Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.

Tehillim do Dia - Salmos

Capítulos 18-22

Video & Audio Classes
Mostrar conteúdo em:
Salmo 18
Neste Salmo, David sente a mão de Deus como guia através das provações e triunfos de sua carreira. Esta soma de experiências pessoais qualificou-o para a humanidade, em todos os tempos, adotá-lo como o cantor dos louvores a Deus.
  1. Ao mestre do canto, do servo de Deus, David, que falou ao Eterno as palavras deste cântico, no dia em que o Eterno o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul.
  2. E disse: Eu te amo, ó Eterno, a minha força!
  3. O Eterno é minha rocha e minha fortaleza, meu libertador; Deus é o meu rochedo e Nele me refugio; meu escudo e a força da minha salvação, meu baluarte.
  4. Louvores entoarei ao Eterno e de meus inimigos serei salvo.
  5. Ondas de morte me cercaram e torrentes dehomens malvados me confrontaram.
  6. Cordas do inferno me cingiram, prenderam-me laços de morte.
  7. Em meu infortúnio clamei ao Eterno e o meu Deus invoquei; do Seu Templo Ele atentou a minha voz; a seus ouvidos chegou meu clamor.
  8. E estrondeou e estremeceu a terra, e as bases das montanhas tremeram; elas se abalaram porque Ele se irou.
  9. De Suas narinas subiu uma fumaça e de Sua boca um fogo devorador, carvões por Ele acesos.
  10. Inclinou os céus e desceu; sob Seus pés havia neblina.
  11. Cavalgou um “querubim” e voou , pairando sobre as asas do vento.
  12. Ocultou-Se num véu de escuridão, envolto em Sua tenda, com águas escuras e nuvens espessas.
  13. Pelo resplendor da Sua presença, atravessam Suas nuvens granizo e carvão incandescente.
  14. O Eterno fez trovejar os céus, o Altíssimo fez soar a Sua voz, com granizo e carvão incandescente.
  15. Disparou Suas flechas e os dispersou, e com relâmpagos os abalou.
  16. E apareceu o fundo dos mares e se descobriram os fundamentos do mundo ante Tua repreensão, Eterno, e pelo sopro do vento de Tua cólera.
  17. Do alto, me tomou, salvando-me das muitas águas.
  18. Livrou-me de um inimigo possante e daqueles que me odiavam, porque eram mais fortes do que eu.
  19. Acossaram-me no dia da minha calamidade, porém o Eterno Se fez o meu esteio.
  20. Tirou-me para um amplo lugar, e arrebatou-me dali, porque Se comprazia em mim.
  21. Recompensou-me o Eterno conforme a minha retidão; conforme a pureza das minhas mãos me retribuiu.
  22. Porque guardei os caminhos do Eterno e não me apartei impiamente do meu Deus.
  23. Porque todos os Seus mandamentos estavam diante de mim e de Seus estatutos não me desviei.
  24. Perante Ele fui íntegro, e guardei-me da iniqüidade.
  25. E o Eterno me retribuiu segundo a minha justiça, conforme a pureza das minhas mãos diante dos Seus olhos.
  26. Com o caridoso Te mostras benigno, com o íntegro Te mostras justo.
  27. Com o puro Te mostras reto, com o perverso Te mostras sutil.
  28. Pois o povo aflito Tu livras, e os olhos altaneiros abates.
  29. Tu iluminas minha lâmpada, ó Eterno, meu Deus; afastas de mim as trevas.
  30. Porque Contigo enfrento exércitos, com meu Deus atravesso muralhas.
  31. O caminho de Deus é perfeito, a palavra do Eterno pura, Ele é o escudo de todos os que Nele confiam.
  32. Pois quem é Deus senão o Eterno? E quem é rochedo senão nosso Deus?
  33. Cinge-me com força, ó Eterno, e guarda o meu caminho.
  34. A meus pés deu agilidade como dos cervos, e sobre as alturas me eleva.
  35. Instrui minhas mãos para a guerra, para que meus braços distendam um arco de cobre.
  36. O escudo da Tua salvação me concedeste, Tua Destra me tem sustentado e por Tua condescendência me engrandeceste.
  37. Alargaste o caminho para meus passos e não deixaste vacilar meus pés.
  38. Persegui os meus inimigos e os alcancei, e nunca voltei até os consumir.
  39. Esmaguei-os e não mais se puderam levantar, caíram todos sob meus pés.
  40. Cingiste-me de força para a guerra, e abateste os que contra mim se levantaram.
  41. Curvaste a nuca dos meus inimigos, daqueles que me odiavam, e os destruí.
  42. Clamaram ao Eterno, porém não houve quem os socorresse.
  43. Eu os triturei como o pó que o vento carrega; como a lama das ruas os tratei.
  44. Das contendas do povo me livraste, como cabeça das nações me puseste; mesmo um povo que não me conhecia me servirá.
  45. Ao me ouvirem, obedecer-me-ão os filhos de estranhos, e se sujeitarão a mim.
  46. Os filhos de estranhos enfraquecerão e temerão mesmo em seus fortes.
  47. Viva o Eterno! Bendito seja meu Rochedo, e exaltado seja o Deus da minha salvação.
  48. O Deus que me proporciona vingança e a mim sujeita os povos;
  49. que me resgata dos meus inimigos, me exalta sobre os que contra mim se levantaram, e do homem violento me livra.
  50. Por isso Te louvarei entre as nações, ó Eterno, e entoarei louvores ao Teu Nome.
  51. Ele engrandece as vitórias do Seu rei e faz benevolência com o Seu ungido, com David e com a sua semente, para sempre.



