Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Velas de Shabat em Auschwitz

Velas de Shabat em Auschwitz

 E-mail

Nasci e fui criada num lar ortodoxo na União Soviética, nos Montes Cárpatos (antes este local era a Hungria). Levávamos uma vida dupla. Em casa era uma coisa, e na escola um tanto diferente.

Meus pais contavam histórias sobre a vida antes da guerra e durante a guerra, especialmente sobre o campo de concentração. Minha mãe esteve em dois campos de concentração; o primeiro foi Auschwitz, e o segundo Bergen Belsen.

Eles chegaram a Auschwitz no segundo dia de Shavuot, e a partir daquele dia ficaram contando os dias até o Shabat. Toda sexta-feira ela fazia duas pequenas velas com a margarina que economizava e não comia, pegava alguns fios da barra de seu vestido e os acendia.

Minha mãe encorajava todas as outras mulheres no barracão a fazer o mesmo, e elas assim procediam, portanto o barracão era iluminado toda sexta-feira à noite com essas velas.

Ela jamais perdeu sua fé, e mesmo depois da guerra era uma senhora muito religiosa. Alegava que tinha sobrevivido somente devido às suas velas do Shabat.

Quando em 1972 meus pais fizeram aliyá, mudaram-se para Israel, foram de casa em casa para ensinar os judeus russos como rezar e como acender velas de Shabat. Isso era muito importante para meus pais. E eu desde criança fui ensinada o quanto esta luz é relevante e essencial em nossa vida.

Por Olga Fin
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Inicie um Debate
1000 Caracteres restantes