Entre em contato

Se Eu Esquecer de Ti Jerusalém

Se Eu Esquecer de Ti Jerusalém

 E-mail

Devemos começar a entender a importância da memória. Memória não é apenas história ou arquivo morto. Por definição, a memória passada cria o presente. Repressão da memória cria o desequílibro mental. A saúde depende da recuperação da memória. Ditadores consolidam seu poder distorcendo a memória. Stalin apagou Trotsky e Bukharin de fotografias. Revisionistas negam que o Holocausto tenha acontecido. Que diferença faz? O homem é memória. Ninguém pode apagar o que foi visto (testemunhado) e documentado.

Pessoas que perdem a memória não perdem apenas suas referências; perdem também suas identidades. Ficam perdidas no tempo, pois sem memória, o presente não tem contexto e nem significado.

Yerushaláyim é para nós judeus como a luz, a água e o ar. O centro para o qual nos voltamos três vezes ao dia, dirigindo nossas preces a D’us; voltamos nossa mente e coração em direção a Yerushaláyim; onde quer que estejamos, judeus na Europa, Ásia, Africa, não importa, todos estarão voltados para a direção em que nasce o sol, onde se encontrava erguido o Bet Hamicdash, o Templo Sagrado.

Quando os judeus foram exilados de Jerusalém pela primeira vez, o profeta Yirmiyáhu escreveu: "Se eu esquecer de ti Yerushaláyim, que minha mão direita perca sua destreza. E que minha língua fique grudada a meu palato. Se eu não me lembrar de ti. Se não elevar Yerushaláyim acima de minha maior alegria".

Yerushaláyim fez, faz e eternamente fará parte da vida do Povo Judeu.

É lembrada nos momentos mais felizes. Em todos os casamento judaicos, a cena mais emocionante sob a chupá é aquela que dá desfecho à cerimônia em que um copo é quebrado pelo noivo em lembrança à destruição do Templo Sagrado de Jerusalém.

Em outros lugares D'us é teoria, mas em Jerusalém Ele pode ser sentido como uma presença tangível, em incontáveis fatos históricos relatados na Torá, que marcaram cada pedra, cada estrada que conduzia a ela. O exato local onde seria construído o Templo Sagrado foi testemunha da cena em que Yaacov teve o sonho de anjos subindo e descendo de uma escada; foi também palco do sacrifício de Yitschac levado por seu pai Avraham, o qual declarou sobre o lugar: "Este é o local onde D'us é visto.". Jerusalém foi cenário de batalhas e glórias, de liberdade e exílio, onde sempre alimentou nossa memória e esperança. Foi de construção, destruição e se D’us quiser, será de reconstrução definitiva.

Antigamente o Monte do Templo era o ponto mais alto da cidade de Yerushaláyim, mas no ano 135, escravos romanos levaram a sujeira para fora da montanha, transformaram-a no vale que vemos hoje em dia na Cidade Velha. Os romanos expeliram os Judeus de Yerushaláyim e os impediram de retornar, causando a dor da morte. A vida judaica, proclamaram, terminava agora.

Os Cruzados reescreveram a importância de Yerushaláyim, não mais como o centro unificador do povo judeu, mas o local de outras paixões alheias ao judaísmo. Como os romanos eles expulsaram os judeus, e destruíram sinagogas. Os muçulmanos vieram depois, e como os outros, reescreveram a memória de Jerusalém, banindo judeus e cristãos. Construíram mesquitas sistematicamente, em todo local santo para os Judeus. Eles apagaram o passado. Cada uma destas culturas reescreveu nosso lugar, o lugar judaico na história. Nos reduziram, acreditavam eles, à caixa de pó da história — certa vez um grande povo, mas agora, abandonado por D'us e ultrapassado pelo tempo.

No entanto, contrariando qualquer lógica ou estatística, continuamos aqui. Nossa memória jamais nos traiu. Todos os anos, ao final do sêder de Pêssach, data em que celebramos nosso Êxodo do Egito e liberdade rumo a Terra Santa, declaramos: "No próximo ano em Jerusalém", o desejo de chegar a uma época em que não precisaremos mais viver na galut, diáspora, o sonho de um mundo no qual amor e justiça, paz e união nos reconduzirão ao centro do universo, a moradia de D’us.

Yerushaláyim está viva e sempre presente. Quando construímos nossas casas, deixamos um pequeno quadrado sem acabamento, e quebramos um copo em casamentos, em memória a Yerushaláyim. Do mundo inteiro nos viramos e rezamos para Yerushaláyim, e porque a memória foi mantida viva, o povo judeu sobreviveu.

Quando Yerushaláyim foi liberada, tempo era confuso. O passado ficou presente. O que nós tínhamos almejado se tornou nosso. O que nós tínhamos sonhado ficou real, e os soldados choraram, pois um país mediterrâneo adolescente recuperava uma memória perdida durante 2000 anos, repentinamente. O passado estava imediatamente presente, inacreditavelmente transformando-nos no que sabíamos que sempre fomos.

Quem somos nós?

Nós não somos itinerantes menosprezados e empobrecidos, sobrevivendo às custas da benevolência inconstante de outras nações. Não somos uma nação de fazendeiros que recuperam pântanos, nem de guerreiros - entretanto quando nós precisamos, somos todas estas coisas. Somos uma nação de sacerdotes e profetas, que tem servido de exemplo, inspiração e luz a toda a humanidade.

O Talmud diz que o nome Yerushaláyim vem de D'us, composto de duas partes: "Yira", que significa 'ver' e 'shalem', 'paz'; portanto, "Visão da paz".

A cidade, capital espiritual do mundo, nos dá força para almejar e alcançar esta visão. A matemática de nossos atos no cumprimento de Torá e mitsvot, desde Avraham até nossos dias, envolvendo todos os judeus que trilham o caminho da teshuvá (retorno), tem nos conduzido verdadeira e irremediavelmente a Jerusalém e ao início de uma nova era… quase palpável!

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
4 Comentários
1000 Caracteres restantes
Wander BH 31 Dezembro, 2016

Yerushalayim Nunca., mas nunca mesmo, esqueçamos de Yerushalayim....O Santo,Bendito é Ele... Reply

LENIVAN ELIAS DA SILVA OLINDA 21 Julho, 2014

Tudo passa... Mas,as lembranças da memória são eternamente para sempre em nossos corações!!! Reply

Luiz Carlos Limeira Neto Trancoso BA 16 Setembro, 2013

Texto referente à memória do nosso povo "Se eu esquecer de ti Yerushaláyim, que minha mão direita perca sua destreza. E que minha língua fique grudada a meu palato. Se eu não me lembrar de ti. Se não elevar Yerushaláyim acima de minha maior alegria". Esta é uma doce realidade diaria de todos meus dias.E por estar longe e sozinho no Brasil passa a ser a razão de meu sofrimento. Guardo no fundo de meu coração a esperança na fidelidade de HASHEM que é bendito de em breve reunir não só a mim mais a todos que suspiram por Yerushaláyim.

Reply

Geraldo de Oliveira Filho S. Paulo , SP/Brasil 9 Janeiro, 2012

Texto referente à memória do nosso povo Obrigado, aos senhores, pelo belíssimo texto com que nos presentearam.
Não há muito a dizer, exceto que é honroso ser judeu e gratificante ter a certeza de que não estamos sós, mesmo quando estamos isolados.
Mais uma vez, obrigado, pelo que significa para nós, que muitas vezes não tivemos o privilégio da educação nos preceitos judaicos e que nos esforçamos para resgatá-los. Reply