Antes de tornar-se o Rebe do povo judeu, o Rebe Maharash de Lubavitch, filho do Tsêmach Tsêdek, viajou, certa vez ao exterior, e chegou a Belz. Disfarçou-se de negociante, para que não o reconhecessem.

No Shabat, na hora da “terceira refeição”, foi à sinagoga do tsadic Rav Sar Shalom, e ficou num cantinho.

A sinagoga estava superlotada e, quando o tsadic entrava, na época ele era cego, abriam-lhe uma passagem em linha reta, desde a porta até a mesa, para que não precisasse desviar-se para a direita ou para a esquerda.

Daquela vez, quando o tsadic entrou, parou um pouco na entrada e disse que estava sentindo um aroma agradável. Imediatamente voltou-se para o lado onde se encontrava o Rebe Maharash, e foi respirando durante o caminho, até chegar até ele.

Pegou sua mão e disse: “Jovem, de mim ninguém se esconde”, e o levou ao seu lugar.

Quando estava caminhando, alguns chassidim pensaram que o tsadic, por não enxergar bem, enganara-se e lhe disseram: “Rabênu, este judeu é um negociante!”

“É verdade” – respondeu o tsadic – “é realmente um negociante, pois ‘seu negócio é melhor que qualquer mercadoria.’” (Mishlei, 3,14)