alguém dormir no início do ano – i.e., em Rosh Hashaná – sua boa sorte também dorme.

17 – Como Ovelha

Em Rosh Hashaná toda criatura passa perante D'us em julgamento. Porém não é um dia triste, mas sim de confiança e otimismo. Afinal, se D'us nos criou e continua a nos sustentar, Ele obviamente acredita que temos algo a realizar aqui na Terra. E se Ele acredita em nós, também devemos fazer o mesmo.

Desejando a você um Shaná Tová, um ano bom e doce!