Quem foi o fundador da Chassidut? O que havia nele e em seus ensinamentos que atraía – e continua a atrair – tanto os grandes eruditos de Torá quanto as pessoas menos instruídas do nosso povo?
Um dos maiores lideres espirituais da história: O Rabi Yisrael Ben Eliezer

O Nascimento do Chassidismo

A 18 de Elul de 5458 (1698), nasceu o fundador do Chassidismo, Rabi Israel Báal Shem Tov, conhecido como “Besht”, na pequena cidade de Akop nos Cárpatos na Polônia.

Seu nascimento ocorreu exatamente cinqüenta anos após os pogroms Chmielnicki que tinham dizimado as comunidades judaicas na Ucrânia, Podolia, Volhinia e Polônia. Comunidades inteiras foram varridas e os judeus remanescentes mergulharam no desespero. Os efeitos desse grande desastre ainda se faziam sentir quando o Báal Shem Tov nasceu, e uma grande parte de sua vida foi dedicada a aliviar esta sensação de desespero.

Segundo a tradição, a missão principal na qual o Báal Shem Tov e seus companheiros – os tsadikim secretos – se empenhavam era encorajar o povo judeu e fortalecer seus corações. Os anos 5408-09 (1648) assistiram a terríveis decretos contra os judeus. Dezenas de milhares pereceram; seu dinheiro e propriedades se perderam.

Depois destas tragédias, a população judaica começou a se concentrar nas grandes cidades e vilas, pois tinham medo de morar em pequenas aldeias. A maioria destes judeus estava desempregada e sua pobreza era acompanhada por uma profunda depressão do espírito devido a seu amargo exílio.

Os conselhos regionais judaicos despachavam pregadores itinerantes que viajavam de cidade em cidade, de vila em vila, reprimindo os judeus com seu estilo de .pregação. Recitavam palavras de mussar temperadas com parábolas. Em sua maioria, causavam medo aos ouvintes, dizendo que D’us os punia por suas más ações. Suas palavras deprimiam ainda mais o espírito dos judeus.

No entanto, seria errado supor que o Chassidismo foi projetado somente como uma espécie de remédio espiritual, necessário quando alguém está doente, mas sem valor para a pessoa sadia. Um ensinamento importante do Báal Shem Tov foi que o Chassidismo era vital para o bem-estar espiritual de todo judeu.

Isso é importante para a compreensão da vida e ensinamentos do Báal Shem Tov, porque diz-se com freqüência que o Chassidismo a princípio visava a atingir as massas oprimidas e ignorantes. Embora o Besht e seus seguidores empregassem grande parte de sua energia para ajudar os judeus pobres e analfabetos, esta não era a característica principal do Chassidismo, pois o movimento também levou uma nova visão e profundidade ao mundo de Torá e mitsvot praticadas pelos eruditos.

Os ensinamentos nos quais o Chassidismo se baseia eram conhecidos anteriormente por uns poucos e seletos, mas chegara a hora de serem transmitidos aos judeus como um todo. A missão do Báal Shem Tov foi começar esta obra e estabelecer as raízes do Chassidismo, a partir das quais ele cresceria e se desenvolveria para se tornar parte intrínseca da vida judaica.

O Chassidismo não foi concebido como uma simples adição de lixo a esta vida, mas como um apoio necessário sem o qual o caráter essencial e a base da existência judaica não poderiam mais sobreviver.

Aos cinco anos o Báal Shem Tov ficou órfão. Seu pai, um homem piedoso e devoto, deixou-lhe este legado: “Meu filho, não tenha medo de ninguém exceto de D’us. Ame cada judeu com todo seu coração e sua alma.”

O pequeno órfão se tornou o guardião da comunidade e recebeu a educação costumeira dos meninos judeus daquela época. Gostava de passar seu tempo livre nas belas cercanias naturais de sua aldeia, onde sua alma sensível podia apreciar a majestade da Criação.