Salmo 19
Deus revelou-Se à humanidade tanto na natureza quanto no monte Sinai. Mas, embora uma contemplação científica e refletida da natureza leve o ser humano a reconhecer o Criador, somente a revelação da Torá pode ensinar ao homem a se relacionar com o Criador, e atingir a perfeita e completa realização na vida.
  1. Ao mestre do canto, um salmo de David.
  2. Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento atesta a obra de Suas mãos.
  3. Um dia ao seguinte transmite esta mensagem; uma noite à outra a comunica.
  4. Não é linguagem humana, não há palavras e som algum é percebido,
  5. mas por toda a terra ressoa o que dizem, e a todos os confins chega Sua mensagem; para o sol assentou Deus nos céus uma tenda;
  6. ele é como o noivo que sai da câmara nupcial, e como um herói ansioso para percorrer seu trajeto.
  7. Parte de um extremo dos céus e atinge o outro, e nada escapa de seu calor.
  8. A lei do Eterno é perfeita e reconforta a alma; verdadeiro é o testemunho do Eterno, que torna sábio o mais simples.
  9. De absoluta retidão são os preceitos do Eterno e trazem alegria ao coração; límpido é o mandamento do Eterno, que ilumina os olhos.
  10. Puro é o temor do Eterno e perdura para sempre; verdadeiros são os julgamentos do Eterno, todos igualmente justos.
  11. São mais desejáveis que o ouro, que o ouro mais refinado; mais doces que o mel que se forma nos favos.
  12. Teu servo se esmera em cumpri-los e sei que grande é a recompensa por sua observação.
  13. Mas quem consegue discernir seus próprios erros? Purifica-me das faltas involuntárias que não percebo.
  14. Preserva-me também dos pecados conscientes, para que não me dominem; serei então plenamente íntegro e estarei inocente de grandes transgressões.
  15. Possam as palavras de minha boca e a prece de meu coração serem aceitas por Ti, ó Eterno, minha Rocha e meu Redentor.



Salmo 20
É apropriado recitar este Salmo diante do perigo, seja pessoal, de um parente ou da nação. É a base da afirmação talmúdica de que deve-se rezar pela redenção ou por ajuda, após afirmar: Deus é o Redentor.
  1. Ao mestre do canto, um salmo de David.
  2. Que o Eterno te responda no dia da tua atribulação e te traga a um refúgio seguro o Nome do Deus de Jacob.
  3. Que de Seu Santuário te envie auxílio, e que de Tsión te traga amparo.
  4. Que com prazer aceite todas as tuas oferendas.
  5. Conceda o desejo de teu coração e realize teus desígnios.
  6. Que nos rejubilemos com Tua vitória e ergamos estandartes em Nome do nosso Deus. Atenda o Eterno a todos os teus anseios.
  7. Agora sei que o Eterno trará vitória a Seu ungido; Ele lhe responderá de Seu Santuário Celeste com a força salvadora da Sua destra.
  8. Alguns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós, somente no Nome do Eterno, nosso Deus.
  9. Aqueles caem e sucumbem, mas nós nos erguemos e nos revigoramos.
  10. Salva-nos, ó Eterno! Responde-nos, ó nosso Rei, no dia em que Te invocarmos!



