Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato
Em Yom Kipur Moshê desceu do Monte Sinai e entregou as segundas tábuas (luchot) a Benê Yisrael. Um dia depois, Moshê reuniu o povo – homens, mulheres e crianças – para dizer-lhes que Hashem lhes havia ordenado construir um Mishcan.

Seleções do Midrash

Seleções do Midrash

Midrashim Sobre a Parashat Vayak'hel

 E-mail
Em Yom Kipur Moshê desceu do Monte Sinai e entregou as segundas tábuas (luchot) a Benê Yisrael. Um dia depois, Moshê reuniu o povo – homens, mulheres e crianças – para dizer-lhes que Hashem lhes havia ordenado construir um Mishcan.
Moshê ensinou a Benê Yisrael as detalhadas leis dos Trinta e Nove Trabalhos Matrizes (melachot), cuja realização é proibida no Shabat. Estes 39 tipos se realizavam quando Benê Yisrael construíram o Mishcan.
Naturalmente, há muito mais de trinta e nove tipos de trabalho que são proibidos no Shabat; há centenas. Estes trinta e nove tipos são apenas categorias, cada uma das quais inclui muitas outras atividades.
Similarmente, o Shabat queixou-se a Hashem: “Tu me santificaste durante os Seis Dias da Criação. Agora os judeus estão propensos a me profanar por causa do grande amor pelo Mishcan que estão erguendo a Ti!”
Nosso mestre, Moshê, advertiu-nos há dois mil anos: ‘Não acendam fogo em Shabat!’ Até hoje, não se acende fogo algum em nenhuma casa judaica em Shabat!
Por que Hashem dedicou tantas Parshiyot da Torá ao assunto do Mishcan? A resposta é que essas repetições têm por objetivo despertar dentro de nós a percepção da importância do Mishcan e de sua grandeza aos olhos de Hashem.
Mas Hashem respondeu a Yechezkel: “Não, não quero que aguardes. Se Benê Yisrael estudar agora os planos para a reconstrução do Bet Hamicdash, vou recompensá-los como se realmente o tivessem construído!”
Moshê foi encarregado de receber as doações. Nomeou alguns homens para que pesassem e medissem os materiais que lhe entregavam. Logo, Moshê estava rodeado por todos os lados de homens, mulheres e até crianças. Doaram não apenas ouro e prata, mas também suas joias de uso pessoal. Desta forma, retificaram a falha de terem contribuído com ornamentos para fazer o bezerro de ouro.
Eles subestimaram, porém, a generosidade de Benê Yisrael, que deram ávida e amorosamente. Os judeus compareceram às multidões, tanto homens quanto mulheres, empurrando-se, em sua ansiedade por cumprir a mitsvá.
Enquanto se construía o Mishcan, Moshê se mantinha extremamente ocupado. Passava todos os dias pelos lugares onde trabalhavam as pessoas que se ocupavam de alguma parte do Mishcan. Somente Moshê havia recebido de Hashem o projeto e o desenho de cada objeto, de modo que era sua responsabilidade assegurar-se de que ninguém cometesse erros.
O mais sagrado de todos os objetos era a Arca. Betsal’el era o principal trabalhador na construção da Arca, e realizou essa tarefa com o maior cuidado e atenção. (Segundo outra opinião, Betsal’el não permitiu que ninguém o ajudasse na construção da Arca e a fez totalmente sozinho.)
Hashem ordenou a Moshê: “Aceite esses espelhos para a confecção do Kiyor, porque eles são mais queridos para Mim do que as outras doações. As mulheres judias utilizaram esses espelhos apenas para propósitos sagrados.”