Examine a compaixão na compaixão; a expressão da compaixão e sua intensidade.

A verdadeira compaixão é ilimitada. Ela não é uma extensão de suas necessidades e definida pela sua perspectiva limitada. Compaixão pelo outro conquista-se ao ter uma atitude sem egoísmo, elevando-se acima de si mesmo e colocando-se na situação e na experiência do outro.

Estou preparado e sou capaz de fazê-lo? Se não for, por que? Expresso e torno verdadeiras a compaixão e empatia em meu coração? O que me impede de expressá-la? Estou bloqueado de alguma maneira? Esta compaixão acontece por causa da culpa ao invés de por verdadeira empatia? Como a culpa afeta e distorce minha compaixão? Teste a si mesmo verificando se você expressa compaixão mesmo quando não se sente culpado.

Minha compaixão origina-se num senso de dever ou é frívola? Por outro lado: Minha compaixão está viva; ressoa com vitalidade, ou é expressa apenas por obrigação? Minha compaixão é resultado de ser eu uma criatura de hábitos, que sente-se mal quando o próximo sofre, ou aplico-me verdadeiramente a examinar e aperfeiçoar minha compaixão, observando suas limitações e formas de expressão? Como expresso compaixão?

Minha compaixão é bela? É bem torneada? Minha compaixão contém os outros seis elementos de tiferet, sem os quais minha compaixão total permanece ineficaz?

Exercício do dia:Expresse sua compaixão de maneira nova, que vá além de suas limitações prévias: expresse-a para alguém com quem você foi insensível.