Salmo 21
Este Salmo trata do júbilo dos reis David e Messias. Este é um dever do rei, que precisa dar o exemplo, reconhecendo de que o bom provém da bondade Divina.
  1. Ao mestre do canto, um salmo de David.
  2. Ó Eterno, alegra-se o rei por Tua força, e regozijo imenso lhe traz Tua salvação.
  3. Os anseios de seu coração atendeste e jamais ignoraste as súplicas de seus lábios.
  4. Com bondade o cobriste de bênção, e com uma coroa de ouro puro lhe cingiste a cabeça .
  5. Ele apenas Te pediu vida, e longevidade na extensão do tempo lhe concedeste.
  6. Grande é sua honra, por ter sido salvo por Ti; glória e majestade lhe concedeste.
  7. Tu o abençoaste eternamente e por Tua presença tornaste imenso seu júbilo.
  8. No Eterno deposita o rei sua confiança e, por isto, do abrigo do Altíssimo não cairá.
  9. Tua mão descerá sobre todos os teus adversários sim, Tua Destra todos eles alcançará.
  10. Tu os tornas brasas de uma fornalha incandescente com Tua ira; Tu os destróis, consumidos pelas chamas.
  11. Apagas seus descendentes de sobre a terra, sua memória do convívio dos homens.
  12. Porque tramaram contra Ti, conspiraram com maldade mas fracassaram.
  13. Tu os dispersarás com Teu arco, apontado contra seus rostos.
  14. Exaltado sejas por Tua força; louvores a Teus feitos prodigiosos entoaremos com canções.



Salmo 22
Embora se aplique aos acontecimentos de sua própria vida, David compôs este Salmo como uma profecia para poupar Israel de futuros exílios. Neste Salmo, o povo judeu aparece coletivamente mas sempre no singular. Ao recitá-lo, o indivíduo deve sentir a angústia do distanciamento de Israel de sua glória anterior, e orar a Deus pelo fim deste exílio tão dolorosamente longo.
  1. Ao mestre do canto, acompanhado por “Aiélet Hashachar”, um salmo de David.
  2. Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Por que deixaste tão distante minha salvação e ignoraste meu gemido angustiado?
  3. De dia clamo e à noite não silencio, e Tu não me escutas.
  4. Mas Tu és o Santo, e a Ti se dirigem os louvores de Israel!
  5. Em Ti confiaram nossos patriarcas, confiaram plenamente e Tu os resgataste.
  6. Clamaram a Ti e foram salvos; em Ti acreditaram e não foram desiludidos.
  7. Quanto a mim, sou como um verme e não homem, opróbrio da plebe, vergonha do povo.
  8. Zombam de mim os que me fitam, riem e meneiam ironicamente suas cabeças.
  9. Dizem-me, porém, confia no Eterno! Ele o redimirá, Ele lhe trará salvação, porque nele se compraz.
  10. Tu me tiraste do ventre materno e me fizeste sentir seguro, contra seu peito.
  11. Desde meu nascimento, em Teus braços fui entregue; mesmo antes de nascer, já eras meu Deus.
  12. Não Te afastes de mim, porque muito próxima está a aflição e não há quem me proteja, senão Tu.
  13. Touros furiosos me cercaram, touros do Bashan me rodearam.
  14. Abriram contra mim suas bocas como um leão que estraçalha e ruge.
  15. Sinto-me como água derramada que não pode voltar a seu recipiente, meus ossos fraquejam; meu coração parece ser de cera, de tal forma se derrete dentro de mim.
  16. Minha força secou como a argila, minha língua está colada ao paladar e me deitaste no pó da morte.
  17. Cães me cercam, uma turba de perversos me rodeia, atacam meus pés e minhas mãos como se fora um leão.
  18. Verifico como estão meus ossos enquanto eles me observam e tripudiam.
  19. Minhas roupas, entre si repartem, minhas vestimentas sorteiam.
  20. Mas Tu, ó Eterno, eu te peço, não Te afastes de mim; ó minha Força, apressa-Te e vem em meu auxílio!
  21. Salva minha alma da espada, minha vida das presas dos sabujos.
  22. Livra-me da boca do leão, resgata-me dos chifres dos touros selvagens.
  23. Então, a salvo, proclamarei Teu Nome a meus irmãos e louvarte-te-ei do seio da multidão!
  24. Vós que sois a semente de Jacob, honrai-O! Reverenciai-O todos vós, descendentes de Israel.
  25. Porquanto não desprezou nem ignorou a angústia do aflito e dele não escondeu Sua face e atendeu a sua prece.
  26. Graças a Ti poderei proclamar meu louvor às multidões; cumprirei minhas promessas na presença daqueles que O temem.
  27. Os humildes hão de comer e se fartar; os que buscam o Eterno hão de louvá-lo e vida perene terão seus corações.
  28. Dos confins da terra, todos a Ti se voltarão com compreensão e ante Ti se curvarão todas as famílias das nações.
  29. Pois só do Eterno é a realeza e Seu é o domínio sobre todos os povos.
  30. Comerão todos os povos a fartura da terra e ante Ele se prostrarão; reverenciá-lo-ão os que retornam do pó, mas então já será tarde porque suas almas não fará viver.
  31. Da descendência dos que O servem, de geração em geração, será relatada a magnificência de Sua glória.
  32. Anunciarão às gerações vindouras a bondade de seus feitos.



