Entre em contato

Convergência

Convergência

 E-mail

Os últimos cem anos, especialmente os últimos cinqüenta, e a maioria dos últimos dez, criaram uma forte necessidade de pessoas que possam proporcionar pontos de convergência.
Vivemos em areias movediças, onde todos os marcos apontam para direções desencontradas. Estamos cercados por tantas coisas – idéias, tendências, invenções, informação auto-proliferante. Precisamos de pessoas que consigam fazer sentido de tudo isso, descobrindo uma integridade comum sobre estas coisas todas, encontrando o ponto onde elas convergem.

O Rebe é o mais impressionante ponto de convergência que o século vinte produziu. Uma pessoa na qual o passado, o presente e o futuro, todos colidem com elegância.

Um exemplo rápido e claro: Em 1972, membros da Associação de Cientistas Judeus ainda estavam tateando por justificativas que pudessem resolver seu flagrante conflito entre ciência e Torá. O Rebe escreveu a eles: Que necessidade há de justificativas quando o Princípio de Incerteza de Werner Heisenberg foi aceito universalmente?!

Onde outros vêem conflito, o Rebe enxergava harmonia. A Ciência e a Teologia não estão mais lutando entre si, estão convergindo. Como o Rebe explanou nesta e em tantas outras cartas, a Celeste Mechanica está obsoleta. O mundo não é mais uma máquina autônoma, mas uma idéia que deixa espaço para milagres, para mistério, para uma Mente Divina que está concebendo esta idéia.

Assim como o mundo foi purificado e renovado por um grande dilúvio nos tempos de Nôach, disse o Rebe, assim também nosso mundo está agora se preparando para uma nova era. Há um fluxo de sabedoria vinda do Alto e um dilúvio vindo de baixo. Em um nível mais prático: outros viram a sociedade atual em conflito com o passado. O velho mundo se fora, o Judaísmo, e especialmente o Chassidismo, simplesmente não fazia sentido no contexto de um novo mundo. O Rebe contemplou a geração de não-conformistas que brotara duas décadas depois da Guerra e disse: O presente está buscando seu passado. Estas são as almas de Israel, procurando a espiritualidade que seus avós abandonaram.

O mesmo ocorreu com a explosão da tecnologia. Para muitas pessoas, novos equipamentos e descobertas significam que velhas idéias estão obsoletas. O Rebe viu a nova tecnologia como uma limusine de antigas sabedorias que finalmente tinha chegado. Por fim, temos analogias adequadas do mundo tangível para idéias profundas. Finalmente temos tecnologia de comunicações que podem ser o veículo para as palavras do profeta, de que a terra estará repleta de sabedoria como as águas cobrem o leito do oceano.

O Rebe viu que a humanidade não está sendo levada a fazer estas conquistas somente por iniciativa nossa, mas por um destino mais elevado. Assim como o mundo foi purificado e renovado por um grande dilúvio nos tempos de Nôach, disse o Rebe, assim também nosso mundo está agora se preparando para uma nova era. Há um fluxo de sabedoria vinda do Alto e um dilúvio vindo de baixo. Tudo com propósito, tudo parte de um Grande Plano.

Quando o mundo foi feito, dizem os sábios, o Mashiach foi o vento pairando sobre tudo que viria a existir.

Desde então, o Mashiach habita dentro de cada coisa que contemplamos, como o embrião esperando para romper seu ovo. No ritmo de uma margarida estremecendo com a brisa, nos olhos dos filhos que criamos, nas metas que atingimos na vida, nas máquinas que usamos e na arte que criamos, no ar que respiramos e no sangue que corre por nossas veias.

Hoje, aqueles que sabem escutar podem ouvir sua voz chamando: Não me abandone após todas estas eras! Pois o fruto de seu trabalho e o trabalho de suas sagradas Matriarcas e Patriarcas está a ponto de amadurecer.

Somente o ato de escutar, disse-nos o Rebe, é suficiente para romper a casca do ovo.

Por Tzvi Freeman
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Inicie um Debate
1000 Caracteres restantes