Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.
Para visualizar horários do Shabat clique aqui para selecionar sua localização

Quarta-feira, 18 Setembro, 2019

Horas haláchicas (Zemanim)
Para visualizar horários haláchicos Clique aqui para configurar a sua localização
Chai Elul
História Judaica

18 de Elul é o yahrtzeit de Rabi Yehudah Loewe, o “Maharal de Praga” (1525-1609), famoso erudito de Torá, filósofo, cabalista e líder judaico. Conhecido popularmente por ter criado um “golem” (homem de argila) para proteger a comunidade judaica de Praga das freqüentes ameaças de libelos de sangue.

Data de nascimento do Báal Shem Tov (1698-1760), fundador do Movimento Chassídico.

Após muitos anos como membro da sociedade de “tsadikim ocultos”, vivendo sob o disfarce de um oleiro ignorante, Rabi Israel Báal Shem Tov foi instruído por seus mestres a revelar-se e começar a disseminar publicamente seus ensinamentos. Isso ocorreu em seu 36º aniversário, 18 de Elul de 5494 (1734).

Rabi Shneur Zalman de Liadi (1745-1812), fundador do ramo Chabad do Chassidismo, nasceu a 18 de Elul de 5505 – o 47º aniversário de seu “avô espiritual”, Rabi Israel Báal Shem Tov (Rabi Shneur Zalman foi discípulo do discípulo e sucessor do Báal Shem Tov, Rabi DovBer de Mezeritch).

Leis e Costumes

"Chai Elul" , 18 de Elul, é celebrado pela comunidade chassídica como aniversário dos "dois grandes luminares" – Rabi Israel Báal Shem Tov, fundador do chassidismo, e Rabi Shneur Zalman de Liadi, fundador de Chabad. Os chassidim desejam-se "Gut Yom Tov!" e promovem farbrenguens.

Elul, o último mês do ano judaico, é devotado ao exame de consciência e introspecção. Uma tradição chassídica afirma que os últimos doze dias do ano – 18 a 29 de Elul – são especificamente devotados aos doze meses do ano que se encerra; em cada um desses doze dias, deve-se revisar as ações e realizações do mês correspondente.

Elul é tradicionalmente uma época de introspecção e inventário – um tempo para rever as próprias ações e o progresso espiritual no ano que passou, e de preparar-se para os “Dias de Reverência” de Rosh Hashaná e Yom Kipur.

Sendo o mês do Perdão e da Misericórdia Divina, este é um tempo oportuno para teshuvá (retornar a D’us), prece e caridade na busca pelo auto-refinamento e para se aproximar mais de D’us. O mestre chassídico Rabi Shneur Zalman de Liadi compara Elul a um tempo em que “o rei está no campo” e, em contraste com o tempo em que ele está no palácio real, “todos que assim quiserem podem conhecê-lo, e ele recebe a todos com um semblante amigável e mostra a todos uma face sorridente.”

Os costumes específicos de Elul incluem o toque diário do shofar (chifre de carneiro) como um chamado ao arrependimento. O Báal Shem Tov instituiu o costume de recitar três capítulos adicionais de Tehilim a cada dia, de 1º de Elul até Yom Kipur (em Yom Kipur os restantes 36 capítulos são recitados, completando assim o livro inteiro de Tehilim).