Por Rabino Shamai Ende
Em seu livro: “Últimos Momentos”

1. É costume judaico colocar uma matsevá (pedra tumular) sobre o túmulo do falecido . Esta é de responsabilidade dos filhos e demais parentes. Caso o falecido não tenha parente próximo com condições de fazê-la, passa a ser responsabilidade da Chevra Kadisha local.
2. Sobre esta pedra deve se escrever o nome do falecido, a data de seu falecimento e as letras תנצבה, que são as iniciais das palavras: ‘Tehê nishmatô tserurá bitseror hachaim’, ou seja, ‘seja sua alma envolvida no pacote da vida’.
3. Ao escrever o nome do falecido, deve-se escrever o nome de seu pai. Este é o costume da maioria dos ashkenazim, sendo também o costume Chabad. No entanto, entre a maioria dos sefaradim escreve-se o nome da mãe. Há também costumes em que se escreve ambos os nomes.
4. Deve-se evitar ao máximo escrever na matsevá letras que não sejam em hebraico, muito menos data não judaica e nomes não judaicos, pois isto pode prejudicar o falecido.
5. Pode-se escrever na matsevá algumas qualidades do falecido. No entanto, ao escrever na matsevá uma qualidade que o falecido não tinha, pode prejudicá-lo. Por este motivo, deve-se evitar ao máximo escrever tais adjetivos, salvo se tem-se a certeza de que o falecido possuía estas qualidades. Por este motivo, muitas pessoas idôneas costumam deixar escrito no testamento que não escrevam nada em sua matsevá, além de seu nome e data de falecimento.
6. Muitos chassidim costumam escrever em sua matsevá o nome de seu mestre, para que isto sirva como mérito para a alma.
7. Mesmo sobre o túmulo de uma criança deve se colocar uma matsevá. Porém, não se coloca uma matsevá no túmulo de um feto ou de uma criança que faleceu com menos de um mês de idade, mas o túmulo deve ser demarcado.
8. É de responsabilidade da Chevra Kadisha averiguar o texto da matsevá para certificar que não contém erros ou louvores demasiados.
9. Se o falecido tinha parentes falecidos no Holocausto, ou em outras guerras, cujos corpos não foram encontrados, costuma-se escrever seus nomes em sua matsevá.
10. Em alguns cemitérios costuma-se colocar a matsevá de pé na direção da cabeça do falecido, sendo este o costume da maioria das comunidades de fora de Israel. Em outros locais, como em Israel e em algumas comunidades da diáspora, a matsevá é colocada na horizontal sobre o túmulo. Cada um deve seguir o costume local, sendo proibido portar-se de maneira diferente do habitual (salvo se o costume local não for de acordo com a halachá).
11. Não existe tamanho mínimo para a matsevá, podendo ser até mesmo uma pequena pedra onde caibam os dizeres, devendo cada um seguir o costume local. No entanto, deve-se demarcar os limites do túmulo, independentemente da matsevá.
12. Muitas autoridades rabínicas proíbem plantar sobre o túmulo árvores, flores ou demais plantas, sendo que o espaço sobre o túmulo que não é ocupado pela matsevá, deve ser preenchido com um cimentado, pedras ou simplesmente deixá-lo com a terra natural. No entanto, existem autoridades rabínicas que permitem plantar sobre o túmulo um gramado ou outras plantas rasteiras.
13. Deve-se evitar fazer pedras tumulares muito caras ou com letras douradas, para não esbanjar dinheiro desnecessariamente. Costuma-se escrever sobre a matsevá letras gravadas em baixo relevo, pois há problemas de ler dizeres na matsevá escritos em alto relevo.
14. Pode se fazer uma matsevá larga sobre o túmulo de um casal, sendo que sobre cada um deve escrever seus dizeres separados.
15. É proibido colocar sobre a matsevá uma foto ou pintura do falecido ou de qualquer pessoa.
16. Uma matsevá que quebrou ou que se apagou com o tempo pode, e deve, ser substituída, sendo que a primeira matsevá deve ser enterrada, já que não pode ser usada para nada.
17. A responsabilidade da manutenção da matsevá é dos parentes próximos, ou da Chevra Kadisha na falta de parentes.

Quando se coloca a matsevá

18. Há costumes de colocar a Matsevá somente após doze meses do falecimento ou no dia do primeiro Yohrtsait, outros costumam colocá-la após o shloshim, ou após onze meses, e entre muitos chassidim, costuma-se colocá-la no sétimo dia ou oitavo dia, após levantar-se da shivá.
19. Conforme o costume Chabad, coloca-se a matsevá logo após a shivá, sendo que se não ficarem pronto os dizeres, coloca-se apenas a pedra gravando os dizeres posteriormente. Caso não for possível colocá-la logo após a shivá, coloca-se o quanto antes.

Costumes do descerramento da matsevá

20. No dia da inauguração da matsevá, costuma-se visitar o túmulo, de preferência na presença de um minyan.
21. Recita-se os Salmos conforme explicado acima, sendo que alguns costumam acrescentar as iniciais da palavra matsevá, no Salmo 119 (letras mem, tsadi, bêt e hê).
22. Na hora de colocar a matsevá costuma-se estudar Mishnayot.
23. Existem várias orações especiais a serem ditas na hora de colocar a matsevá, sendo que cada um deve seguir seu costume.
24. Um Cohen não pode se aproximar do túmulo dos pais na inauguração da matsevá, devendo ficar distante dos túmulos. Há leis específicas sobre esse assunto.