Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.
Para visualizar horários do Shabat clique aqui para selecionar sua localização

Sexta-feira, 29 Maio, 2020

Horas haláchicas (Zemanim)
Para visualizar horários haláchicos Clique aqui para configurar a sua localização
1º dia de Shavuot
História Judaica

A 6 de Sivan do ano 2448 da Criação (1313 AEC), sete semanas após o Êxodo, D’us revelou-Se no Monte Sinai. Todo o povo de Israel (600.000 homens e suas famílias), bem como as almas de todas as futuras gerações de judeus, ouviram D’us declarar os primeiros dois dos Dez Mandamentos, e testemunharam a comunicação dos outros oito, de D’us para Moshê. Depois da revelação, Moshê subiu à montanha por 40 dias, para receber o restante da Torá de D’us. No Sinai, D’us rescindiu o “decreto” e “dividiu” (gezeirá) o que estava valendo desde o segundo dia da Criação, separando o espiritual e o físico em dois mundos herméticos; a partir daí, “os reinos superiores poderiam descer até os reinos inferiores, e o inferior poderia subir até o mais elevado.” Assim, nasceu a “mitsvá” – um ato físico que, pelo fato de ter sido ordenado por D’us, traz a Divindade até o mundo

David, descendente de Yehuda, filho de Yaacov e de Ruth, uma moabita convertida ao Judaísmo, foi ungido Rei de Israel por Shemuel em 878 AEC; todos os futuros reis legítimos de Israel eram descendentes de David, como será Mashiach, que “restaurará o reino de David à sua antiga glória”.

David lutou por muitos anos, derrotando os inimigos de Israel e assegurando a expansão de suas fronteiras; ele conquistou Jerusalém, adquiriu o Monte do Templo de seu proprietário Iebusita, e preparou o alicerce para o Templo Sagrado (que foi construído por seu filho, o Rei Shelomô). David atuou como líder do Sanhedrin e foi a mais destacada autoridade de Torá em sua geração; é também o “doce cantor de Israel”, que compôs o Livro dos Salmos (Tehilim). O Rei David faleceu a 6 de Sivan de 837 AEC, aos 70 anos.

Durante a Primeira Cruzada, os judeus de Colônia, Alemanha, preferiram ser mortos a se converter ao Cristianismo. Isso ocorreu, durante as primeiras cruzadas, onde muitos judeus tiveram a opção de serem mortos ou batizados, A maioria daqueles que se converteram continuou a praticar o Judaísmo em segredo e, um ano depois, recebeu permissão de Henrique IV a retornar abertamente ao Judaísmo.

Em 1734, Rabi Israel Báal Shem Tov (Besht) – 1698-1760), que até aquela época tinha vivido como um tsadic oculto, começou a disseminar publicamente seus ensinamentos. Embora nada tenha acrescentado de “novo” ao Judaísmo, ele re-enfatizou verdades e doutrinas que tinham sido enterradas sob as provações do exílio: o imenso amor que D’us tem por todo judeu, o significado cósmico de toda mitsvá que uma pessoa cumpre, o significado Divino que existe em cada folha de grama, em todo acontecimento, e em cada pensamento no universo. Ele falou às massas oprimidas e aos eruditos afastados, dando significado à sua existência, e assim alegria, e também vida. Muitos discípulos foram até ele para embeber a “alma interior” de Torá, e o novo movimento passou a ser conhecido como Chassidismo. Rabi Israel faleceu a 6 de Sivan de 1760, e foi sucedido (um ano depois) pelo seu discípulo, Rabi DovBer de Mezeritch.

Leis e Costumes

O Talmud relata que quando D’us veio para dar a Torá ao Povo de Israel bem cedo na manhã de 6 de Sivan, Ele os encontrou dormindo (os mestres chassídicos explicam que esta foi uma tentativa de conectá-los ao seu subconsciente, ao seu “eu” transcendente em preparação para o recebimento da sabedoria Divina). Para retificar este lapso, passamos toda a noite de Shavuot (i.e., terça-feira à noite) estudando Torá. O tradicional programa de estudos Ticun Leil Shavuot (Retificação para a Noite de Shavuot) inclui os versículos de abertura e os versículos finais de cada livro da Torá Escrita (Tanach), todo o Livro de Ruth (veja abaixo) as seções de abertura e de encerramento de cada tratado do Talmud, uma lista das 613 mitsvot, e leituras selecionadas do Zôhar e outras obras cabalistas.

O Lubavitcher Rebe insistia que todas as crianças – incluindo bebês – deveriam ser levadas à sinagoga no primeiro dia de Shavuot para ouvirem a leitura dos Dez Mandamentos numa encenação da Outorga da Torá no Sinai. Nossos Sábios relatam que quando D’us veio para dar a Torá ao povo de Israel, Ele pediu uma garantia de que eles não a esqueceriam. “O céu e a terra serão nossos fiadores” – disseram os judeus, mas D’us respondeu que “eles não durarão para sempre”. Então o povo disse: “Nossos pais serão nossos fiadores”, mas D’us disse que “eles estão ocupados”. Foi somente quando prometemos que “nossos filhos serão a garantia”, que D’us concordou. “Estes são excelentes fiadores.”

É costume em muitas comunidades ler o Livro de Ruth, que relata a história de Ruth, uma princesa moabita que se converteu ao Judaísmo.

É costume comer alimentos à base de leite em Shavuot. As receitas tradicionais de Shavuot incluem cheesecake e blintzes.

Visite nosso site de Shavuot