Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Qual é a Finalidade da Vida?

Qual é a Finalidade da Vida?

 E-mail

Pelo Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, em resposta a uma carta.
Bênçãos e saudações:

…O senhor escreve que encontra-se perplexo quanto às respostas à questões como: "Qual a finalidade da vida?" e "Qual o significado de um judeu?" – e que dúvidas e confusões afligem-no dolorosamente.

Como o senhor escreve que frequentou a universidade e estudou ciências, provavelmente está familiarizado com o tipo de equacionamento de um problema complicado. Se queremos comprovar um determinado sistema, quanto às leis e princípios nele prevalescentes, começamos pelas partes que se prestam mais facilmente à análise e à verificação. Quando tivermos comprovado a maior parte do sistema, passo por passo (ou progressivamente em complexidade). Poderemos então, depreender com segurança que, se a maior parte deste sistema se enquadra em certas leis específicas, o restante do mesmo, também é regido pelas mesmas leis.

O próprio bom-senso justifica a admissão de que, se uma determinada lei é válida numa vasta maioria de casos, isso também ocorrerá num caso particular em que não possa ser demonstrada com segurança.

Aplicando este método de enfoque ao Universo como um todo, estamos cada vez mais convencidos, ano após ano, da lei e ordem que regem a Natureza, incluindo a matéria inerte, até o átomo diminuto, e particulas ainda menores.

A Ciência Nuclear descobriu harmonia e ordem, jamais imaginadas antes, em aproximadamente cem elementos conhecidos até hoje. Num Universo de tamanha harmonia e organização, obviamente o homem também deve estar submetido à ordem e finalidade.

Indo um passo à frente, a conclusão inevitável é que, uma vez que existem tais leis e tal ordem no Universo, deve haver uma Autoridade Mais Elevada responsável pelas mesmas. A analogia é bem conhecida: Quando temos em nossas mãos um livro impresso, de centenas de páginas, contendo uma história concatenada ou uma filosofia, não podemos sequer, por qualquer rasgo de imaginação, admitir que uma garrafa de tinta foi derramada acidentalmente e produziu o livro. Da mesma forma, é muito menos admissível – infinitamente menos admissível – que o nosso universo, com o seu número infinito de átomos, moléculas e partículas, todas distribuídas em perfeita ordem e harmonia, existem por acidente.

Obviamente há um Criador e Arquiteto, o qual dispõe e relaciona todas as diversas partes do Universo em perfeita união e harmonia, em conformidade com o conjunto de leis que Ele cria e supervisiona. É claro que todo o sistema está além da nossa compreensão, uma vez que a nossa compreensão, bem como a nossa existência como um todo, é apenas uma parte infinitesimal de toda a ordem cósmica, e certamente não é, de forma alguma, comparável ao do próprio Criador. Evidentemente, é absurdo esperar poder compreender o Criador, e mais ilógico ainda, negar Sua existência, devido à nossa incapacidade em compreendê-lo. Pode uma unidade conter um número infinito de unidades? E aqui, pelo menos há alguma relação, pois tanto a unidade (Um), como um número infinito de unidades (Uns) são objetos idênticos – números, ao passo, que não há comunhão entre a criação e o Criador.

Aplicando a analogia da ciência, um passo adiante: na física, na química, etc., quando uma lei é deduzida de uma série de experiências e comprovada por diferentes pessoas, sob condições variáveis de pressão, temperatura, umidade, etc., eliminando desta forma a possibilidade de erro, efeitos colaterais, etc., esta lei é aceita e torna-se válida também para o futuro.

Esta "regra" científica é aplicável, também, a acontecimentos e fenômenos no passado. Quando um determinado acontecimento ou fenômeno é referido, admitido por muitos historiadores e reportado de maneira idêntica, não há "dúvida científica" de que o fato realmente ocorreu naquelas circunstâncias.

Exemplo de acontecimento histórico foi a Revelação no Monte Sinai relatada de maneira idêntica por milhões de homens, mulheres e crianças; pessoas de todos os níveis de vida e antecedentes que presenciaram-na pessoalmente e depois relataram-na fervorosamente a seus filhos, geração após geração, sem interrupção, até os dias de hoje.

Em tempo algum, mesmo durante os piores pogroms e massacres de judeus não houve menos do que milhões de judeus mantendo fervorosamente esta tradição. É bem sabido que jamais na História Judaica houve uma interrupção na cadeia de tradição judaica do Sinai até os dias atuais.
Isto faz este acontecimento, o mais autêntico de todos os acontecimentos históricos da História Humana.

