Enter your email address to get our weekly email with fresh, exciting and thoughtful content that will enrich your inbox and your life.
Para visualizar os horários de Shabat clique aqui para configurar a sua localização

Quarta-feira, 24 Abril, 2019

Horas haláchicas (Zemanim)
Para visualizar horários haláchicos Clique aqui para configurar a sua localização
Pêssach (Chol Hamoed)
Ômer: 4º dia - Netzach sheb'Chessed
Hoje Conte 5
História Judaica

Nesta data em 1796, a comunidade judaica de Fossano, Itália, foi salva de uma turba assassina por uma bomba francesa que foi lançada bem na hora de afugentar seus atacantes. Este dia foi instituído como o "Purim de Fossano" em comemoração à milagrosa salvação.

Rabino Menachem Zemba nasceu num subúrbio de Varsóvia, Polônia, em 1883. Seguidor da dinastia chassídica Guerrer, foi um grande gênio e erudito de Torá. Entrou para o rabinato de Varsóvia em 1935, e foi reconhecido como uma figura de liderança rabínica na Europa Oriental antes da guerra.

Rabino Zemba foi uma força moral no Gueto de Varsóvia, sempre lutando para infundir otimismo e esperança na comunidade. Arranjou locais clandestinos em porões e abrigos contra bombas, onde meninas e meninos podiam estudar Torá. Embora tivesse oportunidade de escapar do gueto, recusou-se a fazê-lo, insistindo que sua presença era necessária aos judeus do gueto. Rabi Zemba apoiou fortemente o Levante do Gueto de Varsóvia, doando fundos pessoais para munição e dando sua sincera bênção ao esforço (veja História Judaica para 27 de Nissan). Cinco dias após o início da luta, no Shabat 19 de Nissan, a casa na qual Rabino Zemba se escondia foi incendiada pela SS. Quando tentava escapar, Rabino Zemba foi morto a tiros pelos nazistas. Que D'us vingue o seu sangue.

O rabino foi sepultado no Gueto, e em 1958 seu corpo foi levado a Israel onde foi enterrado em Jerusalém em meio a um grande cortejo funerário.

Rabi Zemba foi um escritor prolífico. Infelizmente, a maior parte dos seus manuscritos foi queimada no Gueto de Varsóvia. As poucas obras escritas antes da guerra ainda são estudadas por eruditos de Torá no mundo inteiro.

Leis e Costumes

Dos oito dias de Pêssach, os dois primeiros e os dois últimos são chamados “yom tov” (dias festivos). Os quatro dias intermediários são chamados chol hamoed – “dias de semana festivos”, ou “dias intermediários”. (Em Israel, onde Pêssach é observado por sete dias, o primeiro e o último são yom tov, e os cinco dias intermediários são chol hamoed.). Os dias de yom tov são dias de repouso, nos quais todo tipo de trabalho criativo é proibido, como no Shabat, com exceção de alguns tipos de trabalho associados à preparação de alimentos (ex., cozinhar e “carregar”). Em chol hamoed a proibição de trabalho é menos estrita – o trabalho cuja falta resultaria em “perda significativa” é permitido (exceto quando Chol Hamoed também é Shabat, quando todo o trabalho é proibido). A prece “Yaale V’yavo” é incluída em todas as preces e nas Graças Após as refeições. Halel (parcial) e Mussaf são recitadas depois das preces de Shacharit (Matinais). É costume Chabad não colocar tefilin durante os “dias intermediários”.

Amanhã é o 5º dia da Contagem do Ômer. Como no calendário judaico o dia começa ao anoitecer do dia anterior, contamos o Ômer para amanhã hoje à noite, após o anoitecer. "Hoje são 5 dias da contagem do Ômer." (Se você perder a contagem esta noite, pode contar o Ômer durante todo o dia de amanhã, mas sem a bênção precedente).

A Contagem de 49 dias do Ômer refaz a jornada espiritual de sete semanas dos nossos antepassados, do Êxodo ao Sinai. A cada noite recitamos uma bênção especial e contamos os dias e semanas que passaram desde o Ômer; o 50º dia é Shavuot, a festa que celebra a Outorga da Torá no Sinai.

Sefirá desta noite: Hod sheb'Chessed – "Humildade na Bondade"

Os ensinamentos da Cabalá explicam que há sete "Atributos Divinos" – Sefirot – que D'us assume para Se relacionar com nossa existência: Chessed, Guevurá, Tiferet, Netzach, Hod, Yesod e Malchut (Amor, Força, Beleza, Vitória, Esplendor, Fundação e Soberania). No ser humano, criado à imagem de D'us, as sete sefirot estão espelhadas nos sete "atributos emocionais" da alma humana: Bondade, Restrição, Harmonia, Ambição, Humildade, Conexão e Receptividade. Cada um dos sete atributos contém elementos de todos os sete – i.e., "Bondade na Bondade", "Restrição na Bondade", "Harmonia na Bondade", etc. – perfazendo um total de quarenta e nove traços. A Contagem de 49 Dias do Ômer é, portanto, um processo de 49 etapas de auto-refinamento, com cada dia devotado à "retificação" e aperfeiçoamento de uma das 49 sefirot.