Salmo 20

Ao mestre do canto, um salmo de David. Que o Eterno te responda no dia da tua atribulação e te traga a um refúgio seguro o Nome do Deus de Jacob. Que de Seu Santuário te envie auxílio, e que de Tsión te traga amparo. Que com prazer aceite todas as tuas oferendas. Conceda o desejo de teu coração e realize teus desígnios. Que nos rejubilemos com Tua vitória e ergamos estandartes em Nome do nosso Deus. Atenda o Eterno a todos os teus anseios. Agora sei que o Eterno trará vitória a Seu ungido; Ele lhe responderá de Seu Santuário Celeste com a força salvadora da Sua destra. Alguns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós, somente no Nome do Eterno, nosso Deus. Aqueles caem e sucumbem, mas nós nos erguemos e nos revigoramos. Salva-nos, ó Eterno! Responde-nos, ó nosso Rei, no dia em que Te invocarmos!

Salmo 22

Ao mestre do canto, acompanhado por “Aiélet Hashachar”, um salmo de David. Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Por que deixaste tão distante minha salvação e ignoraste meu gemido angustiado? De dia clamo e à noite não silencio, e Tu não me escutas. Mas Tu és o Santo, e a Ti se dirigem os louvores de Israel! Em Ti confiaram nossos patriarcas, confiaram plenamente e Tu os resgataste. Clamaram a Ti e foram salvos; em Ti acreditaram e não foram desiludidos. Quanto a mim, sou como um verme e não homem, opróbrio da plebe, vergonha do povo. Zombam de mim os que me fitam, riem e meneiam ironicamente suas cabeças. Dizem-me, porém, confia no Eterno! Ele o redimirá, Ele lhe trará salvação, porque nele se compraz. Tu me tiraste do ventre materno e me fizeste sentir seguro, contra seu peito. Desde meu nascimento, em Teus braços fui entregue; mesmo antes de nascer, já eras meu Deus. Não Te afastes de mim, porque muito próxima está a aflição e não há quem me proteja, senão Tu. Touros furiosos me cercaram, touros do Bashan me rodearam. Abriram contra mim suas bocas como um leão que estraçalha e ruge. Sinto-me como água derramada que não pode voltar a seu recipiente, meus ossos fraquejam; meu coração parece ser de cera, de tal forma se derrete dentro de mim. Minha força secou como a argila, minha língua está colada ao paladar e me deitaste no pó da morte. Cães me cercam, uma turba de perversos me rodeia, atacam meus pés e minhas mãos como se fora um leão. Verifico como estão meus ossos enquanto eles me observam e tripudiam. Minhas roupas, entre si repartem, minhas vestimentas sorteiam. Mas Tu, ó Eterno, eu te peço, não Te afastes de mim; ó minha Força, apressa-Te e vem em meu auxílio! Salva minha alma da espada, minha vida das presas dos sabujos. Livra-me da boca do leão, resgata-me dos chifres dos touros selvagens. Então, a salvo, proclamarei Teu Nome a meus irmãos e louvarte-te-ei do seio da multidão! Vós que sois a semente de Jacob, honrai-O! Reverenciai-O todos vós, descendentes de Israel. Porquanto não desprezou nem ignorou a angústia do aflito e dele não escondeu Sua face e atendeu a sua prece. Graças a Ti poderei proclamar meu louvor às multidões; cumprirei minhas promessas na presença daqueles que O temem. Os humildes hão de comer e se fartar; os que buscam o Eterno hão de louvá-lo e vida perene terão seus corações. Dos confins da terra, todos a Ti se voltarão com compreensão e ante Ti se curvarão todas as famílias das nações. Pois só do Eterno é a realeza e Seu é o domínio sobre todos os povos. Comerão todos os povos a fartura da terra e ante Ele se prostrarão; reverenciá-lo-ão os que retornam do pó, mas então já será tarde porque suas almas não fará viver. Da descendência dos que O servem, de geração em geração, será relatada a magnificência de Sua glória. Anunciarão às gerações vindouras a bondade de seus feitos.

