Entre em contato

Felizes Para Sempre

Felizes Para Sempre

 E-mail

O que é tão sagrado quanto Yom Kipur, mais espiritual que a meditação e a melhor coisa que você pode fazer pela sua vida amorosa?
Você pode não acreditar, mas a resposta é o micvê – o antigo método judaico de orientar o relacionamento íntimo entre marido e mulher."
Existe amor depois do casamento? É realisticamente possível conservar a paixão e o entusiasmo num relacionamento com um parceiro por mais que alguns poucos anos? Como os judeus adquiriram uma reputação para famílias amorosas, seguras, calorosas, que durante gerações desfrutaram uma longevidade invejável?
Um dos maiores desafios do casamento moderno é o tédio da rotina. Não é fácil – o que explica por que tantos homens não conseguem se comprometer – ("Você quer dizer somente uma parceira pelo resto da minha vida!")
Não importa o quanto sua lua-de-mel tenha sido fantástica, cedo ou tarde o tédio tende a se instalar. Por fim, inevitavelmente, muitos casais passam a não dar valor a seu cônjuge. Procura então por algo novo ou diferente e não demora muito acabam por se afastar cada vez mais até a relação acabar em divórcio.
Para os outros que ficam juntos suportando-se mutuamente, todos terminam por viver, nas palavras de Thoreau, "vidas de desespero silencioso".
Não deixa de ser uma surpresa saber que muito antes de experts nesta área, nossos sábios instruiam nosso povo a adotar o plano Divino promovendo a qualidade no casamento, impedindo o tédio de destruir um bom casamento.
Uma das mitsvot da Tora é a Pureza Familiar, Taharat Hamishpachá. Na época do mês em que a mulher espera seu período menstrual, ela não tem qualquer forma de intimidade física com o marido. Na conclusão do seu período, ela conta sete dias e então mergulha em um micvê para santificação espiritual. O micvê é uma piscina limpa, com água aquecida, num ambiente agradável e privado, construído segundo rigorosos padrões haláchicos. Após esta imersão total, ela e o marido podem voltar ao relacionamento íntimo.
Os Sábios do Talmud declaram a esse respeito: Por que a Torá desejou que uma esposa ficasse separada de seu marido por um período mínimo de 12 ou mais dias? Para torná-la tão desejável a ele como no dia de seu casamento. (Talmud Niddah, 31b).
Os terapeutas atuais estão aconselhando casais a "estabelecerem um tempo para o romance". Porém a nossa geração vive uma vida frenética. Com freqüência os dois parceiros têm carreiras exigentes, profissões e compromissos de negócios.
Com o sistema do micvê, há uma semana inteira de aviso antecipado sobre quando a intimidade será retomada. A noite do micvê, assim, torna-se aquela hora pré-estabelecida pra o romance, quando todos os outros compromissos são remarcados. Marido e mulher estão contando os dias, esperando pelo outro, antecipando ansiosos o momento do reencontro. Ambos estão sintonizados e ansiosos pelo encontro onde as paixões são reacendidas.
O amor é um ingrediente vital no desejo. Para os seres humanos, a intimidade não é questão de quantidade como no reino animal, mas sim de qualidade. Se há pouca qualidade no relacionamento, se a intimidade não é o clímax de um vínculo emocional, pode haver pouca satisfação, ou apenas momentânea. Não há esplendor, expectativas, preparação, nenhuma sensação de ser amado, e ficamos emocionalmente vazios, ainda desejando o calor e a segurança que ansiamos.
Taharat Hamishpachá é o segredo da sobrevivência da família judaica porque traz paz, harmonia e tranqüilidade ao casal, além de bênçãos para os filhos e para as futuras gerações.
Muitas mulheres mesmo não sendo observantes fazem questão de cuidar desta específica mitsvá. Há muitas razões e aqui citamos apenas uma delas:

Depoimento:
"Não sou totalmente observante, mas espero ansiosa minha ida mensal ao micvê para ter uma experiência profundamente tocante. Isso restaura minha espiritualidade. Me conecta com mulheres judias de todas as partes e todos os tempos. Creio que o micvê é um dos maiores presentes que D'us deu ao povo judeu. Formo elos que me ligam com Sara, Rivca, Rachel, Leah, Miriam, Esther – e tantas mulheres maravilhosas que construíram a história de nosso povo e fizeram exatamente o que eu acabara de fazer… um mergulho.
“Através deste simples ato, que requer uma decisão conjunta – de minha parte, uma preparação física e espiritual até o momento de me tornar apta a realizá-lo, somos capazes de projetar uma nova luz e perspectiva ao nosso casamento. Estes momentos de afastamento são fortificados e recompensados pelos momentos de união (e vice-versa). Aprendemos a nos respeitar, a esperar um pelo outro, a nos reeducar criando outras formas de comunicação. Nos tornamos mais criativos e atraentes. E tudo isto poderia somente ter sido projetado por uma mente brilhante, por Aquele que domina toda a geografia humana...”

© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
1 Comentário
1000 Caracteres restantes
Reginaldo Natal, RN 4 Abril, 2011

Felizes para sempre Achei fantástico a sistematização/organização do sistema. O mundo carece de famílias equilibradas e desligadas dessa frivolidade sexual que os meios de comunicação derramam nos nossos lares. Reply