Isto significa que a Torá que temos e veneramos é dada por D’us e contém, não apenas a nossa maneira de viver, mas também a chave para a nossa existência em todos os tempos, uma vez que é eterna como o seu Doador. Não é um livro de teoria, filosofia ou especulação, e sim um guia prático para nossa vida diária, válida em todos os lugares e em qualquer época, incluindo a América do século XX. Aqui, na Torá, a Lei Escrita e Verbal, a finalidade da vida humana nesta terra está claramente indicada.

Resumindo-a:

É viver de acordo com a Torá, cumprindo seus preceitos (Mitsvot – Farás) e abstendo-se de suas proibições (Mitsvot – Não farás). A Torá também preveniu-se contra a natureza fraca do homem para as tentações e dilemas que ele, criatura de carne e osso, enfrenta na vida. É difícil, quase impossível para o homem, jamais falhar; e a Torá indicou que, caso isso aconteça, não há necessidade de se desesperar. Há sempre a possibilidade da Teshuvá – o retorno a D’us – e ao bom caminho; e o próprio fracasso pode se transformar em um trampolim para um salto à frente, e um avanço cada vez maior.

Pode-se perguntar: se tudo o que foi escrito acima é tão simples e lógico, como explicar o número comparativamente pequeno daqueles que observam a Torá e as mitsvot, enquanto que os transgressores são tão numerosos?

A resposta a esta pergunta também é bastante simples. Eu sinto-a na minha própria carne: quando alguém medita sobre sua própria conduta e suas realizações, particularmente em sua vida cotidiana [não em períodos de elevação espiritual especial, como nos dias de Yom Tov, etc.], não é difícil ver que um número muito grande dessas ações são motivadas por desejos e inclinações, e não pelo intelecto. Isto é particularmente verdadeiro quando o conflito não impõe a ameaça imediata de "represárias". Quanto mais remoto o perigo das sanções, mais fraca se torna a motivação intelectual e a conduta torna-se mais fortemente influenciada por desejo e emoção; e mais ainda, quando as sanções são de natureza "abstrata". Pois o medo das sanções físicas (multas, confinamentos, etc.) é mais eficaz do que a advertência por argumentação em nome da moral, justiça, humanismo, etc.

Há também um fator adicional da natureza humana. Quando o homem sucumbe à tentação e comete um "pecado", ele pode experimentar uma de duas espécies de reação: Se ele é honesto e corajoso ele reconhecerá seu ato pelo que representa, – um fracasso–, bem como uma quebra de sua própria vontade sincera e consciência. Reconhecendo o seu fracasso como um sinal de fraqueza, ele procurará suplantá-lo e agirá melhor na próxima vez; D’us terá compaixão e o perdoará se admitir seu erro e resolver corrigi-lo.

Aquele, porém, que teme enfrentar a verdade e suas consequências no caso de uma falha, começa a encontrar desculpas para si próprio e para justificar sua ação negativa. Mais ainda: como "uma transgressão acarreta outra em sequência", o complexo de culpa, a necessidade de auto-justificativa, tornar-se-ão cada vez mais persistentes e prementes, não só para acalmar sua própria consciência atormentada, como para se defender aos olhos dos outros.

O amor mascara todas as ofensas, principalmente o amor próprio, e o suborno cega os olhos, mesmo dos sábios. Ele se tornará, assim, parcial em seu próprio favor e em seu pensamento confuso "Criará" uma filosofia pessoal, ou mesmo uma "weltanschauung" para adaptar-se à sua conduta, que não somente a justificará, como ainda transformará o vício em virtude. Desnecessário dizer que é difícil alongar-se nesses assuntos numa carta. Acredito, porém, que os pontos mencionados servirão como pontos de partida para que o senhor medite e compreenda que o mundo não é confusão, e que tudo e todos tem o seu lugar e a sua finalidade.

Se o senhor puder se considerar objetivamente liberto de preconceitos, influências ambientais, bem como outras coisas, o senhor descobrirá o seu próprio lugar, e a finalidade da vida, à luz do que foi dito acima…

Com bênção,
(assinatura do Rebe)

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
1 Comentário
1000 Caracteres restantes
Maria do Socorro Mauá , SP 8 Dezembro, 2015

Ensinamentos profundos que se bem entendidos adquirimos consciência que somos pequenos ao ponto de não sabermos nada. Reply