Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.
Para visualizar horários do Shabat clique aqui para selecionar sua localização

Shabat, 29 Setembro, 2018

Horas haláchicas (Zemanim)
Para visualizar horários haláchicos Clique aqui para configurar a sua localização
2º dia de Chol Hamoed
Leis e Costumes

A Festa de Sucot, comemorando a proteção envolvente de D’us aos Filhos de Israel durante sua jornada de 40 anos pelo deserto (1313-1273 AEC), é celebrada durante sete dias, começando na véspera de 15 de Tishrei. Durante estes dias, somos ordenados a “habitar” na sucá – uma cabana de construção temporária, com o teto coberto por vegetação, sem acabamento (galhos, ramos, bambu, etc.) – significando a fragilidade e a vida temporária da habitação humana e do abrigo feito pelo homem, e nossa total dependência da proteção e providência Divina.

Pelo menos um k’zayit (cerca de 28 gramas de pão) deve ser comido na sucá no primeiro dia da Festa, entre o anoitecer e a meia-noite. Uma bênção especial, Leishêv BaSucá, é recitada. Para o restante da Festa, todas as refeições devem ser feitas na sucá (veja o código da Lei Judaica, ou consulte uma autoridade haláchica para saber de que consiste uma “refeição”). O costume Chabad é se abster de comer ou beber qualquer coisa fora da sucá, até mesmo um copo de água.

Quando havia o Templo Sagrado em Jerusalém, uma das observâncias especiais de Sucot era derramar água sobre o Altar. A retirada de água para esta finalidade era precedida por celebrações que duravam a noite toda no pátio do Templo; sobre os 15 degraus que levavam ao azará (pátio interno) ficavam levitas que tocavam uma variedade de instrumentos musicais, os sábios dançavam fazendo malabarismo com tochas flamejantes e enormes lamparinas que iluminavam a cidade inteira. O canto e a dança iam até o romper do dia, quando todos se encaminhavam à Fonte Shiloach que fluía num vale abaixo do Templo para "retirar água com júbilo". "Quem não assistiu ao júbilo das celebrações da retirada da água" – declaravam os sábios do Talmud – "não viu alegria em sua vida."