Por Arie Leib Ysroel Moscovich – Vol. 14

O livro de Devarím (Deuteronomio), difere em sua essência dos quatro livros que o precedem. Os outros quatro, começam com diversas coisas que ocorreram no mundo, para depois falar sobre os judeus no decorrer das gerações. E Devarím é praticamente a preparação do povo judeu para entrar em Israel.

No final do quarto livro, Bamidbar (Números), são relatadas as viagens, jornadas realizadas pelo povo no deserto durante os quarenta anos que tiveram que perambular antes de serem permitidos a conquistar aTerra de Israel. Lá também, Moshê alude alguns pecados cometidos pelo povo com indiretas.

É explicado que o motivo de Moshê ter usado indiretas, é porque ele queria transmitir coisas positivas também nestas palavras sobre o povo. A palavra Bamidbar (deserto), por um lado nos mostra que o deserto foi o castigo deles, mas por outro, nos mostra algo positivo. Mesmo no deserto, um lugar onde tiveram que enfrentar diversas dificuldades, e na prática tomaram a decisão errada diversas vezes, permaneceram fortes e alcançaram seu destino, superando todos os obstáculos.

Até mesmo com relação ao bezerro de ouro, Moshe defendeu o povo perante D’us para que Ele os perdoasse, como acabou ocorrendo e é relemrbado todo Yom Kipur, oficialmente o Dia do Perdão.

Daqui vemos como é importante honrar o povo judeu, pois até mesmo quando são repreendidos por seus erros, isso é feito de forma indireta, e até mesmo se aprende coisas positivas de seus erros.

E tudo isso acontece pois, como é conhecida a frase : "Yeridá Letzôrech Aliá" (a recaída tem como propósito uma elevação maior), e é justamente com nossos equívocos que aprendemos como proceder corretamente, até nos refinarmos completamente e atingirmos nosso objetivo, e assim chegar ao ápice da elevação, com a vinda de Mashiach.