Em algum ponto durante a shiva por Rivky Holtzberg z”l, assassinada junto com seu marido no Beit Chabad de Mumbai vítimas de ataque terrorista, uma jovem foi à casa dos Rosenberg. Ela disse à Sra. Rosenberg que tinha algo para ela, e lhe entregou um pequeno pacote. Curiosa, a Sra. Rosenberg abriu-o e perdeu o fôlego. Dentro estava o anel de diamante de Rivky e um dos seus vestidos de Shabat mais bonitos.

“Onde conseguiu isto?”

A jovem disse gentilmente à mãe de Rivky: “Deixe-me contar-lhe minha história.”

“Eu estava viajando pela India. Por algum motivo infringi a lei e terminei na cadeia. Você não pode imaginar que lugar horrível, pavoroso, primitivo… O único fator positivo é que as cadeias são bastante desorganizadas, e aqueles que tomam conta são corruptos. Consegui um jeito de escapar.

“O primeiro lugar para o qual corri, é claro, foi o Beit Chabad. Todos sabiam que é para lá que você vai quando precisa de ajuda. Rivky me recebeu, alimentou-me, e disse que era vital que eu saísse do país. Eu sabia disso – mas tinha muito medo. E se eles resolvessem checar meu passaporte?

Então Rivky deu-me um de seus vestidos de Shabat e seu anel de diamante. ‘Se você parecer muito distinta, uma mulher casada bem vestida com um anel no dedo, eles não a olharão muito detidamente. Vão deixá-la em paz. Uma mulher com um anel de diamante é de uma classe diferente. É uma mulher respeitável. Não é uma criminosa, alguém que fugiu da cadeia. Eles não a incomodarão.’

“Aceitei o vestido e o anel e como pode ver, consegui sair em segurança. E agora tenho de devolver o vestido e o anel de Rivky, que ela me emprestou.”

A mãe de Rivky aceitou os objetos de sua querida filha. Então ela disse à jovem: “Vi Rivky recentemente e percebi que ela não estava usando o anel. Quando lhe perguntei a respeito, ela me disse: “Zé be shlichut” – Está em shelichut.