Here's a great tip:
Digite seu endereço de e-mail e lhe enviaremos nossa revista semanal com conteúdo novo, interessante e reflexivo que irá enriquecer sua caixa de entrada e sua vida, semana após semana. E é gratuito.
Oh, and don't forget to like our facebook page too!
Entre em contato

Como Tornar-se Um Ser Humano Casher

Como Tornar-se Um Ser Humano Casher

Por Rabi YY Jacobson

 E-mail

David Goldberg encontra alguém na rua que parece com seu velho amigo Jack.

“Jack”, diz ele, “você engordou e seu cabelo está grisalho. Parece um pouco mais baixo do que me lembro e suas bochechas estão inchadas. Além disso, está caminhando de modo diferente e até soa diferente. Jack, o que aconteceu com você?”

“Não sou Jack,” diz o homem.

“Uau! Você mudou até o nome,” diz David.

Dois sinais

Animais terrestres que são permitidos, ou casher, para judeus consumirem são identificados na Torá por duas características distintas. Primeiramente, o animal deve trazer de volta o bolo alimentar e mastigá-lo. Isso significa que após engolir seu alimento, o animal deve regurgitar do primeiro estômago até a boca para ser mastigado novamente. Esse alimento regurgitado é chamado “bolo alimentar”. Segundo: o animal deve ter cascos completamente fendidos1. Por exemplo, vaca, cabra, ovelha e gazela possuem essas duas características e são considerados casher. O burro e o cavalo, por outro lado, que carecem desses dois aspectos, são definidos como animais não-casher. O porco, que tem cascos fendidos mas não rumina seu bolo alimentar, e o camelo, que rumina mas não tem cascos fendidos, são animais não-casher2.

Por que essas características fazem um animal se tornar casher?

O Judaísmo ensina que os atributos físicos de um animal refletem as qualidades distintas psicológicas e espirituais de sua alma3.

Outro ponto explicado pelos místicos judeus é que o alimento que a pessoa consome tem um efeito profundo sobre sua psique. Portanto, quando a pessoa come a carne de um determinado animal, a “personalidade” desse animal afeta a identidade do consumidor humano.4.

Os cascos fendidos e o ato de ruminar representam duas qualidades da alma desses animais que são crucialmente necessárias para o desenvolvimento saudável do caráter humano. Quando o judeu consome a substância desses animais, torna-se um ser humano mais “casher” e refinado5.

Auto-Disciplina Moral

Patas fendidas – a divisão existente nos pés de um animal são um símbolo da noção de que o movimento na vida (refletido pelas pernas móveis) é governado por uma divisão entre “direita” e “esquerda”, entre certo e errado, entre o permitido e o proibido.Um casco fendido representa a capacidade humana de aceitar que há coisas a serem adotadas e coisas a serem rejeitadas.

Este processo de auto-disciplina moral é a característica de levar uma vida saudável, psicológica e espiritual. Um violino pode produzir sua linda música somente quando as cordas estão presas, não quando estão soltas e “livres”. Similarmente, um ser humano que se permite fazer tudo que deseja, quando deseja, onde quer que deseja e com quem quer que deseje, tira de si mesmo a oportunidade de sentir a música interior da alma.

Desafie a Si Mesmo

A segunda qualidade que caracteriza um ser humano “casher” é que ele sempre rumina seu bolo alimentar.

Mesmo depois que uma pessoa “engole” e integra em sua vida determinadas perspectivas, atitudes e sentimentos, jamais deve se tornar totalmente auto-seguro e presunçoso sobre eles. O ser humano espiritual precisa regurgitar continuamente suas noções e ideias a serem mastigadas e refletidas novamente.

O homem jamais deve permitir-se se tornar plenamente satisfeito em sua própria órbita (como a anedota acima sobre David Goldberg gentilmente demonstra). O contentamento traz presunção; a presunção alimenta a arrogância. Uma pessoa deveria sempre – até seu último suspiro - desafiar a si mesma, examinar seu comportamento e refinar seu caráter6.

NOTAS
1.
Levítico ibid.
2.
Levítico ibid.Deuteronômio 14:4-8.
3.
Para exemplos, veja Licutei Levi Yitzchak Igros Kodesh pág. 334.
4.
Veja Nachmanides Levítico 11:13; Tanya cap. 8. Cf. Shulchan Aruch Yoreh Deah seção 81.
5.
Licutei Sichot vol. 1 págs. 223-224.
6.
Este ensaio é baseado num discurso do Rebe feito em 1956 (Licutei Sichot ibid. págs., 222-226. Cf. Licutei Sichot vol. 2 pág. 378.) Minha gratidão a Shmuel Levin, escritor e editor em Pittsburgh, por sua assistência editorial.
© Direitos Autorais, todos os direitos reservados. Se você gostou desse artigo, encorajamos você a distribuí-lo, desde que concorde com a política de copyright de Chabad.org.
 E-mail
Participe da discussão
Classificar por:
1 Comentário
1000 Caracteres restantes
Alexandre Cocolichio Embu-Sp 16 Setembro, 2016

Muito bom ! Todah Raba lekulam. Shabat shalom ! Reply