Salmo 69

Ao mestre do canto, sobre “Shoshanim”, um salmo de David. Salva-me, ó Eterno, pois as águas que me cercam tanto subiram que alcançaram até a minha alma. Fui tragado por um lamaçal profundo onde não consigo alcançar pé; um turbilhão me arrastou para as profundezas. De tanto clamar por socorro, se ressecou minha garganta, se embaçaram meus olhos e se fatigou meu corpo, enquanto aguardo pela ajuda de meu Deus. Mais numerosos que meus cabelos são os que sem motivo me odeiam, e, continuamente, multiplica- se o número dos que me querem destruir; a inimigos caluniadores terei que pagar o que alegam, sem que eu nunca os tivesse roubado. Ó Eterno, bem conheces minhas fraquezas e de Ti não estão ocultas minhas culpas. Entretanto, não permita que eu venha a ser a causa de humilhações para aqueles que têm fé em Ti, ó Eterno, Deus das Legiões. Que não sejam por mim envergonhados os que Te procuram, ó Deus de Israel! Por amor a Ti suportei ultrajes e meu rosto, de vergonha, se toldou. Perante meus irmãos pareci ser um estranho, um estrangeiro entre os filhos de minha mãe. Consumiu-me o fervor que dedico à Tua casa, e sobre mim recaíram os vitupérios dos que Te insultam. Com jejum e lágrimas afligi minha alma, e isto mais os afrontou. Com uma mortalha me cobri e perante eles pareci burlesco. Murmuram contra mim os que se reúnem nas portas da cidade, e tema de zombaria me tornei para as canções dos bêbados. Que seja uma hora favorável aquela em que a Ti dirijo minha prece, ó Eterno. Escuta-me com a imensidão de Tua misericórdia e responde-me segundo a bondade de Tua salvação. Resgata-me do lamaçal para que eu nele não pereça; salva-me de meus detratores e das profundezas das águas. Que eu não seja arrastado por seu turbilhão, nem tragado pelo abismo, e que tampouco se feche sobre mim a boca do poço onde caí. Responde-me, Eterno, pois incomensurável é Tua benevolência; volta-Te para mim com a grandeza de Tua magnanimidade e não ocultes de Teu servo Tua Face; responde-me de pronto, pois estou muito angustiado Faze com que de Ti se aproxime minha alma, redime-a e salva-me de meus inimigos, pois sabes da vergonha e do infortúnio que me fazem passar. Partiu-se meu coração ante tanta humilhação e me sinto gravemente enfermo. Procurei alguém que se compadecesse de mim e me confortasse, mas a ninguém encontrei. Ao contrário, põem veneno em meu alimento e vinagre oferecem para mitigar minha sede. Que, em retribuição, se transforme sua mesa em armadilha, sua paz em emboscada. Que se turve sua vista e que trema sem alívio seu corpo. Derrama sobre eles Tua indignação e que sejam acossados por Tua ira. Que ejam destruídos seus palácios e que fiquem desertas suas tendas. Pois a nação que Tu castigaste, se arrogaram o direito de perseguir e se gabaram como se fossem os autores do sofrimento que provocaste. Agrega iniqüidade à sua iniqüidade e que não mereçam usufruir de Tua justiça. Que tenham seus nomes apagados do Livro da Vida, e jamais sejam inscritos entre os justos. Quanto a mim, estou aflito e dolorido agora, mas Tua salvação há de me elevar acima de qualquer sofrimento. Em cânticos, então, louvarei o Nome do Eterno, e em meus agradecimentos O exaltarei. Serei mais prazeroso para o Eterno que a mais perfeita oferenda de todo o passado. Alegrar-se-ão os humildes e animar-se-ão os corações dos que buscam a Deus, porque perceberão que o Eterno ouve os necessitados e não despreza os alquebrados. Louvá-Lo-ão os céus e a terra, os mares e todos os seus habitantes, porquanto o Eterno redimirá Tsión e reedificará as idades de Judá. Nela habitará seu povo em tranquilidade e segurança, e a seus descendentes a entregarão or herança. Sim! A semente dos servos do Eterno a herdarão e nela habitarão os que amam o Seu santo Nome.

Salmo 150

Louvado seja o Eterno! Vinde louvá-Lo em Seu santuário; louvai-O diante do firmamento, onde se manifesta Seu poder. Louvai-O pela grandeza dos Seus atos, louvai-O como deve ser louvado por Sua extraordinária dimensão. Louvai-O ao som do Shofar; louvai-O com o saltério e a harpa. Louvai-O com melodias e ritmo; louvai-O com a música de órgãos e flautas. Louvai-O com o clangor de címbalos; louvai-O com altissonantes trombetas. Que todos os seres vivos louvem ao Eterno! Louvado seja o Eterno! Haleluiá!