Salmo 22
Embora se aplique aos acontecimentos de sua própria vida, David compôs este Salmo como uma profecia para poupar Israel de futuros exílios. Neste Salmo, o povo judeu aparece coletivamente mas sempre no singular. Ao recitá-lo, o indivíduo deve sentir a angústia do distanciamento de Israel de sua glória anterior, e orar a Deus pelo fim deste exílio tão dolorosamente longo.
  1. Lamenatsêach al aiélet hasháchar mizmor ledavid.
  2. Eli Eli lama azavtani, rachoc mishuati divrê shaagati.
  3. Elohai ecra iomam velo taane, velaila velo dumiia li.
  4. Veata cadosh, ioshev tehilot Yisrael.
  5. Bechá batechu avotênu, batechu vatefaletêmo.
  6. Elêcha zaacu venimlátu, bechá vatechu velo vôshu.
  7. Veanochi toláat velo ish, cherpat adam uvzui am.
  8. Col roai ial’igu li, iaftíru vessafa ianíu rosh.
  9. Gol el Adonai iefaletêhu, iatsilêhu ki cháfets bo.
  10. Ki ata gochi mibáten, mavtichi al shedê imi.
  11. Alêcha hosh’lachti meráchem, mibéten imi Eli ata.
  12. Al tirchac mimêni ki tsará kerova, ki en ozer.
  13. Sevavuni parim rabim, abirê vashan kiterúni.
  14. Patsu alai pihem, ariê toref veshoeg.
  15. Camáyim nishpachti vehitparedu col atsmotai, haia libi cadonag names betoch meai.
  16. Iavesh cachéres cochi uleshoni mudbac malcochai, velaafar mávet tishpetêni.
  17. Ki sevavuni kelavim, adat mereim hikifúni, caari iadai veraglai.
  18. Assaper col atsmotai, hema iabitu yir’u vi.
  19. Iechalecú vegadai lahem, veal levushi iapílu goral.
  20. Veata Adonai al tirchac, eialuti leezrati chusha.
  21. Hatsíla mechérev nafshi, miiad kélev iechidati.
  22. Hoshiêni mipi ariê, umicarnê remim anitáni.
  23. Assaperá shimchá leechai, betoch cahal ahalelêca.
  24. Yir’ê Adonai halelúhu, col zéra Iaacov cabedúhu, vegúru mimênu col zéra Yisrael.
  25. Ki lo vaza velo shicats enut ani, velo histir panav mimênu, uveshaveô elav shamêa.
  26. Meitechá tehilati becahal rav, nedarai ashalem négued iereav.
  27. Iochelú anavim veyisbáu, iehalelu Adonai doreshav, iechi levavchém laad.
  28. Yiskerú veiashúvu el Adonai col afsê árets, veyishtachavu lefanêcha col mishpechót goyim.
  29. Ki ladonai hamelucha, umoshel bagoyim.
  30. Achelu vayishtachavu col dishnê érets, lefanav yich’reú col ioredê afar, venafsho lo chiiá.
  31. Zéra iaavdênu, iessupar ladonai lador.
  32. Iavôu veiaguídu tsidcato, leam nolad ki assa.


© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.

A Parashá
ParasháAcharê - Kedoshim
Esta página em outros idiomas